A potencialidade dos créditos de carbono na geração de lucro econômico sustentável da atividade de reflorestamento Outros Idiomas

ID:
7143
Resumo:
Objetivou-se, neste artigo, analisar as possíveis transações econômicas decorrentes das atividades de reflorestamento e como os mecanismos dos créditos de carbono e crédito de reposição podem representar incentivos econômicos ao processo de criação de atividades sustentáveis ao setor de reflorestamento. Dentre essas transações, destaca-se a instituição do mercado de crédito de carbono na geração de lucro econômico sustentável. Esse mercado de crédito de carbono caracteriza-se como uma alternativa para as empresas que necessitam redimir-se pelos índices de poluição, gerados por suas atividades operacionais. Os fatores motivadores para criação do crédito de carbono originaram-se das pressões realizadas pelos organismos internacionais, imprescindíveis para que as empresas adotassem modelos de desenvolvimento econômico sustentável. A metodologia utilizada para análise foi o estudo de caso, em uma empresa vinculada ao agronegócio, situada no estado do Mato Grosso do Sul. De acordo com os resultados apurados na pesquisa,verificou-se que as atividades de reflorestamento apresenta um portfólio diversificado à destinação da madeira (lenha, celulose, toretes, carvão e madeira tratada), que podem propiciar retornos significativos aos  produtores/investidores comparativamente às alternativas do mercado financeiro e com outras oportunidades de negócios.
Citação ABNT:
REZENDE, A. J.; DALMÁCIO, F. Z.; RIBEIRO, M. S. A potencialidade dos créditos de carbono na geração de lucro econômico sustentável da atividade de reflorestamento. Organizações Rurais & Agroindustriais, v. 14, n. 1, p. 108-126, 2012.
Citação APA:
Rezende, A. J., Dalmácio, F. Z., & Ribeiro, M. S. (2012). A potencialidade dos créditos de carbono na geração de lucro econômico sustentável da atividade de reflorestamento. Organizações Rurais & Agroindustriais, 14(1), 108-126.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/7143/a-potencialidade-dos-creditos-de-carbono-na-geracao-de-lucro-economico-sustentavel-da-atividade-de-reflorestamento/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AUKLAND, L. et al. Criando as bases para o desenvolvimento limpo: preparação do setor de gestão de uso da terra: um guia rápido para o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL). London: IIED, 2002. 52 p.

BAENA, E. S. A rentabilidade econômica da cultura do eucalipto e sua contribuição ao agronegócio brasileiro. Conhecimento Interativo, São José dos Pinhais, PR, v. 1, n. 1, p. 3-9, jul./dez. 2005.

BATISTA, G. T. et al. Seqüestro e emissões de carbono em função da mudança no uso e cobertura da terra amazônica. São José dos Campos: INPE, 2003.

BM&F. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2006.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Diretrizes de política de agroenergia. Versão 0.01. Brasília, 2005.

BRASIL. Ministério de Ciência e Tecnologia. Primeiro inventário brasileiro de emissões antrópicas de gases de efeito estufa: relatórios de referência: emissões e remoções de dióxido de carbono por mudanças nos estoques de florestas plantadas. Brasília, 2002. 47 p.

BRASIL. Protocolo de Quioto: convenção-quadro das 104 nações unidas sobre mudança do clima. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia, 1997. 29 p.

CALDEIRA, M. V. W. et al. Determinação de carbono orgânico em povoamentos de Acacia mearnsii de Wild plantados no Rio Grande do Sul. Revista Acadêmica, Curitiba, v. 1, n. 2, p. 47-54, 2003.

CENAMO, M. C. O mercado de carbono e as oportunidades para o agronegócio Brasileiro. Piracicaba: ESALQ, 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2006.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Disponível em: . Acesso em 05 de junho de 2008.

GONÇALVES, M. Avaliação de investimento em reflorestamento de pinus sob condições de incerteza. Curitiba: UFPR, 2004. 113 p.

INTERGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE. Good practice guidance for land use, land-use change and forestry. Tokyo, 2003.

KAPLAN, A. A conduta na pesquisa: metodologia para ciência do comportamento. São Paulo: Herder, 1972.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 1991.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. de A. São Paulo: Atlas, 2003.

MARTINS, G. de A. Manual para elaboração de monografias e dissertações. São Paulo: Atlas, 1992.

MARTINS, O. S. Determinação do potencial de seqüestro de carbono na recuperação de matas ciliares na região de São Carlos, SP. São Carlos: UFSCar, 2004. 137 p.

MICHAHELLES, K. BM&F lança Banco de Projetos de MDL na Bolsa do Rio. Resenha BM&F, São Paulo, n. 165, p. 15-18, 2006.

MURAUSKAS, L. C. Agronegócios: agropecuária cultiva ramos nas cidades e laboratórios. São Paulo, 2004. Disponível em: . Acesso em: 4 mar. 2006.

NÚCLEO DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Processos estratégicos de longo prazo. Cadernos NAE, Brasília, v. 2, n. 4, p. 1-20, 2005.

REZENDE, A. J. et al. Analysis of the information quality of reports on CDM. In: ANNUAL CONGRESS EUROPEAN ACCOUNTING ASSOCIATION, 32., 2009, Tampere. Proceedings… Tampere, 2009. 1 CD-ROM.

ROCHA, M. T. Aquecimento global e o mercado de carbono: uma aplicação do modelo CERT. 2003. 99 p. Tese (Doutorado em Agronomia) Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Piracicaba, 2003.

ROCHA, M. T.; MELLO, P. C.; MANFRINATO, W. A comercialização do carbono. Resenha BM&F, Brasília, n. 143, p. 31-34, 2001.

SANDOR, R. L.; WALSH, M. J. Some observations on the evolution of the international greenhouse gas emissions trading market. In: KOSOBUD, R. F.; SCHEREDER, D. L.; BIGGS, H. M. Emissions trade: environmental policy’s new approach. Hoboken: John Wiley & Sons Inc, 2000.

SCHUCHOVSKI, M. Silviculture-se. Jaguariaíva: SBS, 2005.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA. Brasil: nação mais competitiva do mundo em florestas plantadas. São Paulo, 2005.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.