Uma reflexão sobre a contabilidade: caminhando por trilhas da “Teoria tradicional e Teoria crítica” Outros Idiomas

ID:
7049
Resumo:
O objetivo deste ensaio teórico foi de desenvolver um estudo reflexivo sobre a perene existência e continuidade da contabilidade, enquanto acumulo histórico de um conhecimento especifico e, aprofundar a busca justificada dos elementos do seu objeto. A metodologia utilizada nesta pesquisa foi a dedutiva com embasamento na Teoria Critica e seus pensadores da Escola de Frankfurt. Concluiu-se que a contabilidade é uma ciência social que serve para mediar o conflito distributivo na sociedade. A definição proposta do objeto é aderente ao próprio percurso histórico da contabilidade, que sempre esteve a serviço da evolução das sociedades e da própria civilização humana, bem como se projeta para o futuro, pois é nele que se vislumbra um maior aperfeiçoamento da humanidade.
Citação ABNT:
IUDÍCIBUS, S.; RIBEIRO FILHO, J. F.; LOPES, J. E. G.; PEDERNEIRAS, M. M. M. Uma reflexão sobre a contabilidade: caminhando por trilhas da “Teoria tradicional e Teoria crítica”. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, v. 8, n. 4, art. 1, p. 274-285, 2011.
Citação APA:
Iudícibus, S., Ribeiro Filho, J. F., Lopes, J. E. G., & Pederneiras, M. M. M. (2011). Uma reflexão sobre a contabilidade: caminhando por trilhas da “Teoria tradicional e Teoria crítica”. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 8(4), 274-285.
DOI:
10.4013/base.2011.84.01
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/7049/uma-reflexao-sobre-a-contabilidade--caminhando-por-trilhas-da----teoria-tradicional-e-teoria-critica---/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AMERNIC, J.; CRAIG, R. Reform of accounting education in the post-Enron era: moving accounting ‘out of the shadows’. Abacus, 40(3), 342-378. http://dx.doi.org/10.1111/j.1467-6281.2004.00162.x. 2004.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS (CVM). Anexo à Deliberação nº 29 de 05 de Fevereiro de 1986. Disponível em: http://www.cvm.gov.br/asp/cvmwww/atos/exiato.asp?File=/deli/deli029.htm Acesso em: 30/12/2011.1986.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). Resolução CFC nº 1282/10. Disponível em: http://www.crcsp.org.br/portal_ novo/legislacao_contabil/resolucoes/Res750.htm. Acesso em: 30/12/2011. 2010.

DESCARTE, R. Discurso do Método. São Paulo, Abril Cultural. (Col. Os Pensadores). 1987.

DUMARCHEY, J. Teoria Positiva da Contabilidade. Porto, Revista de Contabilidade e Comércio, 330 p. 1943.

FROMM, E. O coração do homem: seu gênio para o bem e para o mal. 6ª ed. Rio de Janeiro, Guanabara. 1981.

HABERMAS, J. Racionalidade e comunicação. Lisboa, Edições 70, 221 p. 2002.

HERRMANN Jr, F. Contabilidade superior – teoria econômica da contabilidade. 5ª ed. São Paulo, Ed. Atlas, 262 p. 1958.

HONNETH, A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos confl itos sociais. São Paulo, Editora 34, 296 p. 2003.

HORKHEIMER, M. Teoria Tradicional e Teoria Crítica. In: W. BENJAMIN; M. HORKHEIMER; T.W. ADORNO; J. HABERMAS, Textos Escolhidos. São Paulo, Abril Cultural. (Os Pensadores). 1980.

IASB. Memorandum of understanding to strengthen the institutional framework of the international accounting standards committee foundation. Disponível em: http://www.ifrs.org/NR/rdonlyres/FD1356A8-5F81-4B8B-8BF9BD70B9BBCA46/0/MoU.pdf . Acesso em:27/10/2010. 2008.

LIPPMAN, E. J.; WILSON, P. A. The culpability of accounting in perpetuating the Holocaust. Accounting History, 12(3), 283-303. http://dx.doi.org/10.1177/1032373207079028. 2007.

WATTS, R.; ZIMMERMAN, J. Positive accounting theory. Englewood Cliffs, Prentice Hall, 388 p. 1986.