O fenômeno da empresarização e a busca por alternativas na produção, comercialização e distribuição da música no Brasil como formas de resistência. Outros Idiomas

ID:
7441
Resumo:
Com o presente artigo, objetiva-se analisar novas formas possíveis de produção,  comercialização e distribuição da música como possibilidades de resistência às práticas hegemônicas, tradicionalmente, exercidas pelas grandes gravadoras, tendo como pano de fundo algumas experiências existentes no âmbito do mercado fonográfico brasileiro. A crise que o mercado fonográfico enfrenta desde o final da década de 90 e que está,  intimamente, ligada a mudanças de ordem tecnológicas, possibilitou novas alternativas de produzir e comercializar a música as quais fogem ao modelo dominante estabelecido pelas organizações tradicionalmente hegemônicas nessa indústria. Assim, são apresentados e analisados, neste trabalho, exemplos de organizações ligadas à música que oferecem algum grau de resistência ao modelo estrutural dominante, sendo elas compreendidas pelos autores como organizações de resistência. Conclui-se que as formas organizacionais exemplificadas apresentam características estruturais específicas que nos permite considerá-las como formas de resistência ao modelo empresarial de organização.
Citação ABNT:
VIEIRA, M. M. F.; DARBILLY, L. V. C.; BARROS, D. F. O fenômeno da empresarização e a busca por alternativas na produção, comercialização e distribuição da música no Brasil como formas de resistência.. Organizações & Sociedade, v. 19, n. 61, p. 333-355, 2012.
Citação APA:
Vieira, M. M. F., Darbilly, L. V. C., & Barros, D. F. (2012). O fenômeno da empresarização e a busca por alternativas na produção, comercialização e distribuição da música no Brasil como formas de resistência.. Organizações & Sociedade, 19(61), 333-355.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/7441/o-fenomeno-da-empresarizacao-e-a-busca-por-alternativas-na-producao--comercializacao-e-distribuicao-da-musica-no-brasil-como-formas-de-resistencia-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRAHAM, Y.-M. L’entreprise est-elle nécessaire? In: DUPUIS, J-P. (Ed.). Sociologie de l’entreprise . Montréal: Gaëtan Morin Éditeur, 2006. p. 323-374.

ACKROYD, S.; THOMPSON, P. Organizational misbehaviour. London: Sage, 1999.

ALMEIDA, M.. Como o homem registrou o som. Jornal Movimento, ano 10, n. 236, jul. 2001. Disponível em: http://www.jornalmovimento.com.br/marcelo1.htm. Acesso em: 02 mar, 2010.

ARAÚJO, B. Gravadoras iniciam processo contra downloads ilegais. Globo online. Rio de Janeiro: 17 out. 2006. Disponível em: http://oglobo.globo.com/tecnologia/ mat/2006/10/17/286127668.asp. Acesso em: 23 out.2010.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE SOFTWARE. Mercado Brasileiro de Software: panorama e tendências. São Paulo: ABES Associação Brasileira das Empresas de Software, 2010.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE DISCOS. Combate à pirataria. Ano e cidade. Disponivel em: http://www.abpd.org. br/pirataria_apresentacao.asp. Acesso em: 02 mar.2006.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE DISCOS. Publicação Anual do Mercado Fonográfi co ABPD 2006. Rio de Janeiro, 2007. 19 p.

AYROSA, A.T.; VIEIRA, M.M.F.; DARBILLY, L.V.C.D.; BARROS, D.F. Power struggles in the Brazilian phonographic market. In: CONFÉRENCE DE L’ASSOCIATION INTERNATIONALE DE MANAGEMENT DES ARTS E DE LA CULTURE – AIMAC,, 2007, Valencia. Proceedings... . Montreal: AIMAC, 2007.

BOURDIEU, P. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 1990.

BOURDIEU, P. Razões práticas, sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

CARR, L. C. Tomboy resistance and conformity: agency in social psychological gender theory. Gender & Society, v. 12, p. 528-553, 1998.

CARVALHO, C.A.; VIEIRA, M. M. F. Contribuições da perspectiva institucional para a análise das organizações: possibilidades teóricas, empíricas e de aplicação. In:

CHANLAT, J.F. Ciências sociais e management: reconciliando o econômico e o social. São Paulo: Atlas, 1999.

COOPER, Robert; BURRELL, Gibson. Modernism, postmodernism and organizational analysis: an introduction. Organization Studies. v. 9, n. 1, p. 91-118, 1988.

CUNHA, M.C. Entrevista. In: PIMENTEL, S. “Propriedade intelectual pode ‘engessar’ conhecimento tradicional, alerta antropóloga”. Agência Brasil, 28/08/2003. Disponível em: http://www.radiobras.gov.br/especiais/manuelacarneirocunha/ manuela_capa.htm. Acesso em: 19 jan. 2010.

DARBILLY, L.V.C.; VIEIRA, M.M.F. An analysis of the recorded music industry fi eld in Brazil. Asia Pacifi c Journal of Arts and Cultural Management, v. 7, n.1, p. 528-539, jul. 2010.

DIAS, M.T. Os donos da voz: indústria fonográfi ca brasileira e mundialização da cultura. São Paulo. Boitempo Editorial, 2000.

ELETROCOOPERATIVA. Escutai-nos. Disponível em:http://eletrocooperativa.org.br/ instituto/escutai-nos. Acesso em: 15 ago 2009.

FLEMING, P.; SPICER, A. Contesting the corporation: struggle, power and resistance in organizations. London: Cambridge University Press, 2006.

FOLHA ONLINE. Máquina de CD no metrô. 09-06-2008. Disponível em: http://www1. folha.uol.com.br/folha/dimenstein/cbn/m_sp_090608.shtml. Acesso em: 13 ago. 2010.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: a história da violência nas prisões. São Paulo: Vozes, 2001.

FREITAS, D.K.G. Redimensionamento da indústria cultural e pirataria: estudo de caso do tecnobrega em Belém do Pará. In: ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, 2008, Salvador: Anais... Salvador: UFBA, 2008.

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS; OVERMUNDO; FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS. Open business models of America Latina: cultura livre, negócios abertos. Rio de janeiro: FGV, 2007.

FURTADO, C. Criatividade e dependência na civilização industrial. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

GONÇALVES, J.C.; SERRA, A.R.C.; COSTA, C.E.S. A empresarização do sagrado: um estudo sobre a estruturação de igrejas protestantes brasileiras. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO = ANPAD, 31., 2007, Rio de Janeiro. Anais.. Rio de Janeiro: ANPAD, 2007.

GUERREIRO RAMOS, A. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: FGV, 1981.

HODSON, R. Worker resistance: an underdeveloped concept in the sociology of work. Economic and Industrial Democracy, v. 16, n. 1, p. 79-110, 1995.

HOFFMANN, S. R. B.; SILVA, F. M. V; DELLAGNELO, E. H. L. Objetivos de organizações culturais sem fi ns lucrativos e suas fontes fi nanciadoras. Cadernos EBAPE.BR, v. 7, n. 2, jun. 2009

HOLANDA, L.A. Resistência ao management em organizações da cultura popular. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS – EnEO, 6.,2010, Florianópolis. Anais... Florianópolis: ANPAD, 2010.

HOLLANDER, J. A.; EINHOWER, R. L. Conceptualizing resistance. Sociological Forum, v. 19, n. 4, p. 533-554, 2004.

JERMIER, J.; KNIGHTS, D.; NORD, W. (Ed.) Resistance and power in organizations. London: Sage, 1993.

JORNAL A TARDE. Comércio alternativo, música e cidadania. Abril de 2008. Disponível em: http://atarde.uol.com.br. Acesso em: 30/04/2010.

KUUMBA, B. M.; AJANAKU, F. Dreadlocks: the hair aesthetics of cultural resistance and collective identity formation. Mobilization, v. 3, p. 227-243, 1998.

LAUS, Egeu. A capa de disco no Brasil: os primeiros anos. Arcos, v. 1, out. 1998. Disponível em: http://www.esdi.uerj.br/arcos/imagens/acervo_egeu(102a126).pdf. Acesso em 14 jul. 2010.

LEMOS, R. Creative Commons, mídia e as transformações recentes do direito da propriedade intelectual. Revista Direito GV, RJ, v.1, n.1, p.181-187, maio 2005b.

LEMOS, R. Creative Commons: o que é e modo de usar. Nov, 2005a. Disponível em: http://creativecommons.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=42& Itemid=80. Acesso em: 16 jan. 2010.

LEMOS, R.; CASTRO, O.; FAVARETO, A.; MAGALHÃES, R; ABRAMOVAY, R.; TOSTA, A.; IGNÁCIO, E.; SIMAS, M.; MENEZES, M. Tecnobrega: o Pará reinventando o negócio da música. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2008.

MINISTÉRIO DA CULTURA. Relatório. Disponível em: http://www.cultura.gov.br/ site/wp-content/uploads/2007/10/conclusoes-gt-econ.pdf. Outubro de 2007. Acesso em: 12 jul. 2010.

MISOCZKY, M.C.; VECCHIO, R.A. Experimentando pensar: da fábula de Barnard à aventura de outras possibilidades de organizar. Cadernos EBAPE BR, v.4, n. 1, 2006.

MODIGLIANI, A.; ROCHAT, F. The role of interaction sequences and the timing of resistance in shaping obedience and defi ance to authority. Journal of Social Issues, v. 51, p. 107-123, 1995.

NAKANO, D. A produção independente e a desverticalização da cadeia produtiva da música. Gestão & Produção, v.17, n.3, p. 627-638, 2010.

PICCINO, E. Um breve histórico dos suportes sonoros analógicos: surgimento, evolução e os principais elementos de impacto tecnológico. In: SEMINÁRIO DE MÚSICA, CIÊNCIA E TECNOLOGIA, 2., 2005. Campinas. Anais... Campinas: Universidade de Campinas, 2005.

PRASAD, A.; PRASAD, P. The empire of organizations and the organization of empires: postcolonial considerations on theorizing workplace resistance. IN:

PROFITT, N. J. ‘Battered women’ as ‘victims’ and ‘survivors’: creating space for resistance. Canadian Social Work Review/Revue Canadienne de Service Social, v. 13, p. 23-38, 1996.

RODRIGUES, M.S; SILVA, R. F. C. Os mercadores de emoção: um estudo sobre a empresarização de clubes de futebol no Brasil e sua confi guração estrutural. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO = ANPAD, 31., 2007, Rio de Janeiro. Anais.. Rio de Janeiro: ANPAD, 2007.

ROUTLEDGE, P. A spatiality of resistances: theory and practice in Nepal’s revolution of 1990. In: PILE, S.; KEITH, M. (Ed.). Geographies of resistance. London: Routledge, 1997. p. 66-86.

SANCHES, P. A. A indústria das ruas. In: Carta Capital, n. 439, p. 23-25, maio 2007.

SCOTT, J. Weapons of the weak: everyday forms of peasant resistance. New Haven: Yale University Press, 1985.

SILVA, J.M.; FAÉ, R.S.; SILVA, F.C. Possibilidades de resistência e luta a partir da leitura foucaultiana de poder. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE PODER LOCAL, 10., 2006, Salvador. Anais... Salvador: Nepol, 2006.

SKOCPOL, Theda. Estados e revoluções sociais – análise comparativa da França, Rússia e China. Lisboa: Editorial Presença, 1979.

SMIERS, J. Entrevista. In: YODA, Carlos Gustavo. O Brasil pode mais pela democracia cultural. Agência Carta Maior, dez. 2006. Disponível em: http://www.cartamaior.com. br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=13140. Acesso em: 14 jan. 2010.

SOLÉ, A. L’entrepise: une invention latine? In: COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE PODER LOCAL, 7., 2003, Salvador. Anais... Salvador: Nepol, 2003.

VIANNA, H., 2003. “A música paralela: Tecnobrega consolida uma nova cadeia produtiva, amparada em bailes de periferia, produção de CDs piratas e divulgação feita por camelôs”. Folha de S. Paulo, São Paulo, 13 de outubro de 2003.

VICENTE, E. A música independente no Brasil: uma refl exão. In: ENCONTRO DOS NÚCLEOS DE PESQUISA DA INTERCOM. 5., 2005, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Adaltech, 2005.

VICENTE, E. Organização, crescimento e crise: a indústria fonográfi ca brasileira nas décadas de 60 e 70. Revista de Economia Política de las Tecnologias de Información y Comunicación, v. VIII, n. 3, p. 114-128, set./dez. 2006.

VIVEIRO, F. T.; NAKANO, D. N.. Cadeia de produção da indústria fonográfi ca e as gravadoras independentes. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DA PRODUÇÃO, 28., 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ABEPRO, 2008. v. 1.

VIZZOTTO, A.M; LOPES, A. A música independente e a vanguarda paulista. In: FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE, 3., 2005. Curitiba.. Anais... Curitiba: Escola de Música e Belas Artes do Paraná, 2005.

WEITZ, R. Women and their hair: seeking power through resistance and accomodation. Gender & Society, v. 15, p.667-686, 2001.