O uso da política cognitiva na comunicação organizacional Outros Idiomas

ID:
7505
Resumo:
Este artigo é um ensaio teórico que propõe uma reflexão a respeito de transparência e dualidade na comunicação organizacional, buscando auxiliar na compreensão do potencial estratégico da comunicação nas organizações. Nas organizações cujas direções entendem a comunicação como uma área estratégica, a transparência é uma forma de tornar-se confiável junto aos seus públicos de interesse. A dualidade do discurso, que se refere aos comportamentos nos quais o mesmo ator que afirma uma coisa faz o oposto no momento da prática ou sustenta o oposto diante de outro auditório, se constrói para guiar ou convencer, tornando-se parte da estratégia diretiva dos administradores para se adaptar a demandas mutantes no contexto e tentar ganhar sempre nas comunicações. Dentre as contribuições potenciais deste estudo está a reflexão de que empregar a política cognitiva descartando-se o conhecimento de aspectos como transparência e dualidade implica risco de impropriedade da gestão como um todo, marcando profundamente a cultura da organização. Este estudo apresenta ainda um levantamento bibliográfico da ocorrência de publicações de artigos sobre o tema em três periódicos científicos brasileiros entre 2008 e 2011, demonstrando que a produção acadêmica nessa área é míngua, talvez em função de sua natureza obscura.
Citação ABNT:
SOUZA, R. C.; AÑEZ, M. E. M. O uso da política cognitiva na comunicação organizacional. Revista Organizações em Contexto, v. 8, n. 15, p. 161-178, 2012.
Citação APA:
Souza, R. C., & Añez, M. E. M. (2012). O uso da política cognitiva na comunicação organizacional. Revista Organizações em Contexto, 8(15), 161-178.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/7505/o-uso-da-politica-cognitiva-na-comunicacao-organizacional/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AZAMBUJA, G. A dimensão de retorno nos processos comunicacionais e sua importância para a comunicação interna nas organizações: uma crítica ao sistemismo. Congresso Virtual de Comunicação Empresarial. Disponível em . Acesso em: 5 jun.2011.

AZAMBUJA, G. O sistema e o mundo da vida no contexto da comunicação organizacional. In: KUNSCH, M. M. K. (org.) Comunicação Organizacional: linguagem, gestão e perspectivas. v.1. São Paulo: Saraiva, 2009, p. 165-192.

BALDISSERA, R. A teoria da complexidade e novas perspectivas para os estudos de comunicação organizacional. In: KUNSCH, M. M. K. (org.) Comunicação Organizacional: linguagem, gestão e perspectivas. v.1. São Paulo: Saraiva, 2009, p. 135-164.

BLIKSTEIN, I. O direito e o avesso: análise semiótica do discurso político e empresarial. In: ORGANICOM. Revista Brasileira de Comunicação Organizacional e Relações Públicas, v. 5, n. 9, 2008.

BUENO, W. C. A transparência na comunicação empresarial. Comunicação empresarial online. Disponível em . Acesso em: 5 jun.2011.

BUENO, W. C. Comunicação empresarial: políticas e estratégias. São Paulo: Saraiva, 2009.

BUENO, W. C. Comunicação empresarial: teoria e pesquisa. Barueri: Manole, 2003.

CASALI, A. M. Um modelo do processo de comunicação organizacional na perspectiva da 'Escola de Montreal'. In: KUNSCH, Margarida M. K. (org.)Comunicação Organizacional: linguagem, gestão e perspectivas. v. 2. São Paulo: Saraiva, 2009.

CHANLAT, J. F.O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. V. 3. São Paulo: Atlas, 1996.

CRUZ, D. F. Subsídios para uma caracterização do discurso institucional. In: ORGANICOM. Revista Brasileira de Comunicação Organizacional e Relações Públicas, Ano 5, n. 9, 2008.

CURVELLO, J. J. A perspectiva sistêmico-comunicacional das organizações e sua importância para os estudos da comunicação organizacional. In: KUNSCH, M. M. K. (org.) Comunicação Organizacional:linguagem, gestão e perspectivas. v. 1. São Paulo: Saraiva, 2009, p. 91-105.

CURVELLO, J. J. As organizações como sistemas autopoiéticos de comunicação. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES DA COMUNICAÇÃO, 24. Anais... Campo Grande, 2001.

CURVELLO, J. J.; SCROFERNEKER, C. M. A. A comunicação e as organizações como sistemas complexos: uma análise a partir das perspectivas de Niklas Luhmann e Edgar Morin. E-Compós: Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, Brasília, v. 11, n. 3, set./dez. 2008.

DRIGO, M. O. Imagem e Cognição em Cena: um estudo com a relação Iconicidade/ Indexicalidade. Revista FAMECOS - Mídia, Cultura e Tecnologia, v. 17, n. 1, p. 83-93. jan./abr. 2010.

ETKIN, J. R. Capital social y valores en la organizacion sustentable: el deber ser, poder hacer y la voluntad creativa. 1a. ed. Buenos Aires: Granica, 2007. Disponível em . Acesso em 05 de junho de2011.

ETKIN, J. R. La doble moral de las organizaciones: los sistemas perversos y la corrupción institucionalizada. Chile: Editorial Mc Graw Hill, 1993.

ETKIN, J. R. Política, Gobierno y Gerencia de las Organizaciones. Buenos Aires: Prentice-Hall, 2000.

FAMECOS. Revista FAMECOS: Mídia, Cultura e Tecnologia. Disponível em: . Acesso em 22 out.2011.

FIGARO, R. O mundo do trabalho e as organizações: abordagens discursivas de diferentes significados. In: ORGANICOM. Revista Brasileira de Comunicação Organizacional e Relações Públicas, v. 5, n. 9, 2008.

FREITAS, E. C. O discurso na Comunicação Organizacional: uma abordagem semiolinguística na inter-relação linguagem e trabalho. In: INTERCOM. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, v. 32, n. 1, p. 189-208. jan./jul. 2009.

GARCIA, M. J. J. F. A formação dos gestores em cultura e comunicação organizacional: o ponto de vista da semiótica discursiva. In: KUNSCH, Margarida M. K. (org.) Comunicação Organizacional: linguagem, gestão e perspectivas. v. 2. São Paulo: Saraiva, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5a. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GODOI, E. O que as ciências da linguagem podem dizer para os estudos em comunicação organizacional? In: ORGANICOM. Revista Brasileira de Comunicação Organizacional e Relações Públicas, v. 5, n. 9, p. 49-66. 2008.

GUERREIRO RAMOS, A. A nova ciência das organizações. 2a. ed. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1989.

HALLIDAY, T. L. Discurso organizacional: uma abordagem retórica. In: KUNSCH, Margarida M. K. (org.) Comunicação Organizacional:linguagem, gestão e perspectivas. V. 2. São Paulo: Saraiva, 2009.

HARMON, M. M.; MAYER, R. T. Teoria de la Organización para la Administración Pública. México, Fondo de la Cultura Econômica, 1999.

INTERCOM. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação. Disponível em . Acesso em 22 de outubro de2011.

KUNSCH, M. M. K. Percursos paradigmáticos e avanços epistemológicos nos estudos da comunicação organizacional. In: KUNSCH, Margarida M. K. (org.) Comunicação Organizacional: linguagem, gestão e perspectivas. v. 2. São Paulo: Saraiva, 2009.

KUNSCH, M. M. K. Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. 4a. ed. São Paulo: Summus, 2003.

MAINGUENEAU, D. Doze conceitos em análise do discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2010. Resenha de: RIBEIRO, D. B. Em busca da compreensão das práticas discursivas. In: Revista FAMECOS: Mídia, Cultura e Tecnologia, v. 18, n. 2, p. 615-622.mai./ago. 2011.

MITJANS, S. H. Desafíos de la comunicación interna en un mundo de doble moral y organizaciones autoritarias. Matéria Biz. Disponível em . Acesso em: 15 jun.2011.

MORIN, E. Ciência com consciência. 14a. ed. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 2010.

MORIN, E. O problema epistemológico da complexidade. Lisboa: Europa-América, 1996.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2000.

ORGANICOM. Revista Brasileira de Comunicação Organizacional e Relações Públicas. Disponível em . Acesso em: 22 out.2011.

PRIMO, A. Interação mediada por computador. Porto Alegre: Sulina, 2007. Resenha de: PELLANDA, E. C. Comunicação, cibercultura e cognição mediadas pela Interatividade. Revista FAMECOS: Mídia, Cultura e Tecnologia, n. 35, v. 1, p. 136-137.abr. 2008.

SOUSA, A. M. P. Retórica e poder: representações do discurso empresarial em textos multinodais nos media. In: ORGANICOM. Revista Brasileira de Comunicação Organizacional e Relações Públicas, v. 5, n. 9, 2008.

TERCIOTTI, S. H. O poder, a comunicação e o diálogo no ambiente organizacional. In: ORGANICOM. Revista Brasileira de Comunicação Organizacional e Relações Públicas, v. 5, n. 9, 2008. p. 23-32.

TORQUATO, G. Cultura, poder, comunicação e imagem: fundamentos da nova empresa. São Paulo: Pioneira Thomsom Learning, 2003.

TORQUATO, G. Da gênese do jornalismo empresarial e das relações públicas à comunicação organizacional no Brasil. In: KUNSCH, Margarida M. K. (org.) Comunicação Organizacional: linguagem, gestão e perspectivas. v. 1. São Paulo: Saraiva, 2009. p. 7-28.

TUZZO, S. A.; MANIERI, T. Pesquisa empírica em Comunicação Organizacional e Relações Públicas: proposta metodológica e olhar sobre a prática de assessorias de Comunicação em Goiás. In: INTERCOM. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, v. 34, n. 1, jan./jun. 2011. p. 233-252.

VASCONCELLOS, M. J. E. Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. 7a. ed. São Paulo: Papirus, 2008.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 9a. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

WOLTON, D. Pensar a comunicação. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2004.

WOOD JR., T.; CALDAS, M. P. Comportamento organizacional: uma perspectiva brasileira. 2a. ed. São Paulo: Atlas, 2007.