Características de empresas que influenciam o seu disclosure voluntário de indicadores de desempenho Outros Idiomas

ID:
8025
Resumo:
O estudo objetiva analisar se características como tamanho, setor de atividade e desempenho econômico-financeiro influenciam as empresas a divulgarem indicadores de desempenho contábeis na forma de disclosure voluntário em seus relatórios anuais. Pesquisa descritiva com abordagem quantitativa foi realizada por meio das Demonstrações Financeiras Padronizadas (DFPs) do ano de 2008 de 90 empresas listadas no segmento do Novo Mercado de Governança Corporativa da BM&FBovespa. Tendo como referência a pesquisa de Watson, Shrives e Marston (2002), com base nestas demonstrações foram calculados indicadores de desempenho relacionados com as Teorias da Agência e da Sinalização e o disclosure voluntário. Considerando a natureza dicotômica (sim/não) da variável dependente (disclosure de indicadores contábeis), e o fato das variáveis independentes (lucratividade e retorno sobre o investimento, alavancagem, liquidez, eficiência, tamanho da empresa e setor de atividade) conterem tanto dados categóricos como de valor, Watson, Shrives e Marston (2002) utilizaram a Regressão Logística Stepwise para testar as hipóteses da pesquisa, o que também foi utilizado neste estudo, para determinar quais variáveis independentes melhor explicam o disclosure. Conclui-se que algumas variáveis podem, de certo modo, influenciar o disclosure voluntário, ainda que não tenham sido encontradas relações estatísticas suficientemente fortes. As variáveis mais significativas apresentadas pelo modelo de regressão logística foram o setor de atividade e a margem operacional quando analisados apenas alguns grupos de indústria.
Citação ABNT:
KLANN, R. C.; BEUREN, I. M. Características de empresas que influenciam o seu disclosure voluntário de indicadores de desempenho . Brazilian Business Review, v. 8, n. 2, p. 92-118, 2011.
Citação APA:
Klann, R. C., & Beuren, I. M. (2011). Características de empresas que influenciam o seu disclosure voluntário de indicadores de desempenho . Brazilian Business Review, 8(2), 92-118.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8025/caracteristicas-de-empresas-que-influenciam-o-seu-disclosure-voluntario-de-indicadores-de-desempenho-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDRADE, M. M. Introdução à metodologia do trabalho científico. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

BEUREN, I. M. Divulgação de informações voluntárias em relatórios financeiros e seu relacionamento com a estrutura das empresas e características dos contabilistas. 1991. 101 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) – Curso de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1991.

BITLER, M. P.; MOSKOWITZ, T. J.; VISSING-JORGENSEN, A. Testing Agency Theory with entrepreneur effort and wealth. The Journal of Finance, v. 60, n. 2, Apr. 2005.

BOUDON, R. Os métodos em sociologia. São Paulo: Ática, 1989.

CERF, R.A. Corporater reporting and investment decisions. Berkeley: University of California Press. 1961.

CHOW, C. W.; WONG-BOREN, A. Voluntary financial disclosure by Mexican corporations. The Accounting Review, v. 62, n. 3, p. 533-541, 1987.

COOKE, T. E. An assessment of voluntary disclosure in the annual reports of Japanese corporations. International Journal of Accounting, v. 26, n. 3, p. 174-189, 1991.

COOKE, T. E. Voluntary corporate disclosure by Swedish companies. Journal of International Financial Management and Accounting, v. 1, n. 2, p. 171-195, 1989.

CORRAR, Luiz J.; PAULO, Edilson, DIAS FILHO, José Maria. Análise Multivariada: para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. 1 ed. São Paulo: Atlas, 2009.

DEMSETZ, H. Ownership control and the firm: the organization of the economic activity. Massachussetts: Basil Blackwell, 1990.

DEY, A. Corporate governance and agency conflicts. Journal of Accounting Research. v. 46, n. 5, 2008.

ECCLES, R. G. et al. The value reporting revolution: moving beyond the earnings game. PricewaterhouseCoopers. New York: John Wiley & Sons, Inc., 2001.

FALCÃO, E. Divulgação em demonstrações financeiras de companhias abertas. Caderno de Estudos, FIPECAFI – FEA/USP, n. 12, set., 1995.

FIRTH, M. The impact of size, stock market listing, and auditors on voluntary disclosure in corporate annual reports. Accounting and Business Research, n. 9, p. 273-280, Autum, 1979.

GOULART, A. M. C. Evidenciação contábil do risco de mercado por instituições financeiras no Brasil. 2003. 201 f. Dissertação (Mestrado em Controladoria e Contabilidade) – Programa de Pós-Graduação em Controladoria e Contabilidade, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

HENDRIKSEN E. S.; VAN BREDA, M. F. Teoria da contabilidade. 5 ed. São Paulo: Atlas, 1999.

HOSSAIN, M.; PERERA, M. H. B.; RAHMAN, A. R. Voluntary disclosure in the annual reports of New Zealand companies. Journal of International Financial Management and Accounting. v. 6, n. 1, p. 69-85, 1995.

IUDÍCIBUS, S. Teoria da contabilidade. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2004.

IUDÍCIBUS, S.; MARION, J. C. Introdução à teoria da contabilidade para o nível de graduação. São Paulo: Atlas, 1999.

JENSEN, M. C.; MECKLING, W. H. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, n. 3, p. 305-360, 1976.

KESTER, W. C. Industrial groups as systems of contractual governance. Oxford Review of Economic Policy, v. 8, n. 3, p. 24-44, Autumn, 1992.

LOPES, A. B.; MARTINS, E. Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo: Atlas, 2005.

MAFRA, M. A. F; NESS JR, W. L. O relatório da administração no Brasil: peça de informação ou de ficção. In: ENANPAD, 26., 2002, Curitiba. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2002.

MALACRIDA, M. J. C.; YAMAMOTO, M. M. Governança corporativa: nível de evidenciação das informações e sua relação com a volatilidade das ações do iBOVESPA. Caderno de Estudos, FIPECAFI – FEA/USP, Edição Comemorativa, set. 2006.

MORRIS, R. D. Signalling, agency theory & accounting policy choice. Accounting & Business Research. v. 18, n. 69, p. 47-56, 1987.

PONTE, V. M. R.; OLIVEIRA, M. C. A prática da evidenciação de informações avançadas e não obrigatórias nas demonstrações contábeis das empresas brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, n. 36, p. 07-20. set./dez. 2004.

RAFFOURNIER, B. The determinants of voluntary financial disclosure by Swiss listed companies. The European Accounting Review, v. 4, n. 2, p. 261-280, 1995.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1999.

ROSS, S. A. The economic theory of agency: the principal’s problem. American Economic Review, v. 63, n. 2, papers and proceedings of the 85o Annual Meeting of the American Economic Association, p. 134-139, 1973.

SIFFERT FILHO, N. A teoria dos contratos econômicos e a firma. 1996. 201 f. Tese (Doutorado em Ciências Econômicas) Departamento de Economia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

SILVA, M. B.; GRIGOLO, T. M. Metodologia para iniciação científica à prática da pesquisa e da extensão II. Caderno Pedagógico. Florianópolis: UDESC, 2002.

SPENCE, M. Job market signaling. Quartely Journal of Economics. p. 355-374, 1973.

SPENCE, M.; ZECKHAUSER, R. Insurance, information and individual action. American Economic Review, v. 61, n. 2, papers and proceedings of the 83o Annual Meeting of the American Economic Association, p. 380-387, May, 1971.

TEIXEIRA, A. C. C.; FORTUNATO, G.; AQUINO, A. C. B. Relação entre transparência e o valor de mercado das empresas brasileiras de capital aberto. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 4., 2004, São Paulo. Anais ... São Paulo: FEA/USP, 2004.

VERRECCHIA, R. E. Discretionary disclosure. Journal of Accounting and Economics, n. 5, p. 179-194, 1983.

VERRECCHIA, R. E. Information quality and discretionary disclosure. Journal of Accounting and Economics, v. 12, n. 4, p. 365-380, 1990.

VERSTEGEN, B. H. J. Nine ways for a decision maker to use theoretical notions, with special reference to teaching agency theory for management accounting. Journal of Accounting Education. n. 19, p. 119-127, 2001.

WALLACE, R. S. O.; NASER, K.; MORA, A. The relationship between the comprehensiveness of corporate annual reports and firm characteristics in Spain. Accounting and Business Research, v. 25, n. 97, p. 41-53, 1994 .

WATSON, A.; SHRIVES, P.; MARSTON, C. Voluntary disclosure of accounting ratios in the UK. British Accounting Review. n. 34, p. 289-313, 2002.

WATTS, R. L.; ZIMMERMAN, J. L. Positive accounting theory. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1986.

WOODWARD, D.; EDWARDS, P.; BIRKIN, F. Some evidence on executive’s views of corporate social responsibility. British Accounting Review. n. 33, p. 357-397, 2001.