Estratégias de transferência de conhecimento em multinacionais brasileiras: estudo comparativo entre as subsidiárias adquiridas e as greenfield Outros Idiomas

ID:
7821
Resumo:
Este estudo teve como objetivo principal explorar o processo de transferência de conhecimento entre a subsidiária e a matriz, no âmbito das multinacionais brasileiras, identificando os mecanismos de transferência de conhecimento mais utilizados, bem como as barreiras existentes nesse processo, comparando-se as subsidiárias adquiridas com as greenfield. Salienta-se que estudos apontam que existem diferenças no processo de transferência de conhecimento devido à forma de origem das unidades estrangeiras. Para isso, realizou-se uma survey entre 2006 e 2007, cuja amostra foi de 66 subsidiárias de multinacionais brasileiras com atividades no exterior. Sobre os resultados, em relação à transferência de conhecimento da matriz para a subsidiária, observa-se que as reuniões com os principais executivos da matriz e a recepção de brasileiros executivos são as duas práticas mais utilizadas em ambos os tipos de unidades. As barreiras à transferência de conhecimento existem de forma branda, sendo mais evidentes no caso das subsidiárias adquiridas. A resistência cultural é a mais eminente. No caso das unidades adquiridas, a estrutura hierárquica é vista como uma barreira, provavelmente refletindo uma postura centralizadora da matriz, enquanto, nas unidades greenfield, a falta de incentivos para o compartilhamento de conhecimento é evidenciado. Além disso, a síndrome do “não inventado” aqui é uma barreira percebida pelas unidades adquiridas.
Citação ABNT:
SILVA, N. B.; FLEURY, M. T. L. Estratégias de transferência de conhecimento em multinacionais brasileiras: estudo comparativo entre as subsidiárias adquiridas e as greenfield. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, v. 7, n. 1, p. 1-33, 2012.
Citação APA:
Silva, N. B., & Fleury, M. T. L. (2012). Estratégias de transferência de conhecimento em multinacionais brasileiras: estudo comparativo entre as subsidiárias adquiridas e as greenfield. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 7(1), 1-33.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/7821/estrategias-de-transferencia-de-conhecimento-em-multinacionais-brasileiras--estudo-comparativo-entre-as-subsidiarias-adquiridas-e-as-greenfield/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDERSSON, U.; FORSGREN, M.; HOLM, U. The strategic impact of external networks: subsidiary performance and competence development in the multinational corporation. Strategic Management Journal, v.23, pp. 979-996, 2002.

ANG, Z.; MASSINGHAM, P. National culture and the standardization versus adaptation of knowledge management. Journal of Knowledge Management, v.11, n.2, 2007.

BABBIE, E. Métodos de pesquisas de survey. Belo Horizonte: UFMG, 2005.

BARNEY, J. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v.17, n.1, pp.99-120, 1991.

BHAGAT, R. S.; ENGLIS, P.; KEDIA, B. L. Creation, diffusion, and transfer of organizational knowledge in transnational and global organizations. Management: International Perspectives, pp.101-25, 2007.

BHAGAT, R. S.; HAVERSTON, P. D.; TRIANDIS, H. C. Cultural variations in the cross-border transfer of organizational knowledge: an integrative framework. Academy of Management Review, v.27, n.2, pp.21-204, 2002.

BIRKINSHAW, J. Entrepreneurship in Multinational Corporations: the Initiative Process in Foreign Subsidiaries. The University Western of Ontario, Faculty of Graduate Studies. London: TESE, March, 1999.

BIRKINSHAW, J.; NOBEL, R.; RIDDERSTRALE, J. Knowledge as a contingency variable: do the characteristics of knowledge predict organization structure? Organization Science, pp.3-13, mai/jun, 2002.

BIRKINSHAW, Julian and HOOD, Neil. Multinational Corporate Evolution and Subsidiary Development. London: Macmillan Press, 1998.

BJORKMAN, I; BARNER-RASMUSSEN, W.; LI, L. Managing Knowledge Transfer in MNCs: The Impact of Headquarters Control Mechanisms. Journal of International Business Studies, v.35, pp.443-5, 2004.

BORINI, F. M. Transferência, desenvolvimento e reconhecimento de competências organizacionais em subsidiárias estrangeiras de multinacionais brasileiras. São Paulo, 2008. Tese (Doutorado em Administração). Programa de Pós-Graduação em Administração. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo.

BRESMAN, H. Decade Award Winning Article. Knowledge transfer in international acquisitions. Journal of International Business Studies, v.41, pp. 5–20, 2010.

BRESMAN, H.; BIRKINSHAW, J.; NOBEL, R. Knowledge transfer in international acquisitions. Journal of International Business Studies, pp.3-30, 1999.

CHAI, K.; GREGORY, M.; SHI, Y. Bridging Islands of Knowledge: A Framework of Knowledge Sharing Mechanisms. International Journal of Technology Management, v.25, n.8, pp.703-27, 2003.

FLEURY, A. Gestão empresarial para a internacionalização das empresas brasileiras. São Paulo: Atlas, 2010.

GARVIN, D. Building learning organization in BARTLETT, C.; GHOSHAL, S. Transnational management: text, cases, and readings in cross-border management. 3 ed. Boston: McGraw-Hill, 2000.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GUPTA, A.; GOVINDARAJAN, V. Knowledge flows within multinational corporations. Strategic Management Journal, v.21, apr., 2000.

HAIR JR. J.; BABIN, B.; MONEY, A.; SAMOUEL, P. Fundamentos de métodos de pesquisa em Administração. Porto Alegre: Bookman, 2006.

HITT, M.; IRELAND, R.; HOSKISSON, R. Administração estratégica: competitividade e globalização. 2ed. São Paulo: Thomson Learning: Cengage Learning, 2008.

HOFSTEDE, G. Culture’s consequences: comparing values, behaviors, institutions and organizations across nations. Estados Unidos: Sage, 2001.

HOLDEN, N.; VON KORTZFLEISCH, H. Why cross-cultural knowledge transfer is a form of translation in more way than you think. Knowledge and Process Management, v. 11, n. 2, pp. 127-36, 2004.

HOLSAPPLE, C.; JOSHI, K. A knowledge management ontology. In: Handbook on knowledge management I. Org: Clyde W. Holsapple, springer, 2003.

LANE. Absortive capacity, learning and performance in international joint ventures. Strategic Management Journal, v.22, 2001.

MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 3 ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

MEYER, K.; WRIGHT, M.; PRUTHI, S. Managing knowledge in foreign entry strategies: a resource-based analysis. Strategic Management Journal, v.30, pp.557– 74, 2009.

MINBAEVA, D.; PEDERSEN, T.; BOJÖRKMAN, I.; FEY, C.; PARK, H. MNC knowledge transfer, subsidiary absorptive capacity and HRM. Journal of International Business Studies, v.34, pp.586-99, 2003.

NEWMAN, B. Agents, artifacts and transformations: the foundations of knowledge flows. In: Handbook on knowledge management I. Org: Clyde W. Holsapple, springer, 2003.

NOHRIA, Nitin; GHOSHAL, Sumantra. The differentiated network: organizing multinational corporations for value creation. San Francisco: Jossey-Bass, 1997.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H.. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

OLIVEIRA JUNIOR, M. Internacionalização de Empresas Brasileiras: o papel da subsidiária. São Paulo, 2009. Tese de Livre Docência. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo.

ROOT, F. Entry Strategies for International Markets. San Francisco, USA: JOSSEY BASS, 1994.

RUGMAN, A.; VERBEKE, A. Subsidiary-specific advantages in multinational enterprises. Strategic Management Journal, v.22, pp.237-50, 2001.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C.F.; LUCIO, P.B. Metodologia de Pesquisa. 3ed. São Paulo: Mc Graw-Hill, 2006.

SUMELIUS, J.; SARALA, R. Knowledge development in MNC subsidiaries: the influence of MNC internal and external knowledge and controls mechanisms. Thunderbird International Business Review, v.50, n.4, jul/aug, 2008.