Incerteza e racionalidade limitada: um estudo empírico no setor financeiro Outros Idiomas

ID:
7500
Resumo:
Esta pesquisa foi desenvolvida com o objetivo de avaliar o impacto da incerteza percebida
no ambiente sobre os níveis de racionalidade dos gestores do setor financeiro. Para tal,
foram estimados os níveis de incerteza percebidos pelos gestores tendo como suporte teórico a perspectiva da Incerteza da Informação, com foco na abordagem multidimensional
proposta por Milliken (1987), que defende a existência de três tipos de incerteza: incerteza de estado, incerteza de efeito e incerteza de resposta. Os níveis de racionalidade dos gestores foram estimados como um construto de segunda ordem a partir das incertezas de efeito e da incerteza de resposta, com o suporte teórico nas definições do conceito de racionalidade limitada propostas por Simon (1957). Os dados coletados junto aos 118 funcionários do setor bancário no Estado de São Paulo foram analisados por meio de Modelagem por Equações Estruturais com o Software Smart PLS. Os resultados indicaram
uma influência significativa da incerteza de estado nos níveis de racionalidade dos gestores e trazem contribuições conceituais e metodológicas importantes para o avanço dos estudos sobre o tema da incerteza no processo decisório.
Citação ABNT:
SILVA, A. A.; NALDIS, V. B. Incerteza e racionalidade limitada: um estudo empírico no setor financeiro. Revista Organizações em Contexto, v. 8, n. 15, p. 43-63, 2012.
Citação APA:
Silva, A. A., & Naldis, V. B. (2012). Incerteza e racionalidade limitada: um estudo empírico no setor financeiro. Revista Organizações em Contexto, 8(15), 43-63.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/7500/incerteza-e-racionalidade-limitada--um-estudo-empirico-no-setor-financeiro/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARNARD, C. I. The Functions of the executive. Cambridge: Harvard University Press, 1938.

BARROS, G. Racionalidade e organizações: um estudo sobre comportamento econômico na obra de Herbert A. Simon. Universidade de São Paulo, 2004.

BEARD, 1984; YASAI-ARDEKANI, 1989; BEARD, D. W.; DESS, G. G. Dimensions of organizational task environments. Administrative Science Quarterly, v. 29, n. 1, mar., 1984.

DOWNEY, K.; SLOCUM, J. W. Uncertainty: Measures, Research, and Sources of Variation. The Academy of Management Journal, v. 18, n. 3, p. 562-578, set., 1975.

DUNCAN, R. B. Characteristics of Organizational Environments and Perceived Environmental Uncertainty. Administrative Science Quarterly, v. 17, n. 3, set., 1972.

FERNANDES, A. S. A evolução dos conceitos de racionalidade na teoria econômica. Curitiba, 2000.

GERLOFF, E. A.; MUIR, N. K.; BODENSTEINER, W. D. Three Components of Perceived Environmental Uncertainty: An Exploratory analisis of the effects of aggregation. Journal of Management, v. 17, n. 4. 1991.

GORDON, L. A.; NARAYANAN, V. K. Management accounting systems, perceived environmental uncertainty and organizational structure: An empirical investigation. Accounting, Organizations and Society. v. 9, n. 1, p. 33-47, 1984.

HAIR Jr., J. F. Análise Multivariada de Dados. 5a. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

HOYLE, R. H. Structural equation modeling: Concepts, issues, and applications. Thousand Oaks, CA: Sage Publications, 1995. An introduction focusing on AMOS.

KNIGHT, Frank H. Risk, uncertainty and profit. Washington D. C.: Beardbooks, 2002.

KREISER, P.; MARINO, L. Analyzing the historical development of the environmental uncertainty construct. Management Decision, p. 895-905, 2002.

LAWRENCE, P. R.; LORSCH, J. W. Organization and Environment. Cambridge: Harvard University Press, 1967.

LOEHLIN, J. C. Latent variable models: An introduction to factor, path, and structural analysis. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum. 4a. ed. 2004.

MILLIKEN, F. J. Three types of perceived uncertainty about the environment: state, effect, and response uncertainty. The Academy of management review, v. 12, n. 1. jan., 1987.

PFEFFER, J.; SALANCIK, G. R. The external control of organizations: a resource dependence perspective. New York: Harper and Row, 1978.

SHERVANI, T. A., FRAZIER, G., CHALLAGALLA, G. The moderating influence of firm market power on the transaction cost economics model: an empirical test in a forward channel integration context, Strategic Management Journal. v. 28, p. 635-52, 2007.

SHIN, W. W. Issues and Opinion on Structural Equation Modeling. Management Information Systems Quarterly. v. 22, n. 1, mar., 1998.

SILVA, A. A. Integração Vertical em Cadeias de Suprimentos e os Pressupostos da Teoria dos Custos de Transação: Um Teste Empírico. São Paulo, 2009.

SILVA, F. E. B. Teoria da Firma e a Abordagem dos Custos de Transação: Elementos para uma Crítica Institucionalista. São Paulo: v. 17, n. 2 , p. 259-277, 2006.

SIMON, H. A. The Behavioral Foundations of Economic Theory: Rationality in Psychology and Economics. The University of Chicago Press the Journal of Business, v. 59, n. 4. out., 1980.

SIMON, H. Administrative behavior. 2a. ed. New York: Macmillan, 1957.

THOMPSON, J. D. Organizations in Action. McGraw-Hill. New York, 1967.

TOSI, H.; ALDAG, R.; STOREY, R. On the Measurement of the Environment: An Assessment of the Laurence and Lorsch Environmental Uncertainty Subscale, 1973.

ZYLBERSZTAJN, D. Estruturas de governança e coordenação do Agribusiness: uma aplicação da Nova Economia das Instituições. Tese de livre docência apresentada no Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo: 1995.