Percepção de mudança individual e organizacional: o papel das atitudes, dos valores, do poder e da capacidade organizacional Outros Idiomas

ID:
7213
Resumo:
Neste trabalho, pretendeu-se verificar os fatores que influenciaram as mudanças individuais e organizacionais percebidas pelos funcionários de uma organização pública que sofreu intervenções durante quatro anos. O estudo foi desenvolvido em três etapas: mensuração das características organizacionais anteriores às intervenções, por meio de questionários;  investigação dos objetivos de uma intervenção específica e das demandas de mudanças levantadas pelos funcionários da organização, para construir um instrumento de avaliação da percepção de mudança; e investigação dos fatores que influenciam a percepção de mudança individual e organizacional. Os fatores preditores da percepção de mudanças na organização foram: características da organização, entendidas como variáveis culturais – valores organizacionais e configurações de poder (mensurados antes e depois da intervenção);  características organizacionais facilitadoras de mudança; e variáveis individuais como atitudes diante da mudança organizacional (mensuradas após a intervenção). A variável-critério, ou  dependente, para a pesquisa foi a percepção de mudanças organizacional e individual. Foram usadas regressões hierárquicas para analisar as relações postuladas pela pesquisa. Os resultados indicaram os valores organizacionais de autonomia e igualitarismo, além das atitudes de  aceitação e temor, como os preditores mais frequentes das mudanças percebidas.
Citação ABNT:
NEIVA, E. R.; PAZ, M. D. G. T. Percepção de mudança individual e organizacional: o papel das atitudes, dos valores, do poder e da capacidade organizacional. RAUSP Management Journal, v. 47, n. 1, p. 22-37, 2012.
Citação APA:
Neiva, E. R., & Paz, M. D. G. T. (2012). Percepção de mudança individual e organizacional: o papel das atitudes, dos valores, do poder e da capacidade organizacional. RAUSP Management Journal, 47(1), 22-37.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/7213/percepcao-de-mudanca-individual-e-organizacional--o-papel-das-atitudes--dos-valores--do-poder-e-da-capacidade-organizacional/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDRADE-MELO, E.A. Comprometimento organizacional, estilos gerenciais e poder organizacional: um estudo relacional. 2001. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil, 2001.

BHARGAVA, S.; MATHUR, R. An empirical study on transforming 21st century organizations through values. In: BI-ANNUAL CONFERENCE OF THE INTERNATIONAL SOCIETY FOR THE STUDY OF WORK AND ORGANIZATIONAL VALUES, 8.; 2002, Netherlands. Proceedings…Netherlands, 2002.

BOVEY, W.H.; HEDE, C. A resistance to organizational change: the role of cognitive and affective processes. Leadership & Organization Development Journal, ulster, UK, v. 22, n. 8, p. 372-382, June/July 2001.

BRESSAN, C.L. Mudança organizacional na percepção dos gerentes. 2001. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil, 2001.

BRUNO-FARIA, M.F. Criatividade, inovação e mudança nas organizações. In: LIMA, S.M.V. (Org.). Mudança organizacional: teoria e gestão. São Paulo: FGV, 2003. p. 111-141.

BURKE, W.; LITWIN, G. A causal model of organizational performance and change. Journal of Management, Thousand Oaks, CA, v. 18, n. 3, p. 523-545, Mar./Apr. 1992.

CASTELLS, M. End of millenium. Oxford: Blackwell, 1998.

CAStELLS, M. The power of identity. Oxford: Blackwell, 1997.

CASTELLS, M. The rise of the network society. Oxford: Blackwell, 1996.

DAMANPOUR, F. Organizational innovation: a meta-analysis of effects of determinants and moderators. Academy of Management Journal, Birmingham, v. 34, n. 3, p. 555-590, Mar./Apr. 1991.

FISHER, H.C. Validação de um instrumento de avaliação dos fatores restritivos e propulsores da mudança organizacional.2002. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil, 2002.

GEORGE, J. M.; JONES, G. R. towards a process model of individual change in organization. Human Relations, Thousand Oaks, CA, v. 54, n. 4, p. 419-444, Apr. 2001. [DOI: http://dx.doi.org/10.1177/0018726701544002

GRAVENHORST, B. K.; WERKMAN, R. A.; BOONSTRA, J. J. The change capacity of organizations: general assessment and five configurations. Applied Psychology: An International Review, v. 52, n. 1, p. 83-105, Jan. /Feb. 2003. [DOI: http://dx.doi.org/10.1111/1464-0597.00125

GREENWOOD, R.; HININGS, C. R. understanding radical organizational change: bringing together the old and the new institutionalism. Academy of Management Review, Birmingham, v. 21, n. 4, p. 1.022-1.054, Sept./Oct. 1996.

HUBER, G. P.; SUTCLIFFE, K.; MILLER, C. C.; GLICK, W. H. Understanding and predicting organizational change. In: HUBER, G.P.; GLICK, W.H. (Ed.). Organizational change and redesign. New york: Oxford university Press, 1993.

KABANOFF, B.; WALDERSEE, R.; COHEN, M. Espoused values and organizational change themes. Academy of Management Journal, Birmingham, v. 38, n. 4, p. 1.075-1.095, Nov. /Dec. 1995.

LAU, C. M.; WOODMAN, R. understanding organizational change: a schematic perspective. Academy of Management Journal, Birmingham, v. 38, n. 2, p. 537-554, Mar./Apr. 1995.

LEWIS, D. S. Organizational change: relationship between reactions, behavior and organizational performance. Journal of Organizational Change Management, Bingley, UK, v. 7, n. 5, p. 41-55, Sept./Oct. 1994.

LiMA, S. M. V.; BRESSAN, C. L. Mudança organizacional: uma introdução. In: LIMA, S.M.V. (Org.). Mudança organizacional: teoria e gestão. São Paulo: FGV, 2003. p. 17-61.

MARTINS, L. T. P.; PAZ, M. G. T. Poder e comprometimento em tempo de mudança organizacional: estudo de caso de uma empresa pública de serviços de informática. Revista de Administração da Universidade de São Paulo (RAUSP), São Paulo, v. 35, n. 4, p. 66-78, out./nov. /dez. 2000.

MENON, S. Value based empowerment. In: BI-ANNUAL CONFERENCE OF THE INTERNATIONAL SOCIETY FOR THE STUDY OF WORK AND ORGANIZATIONAL VALUES, 8.; 2002, Netherlands. Proceedings…Netherlands, 2002.

MIGNEREY, J.; RUBIN, R. Organizational entry: an investigation of newcomer communication behavior and uncertainty. Comunication Research, Londres, v. 22, n. 1, p. 54-86, Feb. 1995. [DOI: http://dx.doi.org/10.1177/009365095022001003

MINTZBERG, H. Power in and around organizations. New york: Prentice hall, 1983.

MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safari de estratégia. Porto Alegre: Bookman, 2000.

NADLER, D. A.; SHAW, R. B.; WALTON, A. E. Discontinuous change: leading organizational transformation. San Francisco: The Jossey-Bass Management Series, 1994.

NEIVA, E. R. Percepção de mudança organizacional: o papel das atitudes e das características organizacionais. 2004. Tese (Doutorado) – Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil, 2004.

NEIVA, E. R.; ROS, M.; PAZ, M. G. T. Validacion de una escala de actitudes ante el cambio organizacional. Revista de Psicologia Del Trabajo y das Organizaciones, v. 20, n. 1, p. 9-30, 2004.

NOER, D.M. helping organizations change: coping with downsizing, mergers, reengineering, and reorganizations. in: KRAUT, A.; KORMAN, A. Envolving practices in human resource management: responses to a changing world of work. San Francisco: Jossey-Bass, 1999, p. 137-156.

OLIVEIRA, A. F. Confiança do empregado na organização: impacto dos valores pessoais, organizacionais e da justiça organizacional. 2004. Tese (Doutorado) – Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil, 2004.

PASCHOAL, T. Bem-estar no trabalho: relações com suporte organizacional, prioridades axiológicas e oportunidades de alcance de valores pessoais no trabalho. 2008. Tese (Doutorado) – Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil, 2008.

PASQUALI, L. Análise fatorial: um manual teórico-prático. Brasília: Universidade de Brasília, 1998. Manuscrito não publicado.

PAZ, M.G.; MARTINS, M.C.F.; NEIVA, E.R. O poder nas organizações. In: ZANELLI, J.C.; BORGES-ANDRADE, J.E.; BASTOS, A.V. B. (Ed.). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 380-406.

PAZ, M.G.T. Validação da escala de configurações de poder organizacional. Brasília: Universidade de Brasília, 1997. Manuscrito não publicado.

PIDERIT, S.K. Rethinking resistence and recognizing ambivalence: a multidimensional view of attitudes toward an organizational change. Academy of Management Review, Birmingham, v. 25, n. 4, p. 783-794, Sept./Oct. 2000. [DOI: http://dx.doi.org/10.5465/AMR.2000.3707722 e http://dx.doi.org/10.2307/259206

SAGIE, P. Investigating the determinants of empowerment. In: BI-ANNUAL CONFERENCE OF THE INTERNATIONAL SOCIETY FOR THE STUDY OF WORK AND ORGANIZATIONAL VALUES, 8.; 2002, Netherlands. Proceedings…Netherlands, 2002.

tAMAyO, A. impacto dos valores pessoais e organizacionais sobre o comprometimento organizacional. in: TAMAYO, A.; PORTO, J.B. (Org.) Valores e comportamento nas organizações. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 160-186.

TAMAYO, A. Valores e clima organizacionais. in: PAZ, M.G.T.; TAMAYO, A. Escola, saúde e trabalho: estudos psicológicos. Brasília: Editora UnB, 1999. p. 241-270.

tAMAyO, A. Valores organizacionais. in: tAMAyO, A.; BORgES-ANDRADE, J.E.; CODO, W. (Org.). Trabalho, organizações e cultura. São Paulo: CAA, 1997. p. 151-171.

TAMAYO, A.; BORGES, L. Valores del trabajo y valores de las organizaciones. In: ROS, M.; GOUVEIA, V. V. (Ed.). Psicologia social de los valores humanos: desarrolos teóricos, metodológicos y aplicados. Madrid: Biblioteca Nueva, 2000.

TAMAYO, A.; MENDES, A.M.; PAZ, M.G.T. inventário de valores organizacionais. Estudos de Psicologia, Natal, v. 5, n. 2, p. 289-315, jun. /jul. 2001. [DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2000000200002

TIENARI, J.; TAINIO, R. the myth of flexibility in organizational change. Scandinavian Journal of Management, Estocolmo, v. 15, n. 1, p. 351-384, Jan. 1999.

VALLEY, K.L.; THOMPSON, t. A. Sticky ties and bad attitudes. in: KRAMER, R.M.; NEAGLE, M. A. Power and Influence in organizations. London: Sage, 1998. p. 39-66.

VARGAS, M.R.M. O poder nas organizações: um estudo das configurações de poder em uma instituição de pesquisa. 1997. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil, 1997.

WEICK, K.E.; QUINN, R.E. Organizational change and development. Annual Review of Psychology, v. 50, n. 1, p. 361-387, Jan. 1999.

WIENER, y. Forms of value systems: a focus on organizational effectiveness and cultural change and maintenance. Academy of Management Review, Birmingham, v. 13, n. 4, p. 534-545, Sept./Oct. 1988. [DOI: http://dx.doi.org/10.5465/AMR.1988.4307410 e http://dx.doi.org/10.2307/258373