Redes de cooperação e inovação localizada: estudo de caso de um Arranjo Produtivo Local Outros Idiomas

ID:
7238
Resumo:
As estratégias coletivas de cooperação entre organizações e pessoas constituem uma das principais formas de participação efetiva dos atores sociais na geração de inovações e, consequentemente, na competitividade e crescimento econômico de empresas, regiões e países. A crescente importância dos aglomerados de inovação e das alianças e redes interorganizacionais reforça a relevância da temática do presente estudo, que visa ampliar a compreensão do processo de formação de redes locais e sua contribuição para a geração de inovações. A abordagem adotada privilegia as interações e o intercâmbio de informações e conhecimento entre os atores públicos e privados que estão inseridos nas redes locais. O contexto empírico da análise é um estudo de caso do arranjo produtivo local (APL) de malharias de Imbituva, no Estado do Paraná. Os resultados revelaram que as inovações no APL em geral foram pouco expressivas, e que o seu impacto nas organizações foi bastante limitado. Verificou-se uma relação positiva entre intensidade de interações, propensão a inovar e desempenho dos negócios. Observou-se também que as empresas mais antigas apresentam um padrão mais intenso de interações. A análise de redes evidencia que os aspectos relacionados à inovação e às interações locais ainda se encontram pouco desenvolvidos, sugerindo a importância de iniciativas que estimulem a inovatividade e a intensificação do aprendizado pela interação com outras empresas e instituições do APL.
Citação ABNT:
QUANDT, C. O.Redes de cooperação e inovação localizada: estudo de caso de um Arranjo Produtivo Local. Innovation and Management Review, v. 9, n. 1, p. 141-166, 2012.
Citação APA:
Quandt, C. O.(2012). Redes de cooperação e inovação localizada: estudo de caso de um Arranjo Produtivo Local. Innovation and Management Review, 9(1), 141-166.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/7238/redes-de-cooperacao-e-inovacao-localizada--estudo-de-caso-de-um-arranjo-produtivo-local/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Altenburg, T.; & Meyer-Stamer, J. (1999). How to promote clusters: policy experiences from Latin America. World Development, 27(9), 1693-1713.

Aral, S.; & Van Alstyne, M. (2008). Networks, information & social capital (Working Paper, 468508). Cambridge, MA: MIT Sloan School of Management.

Baptista, R.; & Swann, P. (1998). Do firms in clusters innovate more? Research Policy, 27(5), 525-540.

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), 99-120.

Bengtsson, M.; & Sölvell, Ö. (2004). Climate of competition, clusters and innovative performance. Scandinavian Journal of Management, 20(3), 225-244.

Berry, A. (1997). SME competitiveness: the power of networking and subcontracting. Washington, D.C.: Inter-American Development Bank.

Borgatti, S. P.; Everett, M. G.; & Freeman, L. C. (2002). Ucinet for windows: software for social network analysis. Harvard, MA: Analytic Technologies.

Borgatti, S. P.; & Foster, P. (2003). The network paradigm in organizational research: a review and typology. Journal of Management, 29(6), 991-1013.

Camagni, R. (1995). Global network and local milieu: towards a theory of economic space. In S. Conti, E. Malecki & P. Oinas (Eds.), The industrial enterprise and its environment: spatial perspectives. pp. 195-214. Aldershot: Avebury.

Cândido, G.; & Abreu, A. (2000). Os conceitos de redes e as relações interorganizacionais: um estudo exploratório. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Florianópolis, RJ, Brasil, 24.

Cassiolato, J.; & Szapiro, M. (2003). Uma caracterização de arranjos produtivos locais de micro e pequenas empresas. In H. M. M. Lastres, J. E. Cassiolato, & M. L. Maciel (Orgs.), Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. pp. 35-50. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Crossan, M.; & Apaydin, M. (2010). A multi-dimensional framework of organizational innovation: a systematic review of the literature. Journal of Management Studies, 47(6), 1154-1191.

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. (2005). Pesquisa FIESP de inovação tecnológica. Recuperado em 10 de dezembro,2011, de http://www.fiesp.com.br/tecnologia/pesquisas.aspx.

Freeman, C. (1995). The national system of innovation in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, 19(1), 5-24.

Gorini, A. (2000). Panorama do setor têxtil no Brasil e no mundo: reestruturação e perspectivas. BNDES Setorial, v. 12, 17-50.

Hoffmann, R. C.; & Lins, H. N. (2002). Iniciativas e impasses em uma pequena aglomeração confeccionista: as malharias de Imbituva – Paraná, na ótica do debate sobre aglomerações industriais. In S. Cario, L. Pereira, & M. Brollo (Org.), Economia paranaense: estudo de setores selecionados (pp. 213-249). Florianópolis: UFSC.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2003). Pesquisa industrial de inovação tecnológica - PINTEC 2003. Recuperado em 24 de novembro,2011, de http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/industria/pintec/2003.

Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. (2006). Arranjo produtivo local de malhas do Município de Imbituva: estudo de caso: versão preliminar. Curitiba: Autor.

Love, J.; & Roper, S. (1999). The determinants of innovation: R&D, technology transfer and networking effects. Review of Industrial Organization, 15(1), 43-64.

Lynch, P.; Walsh, M.; & Harrington, D. (2010). Defining and dimensionalizing organizational innovativeness. Proceedings of the International CHRIE Conference-Refereed Track, San Juan, PR, USA.

Macpherson, A. (1997). A comparison of within-firm and external sources of product innovation. Growth and Change, 28(3), 289-308.

Olivares, J. E. L. (2002). Negociação para configurar o desenho da estrutura organizacional em rede. Caderno de Pesquisas em Administração, 9(3), 13-26.

Organisation for Economic Co-operation and Development. (1997). Oslo manual: guidelines for collecting and interpreting innovation data. Paris: Author.

Pittaway, L. A.; Robertson, M.; Munir, K.; & Denyer, D. (2004). Networking and innovation: a systematic review of the evidence (Working Paper 2004/016). Lancaster: Institute for Entrepreneurship and Enterprise Development.

Porter, M. E. (1980). Competitive advantage. New York: The Free Press.

Porter, M. E. (1993). A vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Campus.

Porter, M. E.; & Ketels, C. (2003). UK competitiveness: moving to the next stage (Management Research Forum; Summary Report 6). Boston: Institute of Strategy and Competitiveness.

Quandt, C. (2009). Inovação tecnológica. In R. Silva, Jr. (Org.), Empreendedorismo tecnológico (pp. 71-101). Curitiba: Instituto de Engenharia do Paraná.

Wasserman, S.; & Faust, K. (1999). Social network analysis: methods and applications. 4th ed. Cambridge: Cambridge University Press.