Impactos sociais e ambientais da indústria da cana-de-açúcar Outros Idiomas

ID:
7617
Resumo:
Atualmente a preocupação com a degradação ambiental e com as condições de vida de nosso planeta têm aumentado. Literalmente um alarme soou relacionando os problemas do ambiente e as incertezas do futuro. Uma revolução energética é necessária perante à mudança de clima. A natureza oferece muitas possibilidades de produção de energia, e neste cenário o Brasil se apresenta em ótima posição. É o maior produtor, consumidor e exportador de etanol. Analisando a indústria de cana-de-açúcar brasileira, é fácil reconhecer sua importância histórica e seu peso econômico. Mais que nunca esta indústria tem apresentado soluções ambientais com mudanças na matriz energética usando etanol como combustível renovável. É fundamental que o desenvolvimento da indústria esteja em equilíbrio com os valores sociais e ambientais. Para isso, o primeiro passo para a expansão deste setor deve ser a identificação dos impactos sociais e ambientais da indústria da cana-de-açúcar. Políticas públicas também aparecem como atuantes no setor e têm um papel significativo no cenário.
Citação ABNT:
LIBONI, L. B.; CEZARINO, L. O. Impactos sociais e ambientais da indústria da cana-de-açúcar. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 4, n. 1, p. 202-230, 2012.
Citação APA:
Liboni, L. B., & Cezarino, L. O. (2012). Impactos sociais e ambientais da indústria da cana-de-açúcar. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 4(1), 202-230.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/7617/impactos-sociais-e-ambientais-da-industria-da-cana-de-acucar/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Brasil. Constituição Constituição da República Federativa do Brasil (CF/88). Brasília. (1988).

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuárias e do Abastecimento. Recuperado em 15 de abril, 2007, de http://www.agricultura.gov.br.

Cetesb. Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, ligada à Secretaria do Meio Ambiente do governo de São Paulo. Recuperado em 15 de abril, 2007, de http://www.cetesb.sp.gov.br.

Conama. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Recuperado em 15 de abril, 2007, de http://www.mma.gov.br/por/conama.

Embrapa. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Recuperado em 15 de abril, 2007, de http://www.embrapa.gov.br e de http://www.urbanizacao.cnpm.embrapa.br.

Goldemberg, J. Biocombustíveis no Brasil. Recuperado em 03 de abril, 2007, de http://www.brasilagro.com.br/clipping.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Recuperado em 27 de abril, 2007, de http://www.ibge.gov.br.

Macedo, I. C. (Org.). A energia da cana-de-açúcar. São Paulo: UNICA. (2005).

Miranda, E. E. Gestão e monitoramento territorial da agroenergia no Brasil. Anais do Workshop International “A Expansão da Agroenergia e seus Impactos Sobre os Ecossistemas Brasileiros”, Rio de Janeiro: Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável. (2007).

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. PNAD. (2005, 2006). CDROM. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Rocha, B. M. Perspectivas e segurança regulatória no setor sucroalcooleiro. São Paulo: Única. (2007).

Sachs, I. Integração dos agricultores familiares e dos empreendedores de pequeno porte na produção dos biocombustíveis. Anais do Workshop International “A Expansão da Agroenergia e seus Impactos Sobre os Ecossistemas Brasileiros”, Rio de Janeiro: Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável. (2007).

Silva; J. M. C. & Paglia, A. A biodiversidade ameaçada no Brasil. Anais do Workshop International “A Expansão da Agroenergia e seus Impactos Sobre os Ecossistemas Brasileiros”, Rio de Janeiro: Fundação Brasileira para o Desenvolvimento Sustentável. (2007).

Unica. União da Agroindústria Canavieira de São Paulo. Recuperado em 03 de abril, 2007, de http://www.unica.com.br.