A decisão de internacionalizar Outros Idiomas

ID:
7979
Resumo:
Empresas brasileiras, pertencentes aos diferentes ramos de atividade econômica, vêm buscando intensamente o mercado externo, a partir de diferentes modos de entrada, desde o mais simples (exportação indireta) até o mais complexo (desenvolvimento de unidade produtiva). Em vista disso, o presente trabalho se propôs a responder às questões: de que forma têm sido tomadas essas importantes decisões estratégicas? São lastreadas em métodos descritos na teoria da decisão ou estão calcadas apenas no sentimento e na visão do empreendedor? Para tanto, tornou-se necessário conhecer os temas processo decisório e internacionalização. Primeiramente, foram estudadas as teorias discutidas no meio acadêmico sobre o tema internacionalização e também as contribuições de pesquisadores quanto ao tema decisão. Em seguida, foi analisado o processo decisório de internacionalização de duas empresas brasileiras, pertencentes ao setor Metalurgia e Siderurgia, cujos produtos estão presentes em vários países. Pesquisar o processo decisório voltado para a área internacional pode resultar em um conjunto de subsídios úteis para a orientação de empresas interessadas nesse tipo específico de tomada de decisão.
Citação ABNT:
VIANNA, N. H.; ALMEIDA, S. R. A decisão de internacionalizar. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, v. 6, n. 2, p. 1-21, 2011.
Citação APA:
Vianna, N. H., & Almeida, S. R. (2011). A decisão de internacionalizar. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 6(2), 1-21.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/7979/a-decisao-de-internacionalizar/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AMATUCCI, M.; AVRICHIR, I. Teorias de negócios internacionais e economia brasileira – de 1850 a 2005. Anais III Encontro de Estudos em Estratégia, São Paulo, 2007.

BAZERMAN, M. H. Processo Decisório. 5 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

CAVUSGIL, S. T. Differences Among Exporting Firms Based on Their Degree of Internationalization, Journal of Business Research, vol. 2, n. 12, p. 195-208, 1984.

CHIPEIO, C. U. N. A . A exportação como estratégia de entrada em mercados internacionais: um estudo multi-caso no setor siderúrgico. Dissertação (mestrado) FEA/USP, 2003.

CRUZ, V. Múltis do país investem mais no exterior. Folha de S. Paulo, 18 fev. 2008, Caderno Dinheiro, p. B1.

CUNHA, J. A. C.; ARMANDO, E.; ALMEIDA; M. I. R. Os fatores decisivos nas escolhas de parceiros estratégicos em alianças estratégicas internacionais. Anais X SEMEAd, 2007. FEA/ USP, São Paulo.

CYRINO, A. B.; BARCELLOS, E. P. Estratégias de internacionalização: evidências e reflexões sobre a empresa brasileira In: TANURE, B.; DUARTE, R. G. (Org.) Gestão Internacional. São Paulo: Saraiva, 2006.

CYRINO, A. B.; PENIDO, E.; TANURE, B. Trajetórias de empresas brasileiras em mercados internacionais: contribuições empíricas ao debate sobre a importância das distâncias. Caderno de Idéias. Nova Lima: Fundação D. Cabral, 2005.

DIB, L. A.; CARNEIRO, J. Avaliação comparativa do escopo descritivo e explanatório dos principais modelos de internacionalização de empresas. Anais XXX EnANPAD, 2006. Salvador, 2006.

DIB, L. A. R. O Processo de Internacionalização de Pequenas e Médias Empresas e o Fenômeno Born Global: estudo do setor de software no Brasil. / Luís Antônio da Rocha Dib. Rio de Janeiro, 2008. Tese de Doutorado – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto COPPEAD de Administração, 2008.

FORTE, S. H. A. C.; SETTE JR., E. L. M. Grau de internacionalização de empresas : um estudo no setor de rochas ornamentais e de revestimento no Estado do Ceará. Anais XXIX Encontro da ANPAD, Brasília, 2005.

FREITAS, Y. A. Obstáculos à exportação: percepções de empresas brasileiras exportadoras de manufaturados. Dissertação (Mestrado em Adm), UFRJ, RJ, 2004. Disponível em: http://www.centrodelogistica.com.br/new/teses/pdf/21set04_Yuri_Almeida.pdf. Acesso em: dez. 2007.

GODET, M. Manual de prospectiva estratégica. Da antecipação à ação. Lisboa: D. Quixote, 1993.

GORDON, T. J. Cross Impact Method. Publication of United Nations Development Program’s African Futures Project in collaboration with the United Nations University’s Millenium Project Feasibility Study-Phase II, 1994. Disponível em: http://www.futurestudio.org. Acesso em: 7 mai2007. 1994.

HAMMOND, J. S.; KEENEY, R. L.; RAIFFA, H. Decisões inteligentes. Rio de janeiro: Campus, 1999.

HILAL, A.; HEMAIS, C. A. O processo de internacionalização na ótica da Escola Nórdica: evidências empíricas em empresas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea (RAC), v.7, n.1, pp. 109-124, 2003. Disponível em: www.anpad.org.br/rac/vol_07/dwn/rac-v7-n1-ahh.pdf. Acesso em: mar2008. 2003.

HYMER, S. Empresas multinacionales: la internacionalización del capital. Buenos Aires: Ediciones preiferia S.R.L., 1972.

IGLESIAS, R. M.; MOTTA VEIGA, P. Promoção de exportações via internacionalização das firmas de capital brasileiro, 2002. Disponível em: http://www.bndes.gov.br/conhecimento/livro_desafio/Relatorio-09.pdf Acesso em: 10 jan 2008.

JANK, M. S.; TACHINARDI, M. H. Política comercial, negociações internacionais e internacionlização de empresas. In: FLEURY, A.; FLEURY, M.T.L. (Org.) Internacionalização e os países emergentes. São Paulo: Atlas, 2007.

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. E. The Mechanism of Internationalisation. International Marketing Review, v. 7, n. 4, 1990.

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. E. The Uppsala internationalization process model revisited: from liability of foreignness to liability of outsidership. Journal of International Business Studies, v. 40, n. 9, p. 1411-1431, 2009. Disponível em: http://www.palgravejournals.com/jibs/journal/v40/n9/pdf/jibs200924a.pdf. Acesso em: mai.2011. 2009.

JOHNSON, J. E. V.; BRUCE, A. Calibration of subjective probability judgments in a naturalistic setting. Organizational Behavior and Human Decision Processes, v. 85, n. 2, p. 265-90, jul., 2002.

LEE, P. P. Y. Avaliação do estágio de internacionalização: um estudo de casos em empresas do setor de bebidas no Brasil. Dissertação (Mestrado) FEA, USP, São Paulo, 2000.

LEROY, G. RICHARD, G. SALLENAVE, J. P. La Conquête des marchés extérieurs. Paris: Ed. D'organisation, 1985.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas, 2007.

MOTA, R. B. Decisões Estratégicas no Processo de Internacionalização de Empresas: “Forma de Entrada” e “Seleção de mercado”. Anais III Encontro de Estudos Em Estratégia. São Paulo, mai. 2007.

MOTTA VEIGA, P. O viés antiexportador: mais além da política comercial, 2002. Disponível em: http://www.bndes.gov.br/conhecimento/livro_desafio/Relatorio-05.pdf Acesso em: 25 mar.2008. 2002.

MOURA, P. G. D. A. S. O processo de internacionalização do desenvolvimento de produtos em empresas multinacionais brasileiras. Dissertação (Mestrado) FEA/RP, USP, 2007. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/96/96132/tde23072007-085606/Acesso em: nov. 2007.

ROCHA, A.; ALMEIDA, V. Estratégias de entrada e de operações em mercados internacionais. In: TANURE, B.; DUARTE, R. G. (Org.) Gestão Internacional. São Paulo: Saraiva, 2006.

RUSSO, J. Edward; SCHOEMAKER, Paul J. H. Tomada de decisões. Armadilhas. São Paulo: Saraiva, 1993.

SHARMA,V. M. ; ERRAMILLI, M. K. Resource-based explanation of entry mode choice. Journal of Marketing Theory and Practice, v. 12, n. 1, winter, 2004.

SOTTO MAYOR FILHO, L. A.; FERREIRA, G. C. Internacionalização de Empresas de prestação de Serviços em Tecnologia de Informação: O Estudo de Caso de Duas Empresas Brasileiras. Anais XXX EnANPAD. Salvador/BA, mai. 2006.

TVERSKY, A.; KAHNEMAN, D. Judgment under uncertainty: heuristics and biases. Science, n. 185, 1974.

VIANNA, N. W. H. A Probabilidade subjetiva e o júri de especialistas. 1982. Dissertação (Mestrado em Administração). Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, 1982.

VIANNA, N.W.H. et al. Indústria Eletroeletrônica Brasileira: estratégias de entrada e desafios do processo de internacionalização. Revista Eletrônica de Administração REAd, v. 13, n. 4, dez., 2007. Disponível em: http://read.adm.ufrgs.br/ Acesso em: fev2008.

WRIGHT, J. T. C. Análise e estruturação de modelos: uma metodologia para lidar com a complexidade. (Trabalho técnico não publicado), out. 1980.