O papel das cooperativas de reciclagem nos canais reversos pós-consumo Outros Idiomas

ID:
7073
Resumo:
O objetivo desse trabalho é identificar a contribuição social e ambiental das cooperativas de reciclagem para os canais reversos de resíduos sólidos pós-consumo. Trata-se de uma pesquisa exploratória e qualitativa, desenvolvida por meio de estudos de casos múltiplos realizados em  quatro Centrais de Triagem do Programa de Coleta Seletiva no município de São Paulo. As fontes de evidências utilizadas foram entrevistas, observação direta e pesquisa documental. A pesquisa mostrou que as cooperativas têm papel importante no canal reverso dos resíduos sólidos urbanos e na consequente mitigação do impacto ambiental provocado por resíduos. Destacam-se: o aumento da vida útil dos aterros sanitários; a diminuição da disposição incorreta desses resíduos; a redução do gasto de energia; e diminuição da extração de matéria-prima virgem, além da melhoria das condições de trabalho dos cooperados.
Citação ABNT:
SOUZA, M. T. S.; PAULA, M. B.; SOUZA-PINTO, H. O papel das cooperativas de reciclagem nos canais reversos pós-consumo. Revista de Administração de Empresas, v. 52, n. 2, p. 246-262, 2012.
Citação APA:
Souza, M. T. S., Paula, M. B., & Souza-pinto, H. (2012). O papel das cooperativas de reciclagem nos canais reversos pós-consumo. Revista de Administração de Empresas, 52(2), 246-262.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/7073/o-papel-das-cooperativas-de-reciclagem-nos-canais-reversos-pos-consumo/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AQUINO, I. F; CASTILHO Jr., A. B; PIRES, T. S. L. A organização em rede dos catadores de materiais recicláveis na cadeia produtiva reversa de pós-consumo da região da grande Florianópolis: uma alternativa de agregação de valor. Produção, v. 16, n. 1, p. 15-24, 2009.

BARBIERI, J. C. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

BRASIL. Lei nº 12.305, de 22 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 3.8.2010.

CARMO, M. S; OLIVEIRA, J. A. P; ARRUDA, R. G. L. O trabalho com resíduos pelos classificadores: o papel da semântica do lixo no reconhecimento social e identidade profissional. In: EnANPAD, 30, 2006, Salvador. Anais. Salvador: ANPAD, 2006.

CONFERÊNCIA MUNDIAL DE RECOLHEDORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS, 1, 2008, Bogotá. Relatório do protocolo. Bogotá: 2008.

CRUZ, J. A. W; QUANDT, C. O. Redes, cooperação e desenvolvimento: estudo de caso em uma rede de associações de coletores de materiais recicláveis. In: ENANPAD, 31, 2007, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: ANPAD, 2007.

DEMAJOROVIC, J; BESEN, G. R. Gestão compartilhada de resíduos sólidos: avanços e desafios para a sustentabilidade. In: ENANPAD, 31, 2007, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: ANPAD, 2007.

FERRER, G; WHYBARK, D. C. From garbage to goods: successful remanufacturing systems and skills. Business Horizons, v. 43, n. 6, p. 55-64, 2000.

GÓMEZ-CORREA, J. A. e outros. Condiciones sociales y de salud de los recicladores de Medellín. Revista de Salud Pública, Bogotá, v. 10, n. 5, p. 706-715, 2008.

GONÇALVES-DIAS, S. L. F; TEODÓSIO, A. S. S. Estrutura da cadeia reversa: “caminhos” e “descaminhos” da embalagem PET. Produção, v. 16, n. 3, p. 429-441, 2006.

GOTO, A. K.; SOUZA, M. T. S. A Contribuição da Logística Reversa na Gestão de Resíduos Sólidos: uma Análise dos Canais Reversos de Pneumáticos. In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 35., Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2008.

IBGE. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico 2008. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

KRIKKE, H. R; VAN HARTEN, A; SCHUUR, P. C. On a medium term product recovery and disposal strategy for durable assembly products. International Journal of Production Research, v. 36, n. 1, p. 111-139, 1998.

LEITE, P. R. Logística reversa: meio ambiente e competitividade. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

LOMBARDI, M. J. El reciclador marginado un análisis sobre la percepción de los residuos y los clasificadores informales. 2006. Disponível em: http://www.unesco.org.uy/shs/ fileadmin/templates/shs/archivos/anuario2006/art06_07. pdf. Acesso em 03.11.2009.

MAZZEI, B. B; CRUBELLATE, J. M. Autogestão em empreendimentos econômicos solidários: um estudo comparativo de casos em cooperativas de reciclagem de Maringá-PR. In: ENANPAD, 2007, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: Anpad, 2007.

MEDINA, M. Informal recycling and collection of solid wastes in developing countries: issues and oportunities. United Nations University. Working Paper n. 24, 1997.

MEDINA, M. Scavenger cooperatives in Asia and Latin America. 2000. Disponível em: http://www.wiego.org/ WIEGO_En_Espanol/publicaciones/FactSheet-Rec-Spanish. pdf. Acesso em 03.11.2009.

MILES, M. B; HUBERMAN, A. M. Qualitative data analysis: an expanded Sourcebook. 2nd ed. Thousand Oaks: Sage, 1994.

MOLLENKOPF, D. A; CLOSS, D. J. The hidden value in reverse logistics. Supply Chain Management Review, v. 9, n. 5, p. 34-43, 2005.

PABLOS, N. P; BURNES, E. L. Bien recolectada pero mal tratada: el manejo municipal de la basura en ciudad Obregón Hermosilloy Nogales. Revista de Investigación Científica Estudios Sociales, v. 15, n. 3, p. 167-193, 2007.

PAIVA, V. El “cirujeo” un camino informal de recuperación de resíduos: Buenos Aires 2002-2003. Estudios demográficos y urbanos, Distrito Federal, México, v. 21, n. 1, p. 189-210, 2006.

PAIVA, V. Las cooperativas de recuperadores y la gestión de residuos sólidos urbanos en el área metropolitana de Buenos Aires. Theomai, Quilmes, número especial, 2004.

POIST, R. F. Development and implementation of reverse logistics programs. Transportation Journal, v. 39, n. 3, p. 54-55, 2000.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. 2009. Disponível em: http://portal.prefeitura.sp.gov.br/secretarias/ servicoseobras/limpurb/0005. Acesso em: 20.10.2009.

RAO, P; HOLT, D. Do green supply chains lead to competitiveness and economic performance? International Journal of Operations and Production Management, v. 25, n. 9, p. 898-916, 2005.

REVLOG – EUROPEAN WORKING GROUP ON REVERSE LOGISTICS. 2009. Disponível em: http://www.fbk.eur.nl/ OZ/REVLOG/. Acesso em: 20.10.2009.

RICHER, M. Vargas recicla: la inserción social y laboral combinada con el reciclaje de desechos. CAYAPA Revista Venezolana de Economía Social. v. 4, n. 7, p. 107-113, 2004.

RIGHETTI, C. C. e outros. Estratégias de gestão ambiental nas empresas: um estudo de caso sobre o papel reciclado. In: ENANPAD, 24, 2005, Brasília. Anais. Brasília: ANPAD, 2005.

RODRIGUEZ, C. À procura de alternativas econômicas em tempos de globalização: o caso das cooperativas de recicladores de lixo na Colômbia. In. SANTOS, B. S. (Org). Produzir para viver: os caminhos da produção não capitalista. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

ROGERS, D. S. TIBBEN-LEMBKE, R. S. Going backwards: reverse logistics trends and practices. Reverse Logistics Executive Council. University of Nevada, Reno. Center for Logistics Management. 1998. Disponível em: http://www. rlec.org/reverse.pdf. Acesso em: 20.10.2009.

SILVA, P. J; BRITO, M. J. Gestão ambiental integrada: um estudo da gestão de resíduos da construção civil na cidade de Belo Horizonte-MG. In: SIMPOI, 9, 2006, São Paulo. Anais. São Paulo: SIMPOL, 2006.

SILVA, P. J. Gestão de resíduos da construção civil como prática de inclusão social na cidade de Belo Horizonte. In: ENANPAD, 30, 2006, Salvador. Anais. Salvador: Anpad, 2006.

SOUZA, M. T. S. Organização sustentável: indicadores setoriais dominantes para avaliação da sustentabilidade – análise de um segmento do setor de alimentação. 2000. Tese de Doutorado em Administração. Fundação Getulio Vargas, São Paulo, 2000.

SRIVASTAVA, S. Grenn supply-chain management: a state-of-the-art literature review. International Journal of Management Reviews, v. 9, n. 1, p. 53-80, 2007.

STOCK, J; SPEH, T; SHEAR, H. Many happy (product) returns. Harvard Business Review, v. 80, n. 7, p. 16-18, 2002.

TABERNERO, C. e outros. Experiência prévia e eficácia grupal percebida perante dilemas sociais. Psicologia, Lisboa, v. 21, n. 1, p. 83-105, 2007.

TIBBEN-LEMBKE, R. S. Life after death: reverse logistics and the product life cycle. International Journal of Physical Distribution and Logistics Management, v. 32, n. 3, p. 223-244, 2002.

UNISOL – União e Solidariedade das Cooperativas Empreendimentos de Economia Social do Brasil. 2009. Disponível em: http://www.unisolbrasil.org.br/inicio.wt. Acesso em 20.10.2009.

VALENTIM, I. V. L. Confiar para reciclar: o significado da confiança para recicladores de resíduos sólidos de Porto Alegre. In: ENANPAD, 31, 2007, Rio de Janeiro. Anais. Rio de Janeiro: ANPAD, 2007.

WIEGO – WOMEN IN INFORMAL EMPLOYMENT: GLOBALIZING AND ORGANIZING. Enfocándonos en las trabajadoras informales: recicladoras de basura. Cambridge. 2009. Disponível em: http://www.wiego.org/WIEGO_En_ Espanol/publicaciones/FactSheet-Rec-Spanish.pdf. Acesso em 20.10.2009.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZHU, Q; SARKIS, J. Relationships between operational practices and performance among early adopters of green supply chain management practices in Chinese manufacturing enterprises. Journal of Operations Management, v. 22, n. 3, p. 265-289, 2004.