A Influência dos Valores Organizacionais no Desempenho de Agências Bancárias Outros Idiomas

ID:
6992
Resumo:
Este artigo objetivou verificar a influência dos valores organizacionais de agências bancárias no desempenho destas unidades. A pesquisa foi desenvolvida em uma instituição bancária pública. O Inventário de Perfis de Valores Organizacionais (IPVO) foi adaptado para a mensuração dos valores organizacionais das agências. O desempenho de cada agência foi medido de forma objetiva, pelo percentual de metas integralmente realizadas no ano de 2009. A amostra é do tipo não probabilística e composta por 271 agências, cujos dados acerca dos valores organizacionais foram proporcionados por 720 respondentes. A análise dos dados revelou que os valores organizacionais das agências se estruturam em quatro fatores: respeito aos stakeholders, diversão para os empregados, atuação competente e prestígio. Prestígio está positivamente correlacionado com o desempenho e o respeito aos stakeholders e a diversão para os empregados estão inversamente correlacionados com a variável dependente. A análise de regressão múltipla resultou em um modelo que explica 9,5% da variância no desempenho e composto por dois fatores como variáveis preditoras que influenciam positivamente o desempenho: prestígio e atuação competente. Os resultados mostraram que os valores organizacionais são uma das variáveis que podem impactar no desempenho de agências bancárias.
Citação ABNT:
MELO, W. F.; DOMENICO, S. M. R. A Influência dos Valores Organizacionais no Desempenho de Agências Bancárias. Revista de Administração Contemporânea, v. 16, n. 1, p. 137-156, 2012.
Citação APA:
Melo, W. F., & Domenico, S. M. R. (2012). A Influência dos Valores Organizacionais no Desempenho de Agências Bancárias. Revista de Administração Contemporânea, 16(1), 137-156.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/6992/a-influencia-dos-valores-organizacionais-no-desempenho-de-agencias-bancarias/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abbad, G., & Torres, C. V. (2002). Regressão múltipla stepwise e hierárquica em psicologia organizacional: aplicações, problemas e soluções [Edição Especial]. Estudos de Psicologia, 7, 19-29. doi: 10.1590/S1413-294X2002000300004

Agle, B. R., & Caldwell, C. B. (1999). Understanding research on values in business. Business and Society, 38(3), 326-387. doi: 10.1177/000765039903800305

Bartel, A. P. (2004). Human resource management and organizational performance: evidence from retail banking. Industrial and Labor Relations Review, 57(2), 181-203. doi: 10.2307/4126616

Becker, B., & Gerhart, B. (1996). The impact of human resource management on organizational performance: progress and prospects. The Academy of Management Journal, 39(4), 779-801.doi: 10.2307/256712

Cameron, K. (1981). Domains of organizational effectiveness in colleges and universities. The Academy of Management Journal, 24(1), 25-47. doi: 10.2307/255822

Cameron, K., & Quinn, R. (1999). Diagnosing and changing organizational culture. Massachusetts: Addison-Wesley.

Canova, K. R., & Porto, J. B. (2010). O impacto dos valores organizacionais no estresse ocupacional: um estudo com professores de ensino médio. Revista de Administração Mackenzie, 11(5), 4-31. doi: 10.1590/S1678-69712010000500002

Cavana, R. Y., Delahaye, B. L., & Sekaran, U. (2001). Applied business research: qualitative and quantitative methods. Singapore: John Wiley & Sons.

Combs, J. G., Crook, T. R., & Shook, C. L. (2005). The dimensionality of organizational performance and its implications for strategic management research. In D. Ketchen Jr. & D. D. Bergh (Eds.), Research methodology in strategy and management (Vol. 2, pp. 259-286). Amsterdam: Elsevier.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em Administração (7a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Deal, T. E., & Kennedy, A. A. (2000). Corporate cultures: the rites and rituals of corporate life (2a ed.). Massachusetts: Perseus Publishing.

Denison, D. R. (1997). Corporate culture and organizational effectiveness. New York: John Wiley & Sons.

Ferreira, M. C., Fernandes, H. A., & Silva, A. P. E. (2009). Valores organizacionais: um balanço da produção nacional do período de 2000 a 2008 nas áreas de administração e psicologia. Revista de Administração Mackenzie, 10(3), 84-100. doi: 10.1590/S1678-69712009000300006

Gordon, G. G., & DiTomaso, N. (1992). Predicting corporate performance from organizational culture. Journal of Management Studies, 29(6), 783-798. doi: 10.1111/j.1467- 6486.1992.tb00689.x

Guardani, F. (2008). A relação entre os valores organizacionais, as práticas e a confiança dos clientes em organizações do setor de serviços (Tese de doutorado). Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP, Brasil.

Hair, J. F., Jr., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. C. (2005). Análise multivariada de dados (5a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hair, J. F., Jr., Babin, B., Money, A. H., & Samouel, P. (2006). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Hofstede, G. (2003). Culturas e organizações: compreender a nossa programação mental. Lisboa: Edições Sílabo.

Lytle, R. S. (1994). Service orientation, marketing orientation, and performance: an organizational culture perspective (Dissertação de doutorado). Arizona State University, Tempe, Arizona, Estados Unidos.

Mendes, A. M., & Tamayo, A. (2001). Valores organizacionais e prazer-sofrimento no trabalho. Psico-USF, 6(1), 39-46. doi: 10.1590/S1413-82712001000100006

Neves, I. J. N., Jr., Garcia, S., & Morgan, B. F. (2007). Definição de metas para avaliação de desempenho de agências bancárias. Revista de Administração Mackenzie, 8(4), 60-80.

Oliveira, A. F., & Tamayo, A. (2004). Inventário de perfis de valores organizacionais. Revista de Administração da USP, 39(2), 129-140.

Pett, M. A., Lackey, N. R., & Sullivan, J. J. (2003). Making sense of factor analysis: the use of factor analysis for instrument development in health care research. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Porto, J. B. (2005). Mensuração de valores no Brasil. In A. Tamayo & J. B. Porto (Orgs.), Valores e comportamento nas organizações (pp. 96-119). Petrópolis: Vozes.

Rohan, M. J. (2000). A rose by any name? The values construct. Personality and Social Psychology Review, 4(3), 255-277. doi: 10.1207/S15327957PSPR0403_4

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, P. B. (2006). Metodologia de pesquisa (3a ed.). São Paulo: McGraw-Hill.

Schwartz, S. H. (1992). Universals in the content and structure of values: theoretical advances and empirical tests in 20 countries. Advances in Experimental Social Psychology, 25, 1-65. doi: 10.1016/S0065-2601(08)60281-6

Schwartz, S. H. (1999). A theory of cultural values and some implications for work. Applied Psychology: an International Review, 48(1), 23-47. doi: 10.1111/j.1464-0597.1999.tb00047.x

Schwartz, S. H. (2005a). Valores humanos básicos: seu contexto e estrutura intercultural. In A. Tamayo & J. B. Porto (Orgs.), Valores e comportamento nas organizações (pp. 21-55). Petrópolis: Vozes.

Schwartz, S. H. (2005b). Chapter 4: measuring values. European Social Survey Edunet. Recuperado em 15 dezembro, 2010, de http://essedunet.nsd.uib.no/cms/topics/1/4/all.html

Schwartz, S. H. (2006). Há aspectos universais na estrutura e no conteúdo dos valores humanos? In M. Ros & V. V. Gouveia (Orgs.), Psicologia social dos valores humanos: desenvolvimentos teóricos, metodológicos e aplicados (pp. 55-85). São Paulo: Senac.

Tamayo, A. (1998). Valores organizacionais: sua relação com satisfação no trabalho, cidadania organizacional e comprometimento afetivo. Revista de Administração da USP, 33(3), 56-63.

Tamayo, A. (2005a). Impacto dos valores pessoais e organizacionais sobre o comprometimento organizacional. In A. Tamayo & J. B. Porto (Orgs.), Valores e comportamento nas organizações (pp. 160-186). Petrópolis: Vozes.

Tamayo, A. (2005b). Valores organizacionais e comprometimento afetivo. Revista de Administração Mackenzie, 6(3), 192-213.

Tamayo, A. (2007). Contribuições ao estudo dos valores pessoais, laborais e organizacionais [Edição Especial]. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23, 17-24. doi: 10.1590/S0102-37722007000500004

Tamayo, A., & Borges, L. O. (2006). Valores do trabalho e das organizações. In M. Ros & V. V. Gouveia (Orgs.), Psicologia social dos valores humanos: desenvolvimentos teóricos, metodológicos e aplicados (pp. 397-431). São Paulo: Senac.

Tamayo, A., & Gondim, M. G. C. (1996). Escala de valores organizacionais. Revista de Administração da USP, 31(2), 62-72.

Tamayo, A., Mendes, A. M., & Paz, M. G. T. (2000). Inventário de valores organizacionais. Estudos de Psicologia, 5(2), 289-315. doi: 10.1590/S1413-294X2000000200002

Venkatraman, N., & Ramanujam, V. (1986). Measurement of business performance in strategy research: a comparison of approaches. Academy of Management Review, 11(4), 801-814. doi: 10.5465/AMR.1986.4283976

Venkatraman, N., & Ramanujam, V. (1987). Measurement of business economic performance: an examination of method convergence. Journal of Management, 13(1), 109-122. doi: 10.1177/014920638701300109

Voss, G. B., Cable, D. M., & Voss, Z. G. (2000). Linking organizational values to relationships withexternal constituents: a study of nonprofit professional theatres. Organization Science, 11(3), 330-347. doi: 10.1287/orsc.11.3.330.12497