Os processos grupais e a gestão de equipes no trabalho contemporâneo: compreensões a partir do pensamento complexo Outros Idiomas

ID:
7028
Resumo:
Neste artigo, propomos algumas reflexões sobre possíveis aproximações e distanciamentos entre os saberes sobre os processos grupais e gestão de equipes. Ainda que os conhecimentos sobre processos grupais e gestão de equipes estejam muito distanciados e pertençam a áreas do conhecimento diferentes, a saber, a psicologia e a administração, entendemos que pontes podem ser estabelecidas entre ambos, uma vez que, sejam grupos ou equipes, estamos falando de pessoas em relação de vida e de trabalho. No ambiente empresarial, a preocupação com resultados reifica uma ideologia sobre equipes verdadeiras, das quais se esperam eficiência e eficácia, porém parece haver pouco espaço para incluir, concomitantemente, a reflexão sobre a relação de vida no trabalho, trazendo com isso um prejuízo à subjetividade. A contemporaneidade imerge a gestão de equipes num jogo de forças entre o individual e o coletivo, entre a carreira e o si (autorreflexão), entre a vida e o trabalho. Aqui, embasados no pensamento sistêmico, discutimos como os conceitos e as propriedades dos sistemas vivos (a saber: a interação, a interdependência, a autonomia-dependência, a organização e a produção de si) podem nos ajudar em compreensões sobre o trabalho contemporâneo, tendo como mediação o pensamento complexo de Edgar Morin. Defendemos a possibilidade da dialógica entre os conceitos de gestão de equipes, processos grupais e seus contextos por meio dos modos de conhecimento por compreensão e explicação. Assim, objetividade e subjetividade, explícito e implícito podem se complementar, dando espaço para a subjetividade na dimensão profissional, ainda que a busca de resultados objetivos seja imperativa no trabalho pós-moderno.
Citação ABNT:
KASPARY, M. C.; SEMINOTTI, N. A. Os processos grupais e a gestão de equipes no trabalho contemporâneo: compreensões a partir do pensamento complexo. Revista de Administração Mackenzie, v. 13, n. 2, art. 175, p. 15-43, 2012.
Citação APA:
Kaspary, M. C., & Seminotti, N. A. (2012). Os processos grupais e a gestão de equipes no trabalho contemporâneo: compreensões a partir do pensamento complexo. Revista de Administração Mackenzie, 13(2), 15-43.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/7028/os-processos-grupais-e-a-gestao-de-equipes-no-trabalho-contemporaneo--compreensoes-a-partir-do-pensamento-complexo/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVES, M. C.; SEMINOTTI, N. O pequeno grupo e o paradigma da complexidade em Edgar Morin. Psicologia USP, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 113-133, 2006.

ANSOFF, H. I. Estratégia empresarial. São Paulo: McGraw-Hill, 1981.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2003.

BAREMBLITT, G. (Org.). Grupos: teoria e técnica. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

BARROS, R. B. de.Grupo: a afirmação de um simulacro. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

BION, W. R. Experiências com grupos: os fundamentos da psicoterapia de grupo. Rio de Janeiro: Imago, 2006.

CABRAL, P. M. F. Desenvolvimento de competências coletivas de liderança e de gestão: uma compreensão sistêmico-complexa sobre o processo e organização grupal [documento impresso eletrônico]. Porto Alegre, 2007. 146 f.

CABRAL, P. M. F.; ROCHA, C. B. J.; SEMINOTTI, N. Reflexões sobre os atuais modelos de gestão na produção da (inter)subjetividade dos trabalhadores. Revista Psico, Porto Alegre, v. 39, n. 2, p. 224-231, 2008.

CAPRA, F. Conexões ocultas. São Paulo: Cultrix, 2005.

CASTEL, R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis: Vozes, 2008.

CATTANI, A. D. (Org.). Dicionário crítico sobre o trabalho e tecnologia. Petrópolis: Vozes; Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2002.

CHIAVENATO, I. Introdução à teoria geral da administração. 5. ed. São Paulo: Makron Books, 2000.

CUNHA, A. G. da. Dicionário etimológico Nova Fronteira da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

DELEUZE, G. O que é un dispositivo? In: DELEUZE, G. Michel Foucault, filósofo. Barcelona: Gedisa, 1990. p. 155-161.

DILTHEY, W. Psicologia y teoria del conocimiento. México: Fondo de Cultura Económica, 1951.

DUHÁ, A. H.; SEMINOTTI, N. A. Organização de equipes efetivas: estudo de uma empresa gaúcha. Análise, Porto Alegre, v. 1, p. 139-166, 2006.

FERNÁNDEZ, A. M. O campo grupal: notas para uma genealogia. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FONSECA, T. M. G. Trabalho, gestão e subjetividade. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 55, n. 1, p. 2-11, 2003.

GEUS, A. de. A empresa viva: como as organizações podem aprender a prosperar e se perpetuar. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

GONZÁLEZ, P. Equipos de trabajo efectivos. Barcelona: EUB, 1996.

GORZ, A. Crítica da divisão do trabalho. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

HARRIS, T. E.; SHERBLOM, J. C. Small group and team communication. Massachusetts: Allyn & Bacon, 1998.

KATZENBACH, J. R. Equipes campeãs: desenvolvendo o verdadeiro potencial de equipes e líderes. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

KATZENBACH, J. R. The wisdom of teams: creating the high-performance organization. New York: Harper, 1994.

KATZENBACH, J. R.; SMITH, D. K. Equipes de altaperformance – the discipline of teams: conceitos, princípios e técnicas para potencializar o desempenho das equipes. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

LANE, S. T. M. Psicologia social: o homem em movimento. São Paulo: Brasiliense, 2004.

LAPASSADE, G. Grupos, organizações e instituições. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1983.

LEWIN, K. Teoria de campo em ciência social. São Paulo: Pioneira, 1965.

LUMSDEN, G.; LUMSDEN, D. Communicating in groups and teams. California: Wadsworth, 2000.

MARRA, M. M.; FLEURY, H. J. Grupos: intervenção socioeducativa e método sociopsicodramático. São Paulo: Ágora, 2008.

MARTÍN-BARÓ, I. Psicología de la liberación. Madrid: Trotta, 1998.

MARX, K. Manifesto comunista. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

MARX, K. O capital. Rio de Janeiro: LTC, 1982.

MORENO, J. L. Psicoterapia de grupo e psicodrama: introdução à teoria e à praxis. São Paulo: Mestre Jou, 1974.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

MORIN, E. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

MORIN, E. Epistemologia da complexidade. In: SCHNITMAN, D. F. (Org.). Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto alegre: Artes Médicas, 1996.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2006.

MORIN, E. O método 1: a natureza da natureza. Porto Alegre: Sulina, 2005.

MORIN, E. O método 3: conhecimento do conhecimento. Porto Alegre: Sulina, 2008.

MORIN, E. O método 6: ética. Porto Alegre: Sulina, 2007.

MOSCOVICI, F. Equipes dão certo: a multiplicação do talento humano. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

OFFE, C. Trabalho e sociedade: problemas estruturais e perspectivas para o futuro da sociedade do trabalho. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1991.

PARKER, G. M. O poder das equipes: um guia prático para implementar equipes interfuncionais de alto desempenho. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

PAZ, O. Signos em rotação. São Paulo: Perspectiva, 2005.

PICHON-RIVIÈRE, E. O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

ROGERS, C. R. Grupos de encontro. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

SARTRE, J.-P. Crítica da razão dialética: precedido por questões de método. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

SCHEIN, E. H. Princípios de consultoria de processos: para construir relações que transformam. São Paulo: Peirópolis, Instituto Fonte para o Desenvolvimento Social, 2008.

SEMINOTTI, N.; CARDOSO, C. As configurações vinculares no pequeno grupo potencializando e/ou limitando seu processo. Vínculo, São Paulo, v. 4, p. 26-37, 2007.

SEMINOTTI, N.; MORAES, M. L. A. de; JOTZ, C. B. e R. A invenção dos pequenos grupos, as teorias que os explicam/compreendem e a complexidade sistêmica. In: ENCONTRO REGIONAL

SENGE, P. M. A quinta disciplina: arte e prática da organização de aprendizagem. São Paulo: BestSeller, 1998.

SENGE, P. M. Presença. São Paulo: Cultrix, 2007.

STONER, J. A. F.; FREEMAN, R. E. Administração. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

TOCQUEVILLE, A. O antigo regime e a revolução. Brasilia: Univ, 1982.

VASCONCELLOS, M. J. E. de. O pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas: Papirus, 2002.

ZANELLI, J. C. Estudo do desempenho pessoal e organizacional: bases para o desenvolvimento de equipe de consultores. RAC, v. 1, n. 2, p. 121-143, maio/ago. 1997.

ZIMERMAN, D. Fundamentos básicos das grupoterapias. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.