Estratégias e Táticas Empreendidas nas Organizações Familiares do Mercadão de Madureira (Rio de Janeiro) Outros Idiomas

ID:
7034
Resumo:
O objetivo deste artigo é apresentar uma discussão, por meio de um estudo multicasos,
acerca de como pequenas organizações familiares, inseridas no Mercadão de Madureira (Rio de Janeiro), conseguiram e conseguem sobreviver tendo em vista as mudanças contextuais as quais essas organizações foram submetidas ao longo de quase um século de história. Objetivou-se saber quais são as táticas e estratégias empreendidas pelos gestores e demais sujeitos envolvidos nessas organizações familiares que lhes permitiram a sobrevivência. Trabalhou-se com o conceito de estratégia como prática, que se associa à perspectiva do cotidiano e do contexto, que influenciam os saberes-fazeres dos indivíduos. Buscou-se na
noção de representações sociais um caminho pela relação entre representação e ação. A abordagem metodológica foi qualitativa, pois entendeu-se que seria a alternativa mais adequada à perspectiva teórica da estratégia como prática e como processo, permitindo maior riqueza das observações advindas da associação entre sujeito de pesquisa, locus de trabalho e pesquisador. A pesquisa empírica foi desenvolvida a partir de entrevistas, que foram gravadas, transcritas e analisadas de acordo com caminhos propostos no âmbito da análise do discurso. Foram feitas análises quanto aos implícitos, aos percursos temáticos e à existência de polifonia. Com base nos dados analisados, compreendeu-se que os processos
estratégicos empreendidos pelos gestores das organizações são cotidianamente metamorfoseados, esculpindo e polindo cada vez mais os saberes-fazeres e o próprio espaço. Além disso, compreendeu-se que as práticas estratégicas não são delineadas apenas nas organizações familiares, pois elas nunca estão sozinhas em suas práticas cotidianas. As táticas e estratégias sustentam-se umas às outras, configurando assim a organização Mercadão de Madureira. O trabalho contribui para os estudos de estratégia no sentido de mostrar que, além das perspectivas apontadas pelos autores que tratam da questão da representação espacial, é necessário ainda um foco sobre tal representação, tanto física como simbólica, tendo sido o espaço simbólico um elemento-chave para a pesquisa. A
originalidade deste trabalho está na forma que busca estudar a estratégia, fugindo da perspectiva de que os sujeitos – gestores de qualquer negócio – não podem desenvolver práticas sociais em que se intercalam estratégias e táticas de sobrevivência do negócio e da família.
Citação ABNT:
CARRIERI, A. P.; MURTA, I. B. D.; TEIXEIRA, J. C.; SOUZA, M. M. P. Estratégias e Táticas Empreendidas nas Organizações Familiares do Mercadão de Madureira (Rio de Janeiro). Revista de Administração Mackenzie, v. 13, n. 2, art. 109, p. 196-226, 2012.
Citação APA:
Carrieri, A. P., Murta, I. B. D., Teixeira, J. C., & Souza, M. M. P. (2012). Estratégias e Táticas Empreendidas nas Organizações Familiares do Mercadão de Madureira (Rio de Janeiro). Revista de Administração Mackenzie, 13(2), 196-226.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/7034/estrategias-e-taticas-empreendidas-nas-organizacoes-familiares-do-mercadao-de-madureira--rio-de-janeiro-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABDALA, M. C. Receita de mineiridade: a cozinha e a construção da imagem do mineiro. 2. ed. Uberlândia: Edufu, 2007.

BAKHTIN, M. M. Marxismo e filosofia da linguagem. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 1999.

BERNHOEFT, R. Empresa familiar: sucessão profissionalizada ou sobrevivência comprometida. São Paulo: Nobel, 1989.

BRANDÃO, H. H. N. Introdução à análise do discurso. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2004.

CARRIERI, A. P. et al. Estratégias subversivas de sobrevivência na 'Feira Hippie' de Belo Horizonte. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v. 6, n. 2, p. 174-192, 2010.

CARRIERI, A. P.; LEITE-DA-SILVA, A. R.; JUNQUILHO, G. S. O fazer estratégia na gestão como prática social: articulações entre representações sociais, estratégicas e táticas cotidianas nas organizações. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 31., 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Associação Nacional de Programas de Pós-Graduação em Administração, 2008. CD-ROM.

CARRIERI, A. P.; SOUZA, M. M. P.; ALMEIDA, G. O. Feirante ou barraqueiro? A construção de identidades e estratégias na Feira do Jubileu em Congonhas. Economia e Gestão, v. 8, p. 70-87, 2008.

CAVEDON, N. R.; FERRAZ, D. L. S. Representações sociais e estratégia em pequenos comércios. RAE-Eletrônica, v. 4, n. 1, jan./jul. 2005. Disponível em: . Acesso em: 4 fev.2009.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano 2: morar, cozinhar. Petrópolis: Vozes, 1996.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano I: as artes do fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, 1987.

FENTON, C.; LANGLEY, A. Strategy as practice and the narrative turn. Les Cahiers de Recherché du GéPS, v. 2, n. 6, May 2008.

GOMES DE SÁ, M. Feirantes: quem são? Como administram seus negócios? In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 34., 2010, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Anpad, 2010.

GUARINELLO, N. L. História científica, história contemporânea e história cotidiana. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 24, n. 48, p. 13-38, 2004.

HELLER, A. O cotidiano e a história. São Paulo: Paz e Terra, 1985.

MAINGUENEAU, D. Termos-chave da análise do discurso. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MURTA, I. B. D. et al. Construção de estratégias e os espaços simbólicos: um estudo no Shopping Popular Oiapoque. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 31., 2007, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Anpad, 2007. CD-ROM.

MURTA, I. B. D. Mercadão de Madureira: era uma casa portuguesa com certeza. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 32., 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Anpad, 2008.

OLIVEIRA, R. C. de. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. In: OLIVEIRA, R. C. de. O trabalho do antropólogo. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: Editora Unesp, 1988.

PÊCHEUX, M. Análise automática do discurso. In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Editora da Unicamp, 1990. p. 61-87.

PETTIGREW, A. M. Strategy formulation as a political process. International Studies of Management &Organization, v. 7, n. 2, p. 78-87, 1977.

REGNÉR, P. Strategy as practice: untangling the emergence of competitive positions. Strategy us Practice, 2007. Disponível em: . Acesso em: 21 jan.2009.

ROSSETTO, C. R. et al. Comportamento estratégico em pequenas e médias empresas: um estudo multi-casos em pousadas na Lagoa da Conceição – Florianópolis – SC. Revista de Negócios, Blumenau, v. 11, n. 3, p. 93-108, jul./set. 2006.

SILVA, A. R. L.; CARRIERI, A. P.; MOULIN, E. Social practices and strategizing: a study of produce merchants in Vila Rubim Market. Brazilian Administration Review, v. 8, p. 86-106, 2011.

THIOLLENT, M. J. M. Crítica metodológica, investigação social e enquete operária. São Paulo: Polis, 1987.

WHITTINGTON, R. Strategy as practice. Long Range Planning, v. 29, n. 5, p. 731-735, 1996.