Quanto tempo o tempo tem? Um estudo sobre o(s) tempo(s) de gestores do varejo em belo horizonte (MG). Outros Idiomas

ID:
7266
Resumo:
O objetivo deste estudo foi descrever e analisar a vivência do tempo na gerência à luz das
cinco categorias apresentadas por Bluedorn e Jaussi (2007), a saber: policronia, velocidade, pontualidade, profundidade temporal e arrastamento. Os temas centrais foram apresentados e discutidos no referencial teórico e uma pesquisa de campo, descritiva e essencialmente qualitativa, foi realizada, utilizando-se, de forma prioritária, de entrevistas para coletar dados com 20 gestores de lojas similares do comércio varejista, situadas em shopping centers e em ruas de Belo Horizonte (MG). Os dados foram analisados à luz da técnica de análise de discurso. Percebeu-se que a maioria dos gestores adota comportamentos policrônicos e acelerados. Eles têm uma preocupação marcante com o cumprimento das metas, denotando elevado senso de pontualidade. Não se observou uma preferência distinta dos entrevistados em termos de profundidade temporal. A partir da análise dos três processos de arrastamento delineados pelos autores - sincronia, liderança, condução -, foi possível observar uma nítida relação entre tempo e poder, denotando a face ambígua, contraditória e fragmentada da gerência. Diante das limitações deste estudo, foram dadas sugestões para investigações futuras visando ampliar o conhecimento sobre os temas na realidade brasileira.
Palavras-chave:
Citação ABNT:
PAIVA, K. C. M.; PINTO, D. L.; DUTRA, M. R. S.; ROQUETE, R. F. Quanto tempo o tempo tem? Um estudo sobre o(s) tempo(s) de gestores do varejo em belo horizonte (MG).. Organizações & Sociedade, v. 18, n. 59, art. 5, p. 661-679, 2011.
Citação APA:
Paiva, K. C. M., Pinto, D. L., Dutra, M. R. S., & Roquete, R. F. (2011). Quanto tempo o tempo tem? Um estudo sobre o(s) tempo(s) de gestores do varejo em belo horizonte (MG).. Organizações & Sociedade, 18(59), 661-679.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/7266/quanto-tempo-o-tempo-tem--um-estudo-sobre-o-s--tempo-s--de-gestores-do-varejo-em-belo-horizonte--mg--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANCONA, D. G.; CHONG, C. L. Entrainment: pace, cycle, and rhythm in organizational bhavior. Research in Organizational Behavior, 18, p. 251-284, 1996.

ANCONA, D. G.; OKHUYSEN, G. A.; PERLOW, L. A. Taking time to integrate temporal research. Academy of Management Review, 26, p. 512-529, 2001.

BALDWIN, T.; RUBIN, R.; BOMMER, W. Desenvolvimento de habilidades gerenciais. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

BARNARD, C. As funções do executivo. São Paulo: Atlas, 1971.

BAUMAN, Z. Amor líquido. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2004.

BAUMAN, Z. Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.

BERGSON, H. A evolução criadora. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 1979.

BLUEDORN, A. C. ; JAUSSI, K. S. Organizationally relevant dimensions of time across levels of analysis. In: DANSEREAU, F.; YAMMARINO, F. J. Multi-Level issues in organizations and time. Research in multi-level issues. Oxford, UK: Elsevier, 2007. v. 6. p. 187-223.

BLUEDORN, A. C. The human organization of time: temporal realities and experience. Stanford, CA: Stanford University Press, 2002.

BRAVERMAN, H. Trabalho e capital monopolista. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

BUTLER, R. Time in organizations. Organization Studies, v. 16, n. 6, p. 925-950, 1995.

CYMBAUM, J. J. O. A gestão de recursos humanos no novo varejo. In: ANGELO, C. F.; SILVEIRA, J. A. G. Varejo competitivo. São Paulo: Atlas, 1997. v. 2, p. 184-204.

DAVEL, E.; MELO, M. C. O. L. Singularidades e transformações no trabalho dos gerentes. In: DAVEL, E.; MELO, M. C. O. L. (Org.). Gerência em ação. Rio de Janeiro: FGV, 2005. p. 29-65.

DELEUZE, G. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 1998.

DRUCKER, P. O gerente efi caz. Rio de Janeiro: LTC, 1967.

ELIAS, N. Sobre o tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1998.

FAYOL, H. Administração industrial e geral. São Paulo: Atlas, 1990.

GHERARDI, S.; STRATI, A. The temporal dimension in organizational studies. Organization Studies, v. 9, n. 2, p. 149-164, 1988.

GODOI, C. K. A perspectiva da interpretação social dos discursos: uma prática de análise dos discursos motivacionais na aprendizagem com base nos atos da fala, enunciação e contexto. In: CARRIERI, A. P. et al. (Org.). Análise do discurso em estudos organizacionais. Curitiba: Juruá, 2009. p. 131-152.

GODOI, C. K. Possibilidades de análise do discurso nos estudos organizacionais: a perspectiva da interpretação social dos discursos. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO EnANPAD, 29., 2005, Brasília. Anais... Brasília: ANPAD, 2005.

GRISCI, C. L. I. Trabalho, tempo e subjetividade: a reestruturação do trabalho bancário. 2000. Tese (Doutorado em Psicologia) Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUC-RS, Porto Alegre. 2000.

GRISCI, C. L. I.; SCALCO, P. D.; JANOVIK, M. S. Modos de trabalhar e de ser de motoboys: a vivência espaço-temporal contemporânea. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO EnANPAD, 30., 2006, Salvador. Anais... Salvador: ANPAD, 2006.

GRUM, R. Desemprego gerencial e mudança nos sistemas simbólicos imperantes nas classes médias brasileiras. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS EnANPOCS, 19., 1995, Caxambu. Anais... Caxambu: ANPOCS, 1995.

HASSARD, J. Imagens do tempo no trabalho e na organização. In: CLEGG, S. R., HARDY, C.; NORD, W. R.; CALDAS, M.; FACHIN, R.; FISCHER, T. Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 2001. v. 2, p. 190-216.

HASSARD, J. Essai: organizational time; modern, symbolic and postmodern refl ections. Organization Studies, v. 23, n. 6, p. 885-892, 2002.

HILL, L. A. Novos gerentes. São Paulo: Makron Books, 1993.

IRIGARAY, H. A. R.; VERGARA, S. C. Tempo: dimensão esquecida na análise das políticas de diversidade e relações de trabalho. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO EnANPAD, 35., 2011, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: ANPAD, 2011.

JÖNSSON, B. Dez considerações sobre o tempo. Rio de Janeiro: José Olympio Ed., 2004.

KATZ, R. As habilitações de um administrador efi ciente. Coleção Harvard de Administração. São Paulo: Nova Cultural, 1986. v. 1, p. 57-92.

KAUFMAN-SCARBOROUGH, C.; LINDQUIST, J. D. Time management and polychronicity. Journal of Managerial Psychology, v. 14, n. 3/4, p. 288-312, 1999.

LAVILLE, C.; DIONE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Editora Artes Médicas Sul, Belo Horizonte: UFMG, 1999.

LEWIS, J. D.; WEIGERT, A. J. The structures and meanings of social time. Social Forces, n. 60, p. 432-462, 1981.

LEWIS, J. D.; WEIGERT, A. J. Trust as a social reality. Social Forces, n. 63, p. 967-985, 1985.

LIKERT, R. Novos padrões de administração. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1971.

LOMBARDI, A. R.; HANASHIRO, D. M. M. Policronicidade no ambiente organizacional uma visão conceitual. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS OGANIZACIONAIS EnEO, 6., 2010, Florianópolis. Anais… Florianópolis: ANPAD, 2010.

McCLELLAND, D. C. O poder é o grande motivador. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

MELLO, H. D. A.; TONELLI, M. J. Tempo é dinheiro? A construção do tempo na administração contemporânea. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO EnANPAD, 26., 2002, Salvador. Anais… Salvador: ANPAD, 2002.

MINTZBERG, H. Trabalho do executivo: o folclore e o fato. Coleção Harvard de Administração. São Paulo: Nova Cultural, 1986. v. 3, p.5-37.

MORAIS, J. L. B. A subjetividade do tempo. Porto Alegre: Livraria do Advogado, Santa Cruz do Sul, RS: Edunisc, 1998.

MOTTA, P. R. Gestão contemporânea. Rio de Janeiro: Record, 1991.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso. Campinas, SP: Pontes, 2001.

PAGÉS, M. et al. O poder das organizações. São Paulo: Atlas, 1987.

PAIVA, K. C. M.; MAGESTE, G. S. Ação, devoção e desilusão: incluindo as categorias cultura e tempo na análise da função gerencial. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO EnANPAD, 32., 2008, Rio de Janeiro. Anais… Rio de Janeiro: ANPAD, 2008.

PERLOW, L. A. Time famine: toward a sociology of work time. Administrative Science Quarterly, n. 44, p. 57-81, 1999.

REED, M. Sociologia da gestão. Oeiras: Celta, 1997.

REIS, J. C. Tempo, história e evasão. Campinas, SP: Papirus, 1994.

ROULEAU, L. Gerentes e repertórios de identidade em contexto de reestruturação organizacional. In: DAVEL, E.; MELO, M. C. O. L. (Org.). Gerência em ação. Rio de Janeiro: FGV, 2005. p. 157-192.

SILVA , J. R. G.; WETZEL, U. Confi gurações de tempo e a tentativa de adaptação dos indivíduos às mudanças organizacionais. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO EnANPAD, 28., 2004, Curitiba. Anais… Curitiba: ANPAD, 2004.

SIMON, H. A. Comportamento administrativo. Rio de Janeiro: FGV, 1965.

SPINK, P. Discurso e ideologia gerencial: reflexões a partir da experiência brasileira. In: MOTTA, F. C. P.; CALDAS, M. P. (Org.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997. p. 305-315.

STEWART, R. Choices for the manager. Londres: McGraw-Hill, 1982.

TAYLOR, F. W. Princípios de administração científica. São Paulo: Atlas, 1970.

THOMAS, R.; DUNKERLEY, D. Carrering downwards? Middle managers’ experience in the downsized organization. British Journal of Management, n. 19, p. 157-169, 1999.

THOMAS, R.; LINSTEAD, A. Losing the plot? Middle managers and identity. Organization, v. 9, n. 1, p. 71-93, 2002.

TONELLI, M. J.; DANTAS, A. S. Sentidos do tempo no cotidiano do trabalho de gestores. In: CARRIERI, A. P.; SARAIVA, L. A. (Org.). Simbolismo organizacional no Brasil. São Paulo: Atlas, 2007. p. 293-305.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2009.

VERGARA, S. C.; CALDAS, M. P. Paradigma interpretacionista: a busca da superação do objetivismo funcionalista nos anos 1980 e 1990. RAE, v. 45, n. 4, p. 66-72, out./ dez. 2005.

WEBER, M. Ensaios de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1946.

WHITROW, G. J. O que é o tempo? Uma visão clássica sobre a natureza do tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

WHITROW, G. J. The natural philosophy of time. Oxford: Oxford University Press, 1980.

WILLMOTT, H. Gerente, controle e subjetividade. In: DAVEL, E.; MELO, M. C. O. L. (Org.). Gerência em ação. Rio de Janeiro: FGV, 2005. p. 215-252.

ZARIFIAN, P. O tempo do trabalho: o tempo-devir frente ao tempo espacializado. Tempo Social Rev. Sociol., USP, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 1-18, out. 2002.