Hospitalidade numa perspectiva coletiva: O corpo coletivo acolhedor Outros Idiomas

ID:
7273
Resumo:
O acolhimento, na perspectiva singular e coletiva, constitui hoje um dos principais pilares que sustentam a organização teórica, as práticas, e os sistemas estratégicos de planejamento turístico, na esfera pública e privada. Assim, com o objetivo de contribuir para a distinção dos processos que envolvem o acolher na forma singular e coletiva, apresenta-se o modelo do Corpo Coletivo Acolhedor, desenvolvido a partir de estudo realizado em comunidades potencialmente turísticas. O modelo é compreendido como um sistema que envolve: a) o conjunto dos serviços disponibilizados no âmbito das relações internas/externas; b) o organismo gestor, de natureza operacional, pública e privada; c) a cultura e o conhecimento gerado, compartilhado e transmitido pelo grupo/comunidade. O traçado dessa triangulação delimita o espaço em que o fenômeno do acolhimento e as práticas de hospitalidade se organizam e se desenvolvem. O modelo permite assim o estudo do fenômeno do acolhimento/hospitalidade no contexto das relações em que um dos corpos se constitui coletivamente.
Citação ABNT:
SANTOS, M. M. C. D.; PERAZZOLO, O. A. Hospitalidade numa perspectiva coletiva: O corpo coletivo acolhedor. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 6, n. 1, p. 3-15, 2012.
Citação APA:
Santos, M. M. C. D., & Perazzolo, O. A. (2012). Hospitalidade numa perspectiva coletiva: O corpo coletivo acolhedor. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 6(1), 3-15.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/7273/hospitalidade-numa-perspectiva-coletiva--o-corpo-coletivo-acolhedor/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Avena, B. M. (2006). Turismo, educação e acolhimento: um novo olhar. São Paulo: Roca.

Baptista, I. (2008). Hospitalidade e eleição intersubjetiva: sobre o espírito que guarda os lugares. Revista Hospitalidade, 5(2), 13-22.

Bertalanffy, L. V. (1973). Teoria Geral dos Sistemas. Petrópolis, RJ: Vozes.

Bick. E. (2002). The experience of the skin in the early object relations (1962). In Briggs, A. (Org). Surviving space - Papers on infant observation. Londres: Karnac.

Boff, L. (2005). Virtudes para um outro mundo possível (Vol. 1). Hospitalidade: direito e dever de todos. Petrópolis, RJ: Vozes.

Camargo, L. O. de L. (2004). Hospitalidade. São Paulo: Aleph. (Coleção ABC do Turismo).

Capra, Fritjof. (1995). O ponto de mutação. São Paulo: Cultrix.

Cinotti, Y. (2009). L’hospitalité touristique au service des destinations. In Lemasson, J. P., & Violier, P.(Orgs.). Destinations et territoires: coprésence à l’oeuvre. Québec: Edition Téoros.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1995). Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia (Vol. 2). Rio de Janeiro: Editora 34.

Dias, C. M. de M. (2002). O modelo de hospitalidade do Hotel Paris Ritz: um enfoque especial sobre a qualidade. In Dias, C. M. de M. (Org). Hospitalidade: reflexões e perspectivas. São Paulo: Manole.

Elias, N. (1994). O processo civilizador: uma história dos costumes (Vol. 1). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Foucault, M. (2006). A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes.

Gérardot, M. (2009). Comprendre la touristisation métropolitaine. In Lemasson, J. P., & Violier, P. (Orgs.). Destinations et territoires: coprésence à l’oeuvre. Québec: Edition Téoros.

Grinover, L. (2007). A hospitalidade, a cidade e o turismo. São Paulo: Aleph.

Grinover, L. (2009). A hospitalidade na perspectiva do espaço urbano. Revista Hospitalidade, 4(1), 04-16.

Lévy, P. (1997). O que é o virtual? São Paulo: 34.

Lewin, K. (1975). Teoria dinâmica de personalidade. São Paulo: Cultrix.

Maturana , H., & Varela, F. (1997). De máquinas viventes e das outras (pp. 69-76). In Maturana, H., & Varela, F. (1997). De máquina e seres vivos: Autopoiese, a organização do vivo. (3ª ed.). Porto Alegre: Artmed.

Mauss, M. (2003). Sociologia e antropologia: o ensaio sobre a dádiva. São Paulo: Cosac & Naify.

Montandon, A. (2011). O livro da hospitalidade: a acolhida do estrangeiro na história e nas culturas. São Paulo: SENAC.

Morin, E. (2003). O método 1: a natureza da natureza. (2ª ed.). Porto Alegre: Sulina.

Pérez, D. O. (2007). Os significados dos conceitos de hospitalidade em Kant e a problemática do estrangeiro. Revista Philosophica, 31, 43- 53. Recuperado em 30 abril, 2011, de http://www.philosophica.ucv.cl/Phil%2031%20-%20art%2004.pdf.

Salles, M. do R. R., Bueno, M. S., & Bastos, S. (2010). Desafios da pesquisa em hospitalidade. Revista Hospitalidade, VII(1), 3-14.

Santos, M. M. C. dos. O acolhimento ou hospitalidade turística como interface possível entre o universal e o local no contexto da mundialização. Encaminhado à Revista Turismo em Análise, abr. 2011.

Santos, M. M. C. dos, Perazzolo, O. A., & Pereira, S. (2009). Dimensões relacionais e psicopedagógicas da hospitalidade: projeto de pesquisa. Caxias do Sul: UCS.

Winnicott, D. (1994). Os bebês e suas mães. (2ª ed.). São Paulo: Martins Fontes.