Sucessão em uma empresa familiar: valores, racionalidades e dilemas Outros Idiomas

ID:
8063
Resumo:
O presente artigo aborda a questão da racionalidade e dos dilemas éticos presentes na sucessão de uma empresa familiar. Conforme Weber (1964), a ação será racional, com relação a valores, quando determinada pela crença consciente em valores éticos, estéticos e religiosos. Procede de maneira racional, com relação a fi ns, quem orienta suas ações e meios em busca de objetivos e resultados. A ação racional, com relação aos meios, corresponde à ética da convicção, enquanto a ação racional, com relação a fi ns, corresponde à ética da responsabilidade. Foi observado que a sucessão de uma empresa familiar demanda uma série de decisões que trazem dilemas éticos subjacentes. A questão dos valores, decorrentes das diferentes racionalidades, emerge como construto importante para compreender a sucessão na empresa familiar estudada.
Citação ABNT:
OLIVEIRA, L. G. M.; SILVA, G. A. V. Sucessão em uma empresa familiar: valores, racionalidades e dilemas. Revista de Administração FACES Journal, v. 11, n. 2, p. 28-42, 2012.
Citação APA:
Oliveira, L. G. M., & Silva, G. A. V. (2012). Sucessão em uma empresa familiar: valores, racionalidades e dilemas. Revista de Administração FACES Journal, 11(2), 28-42.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8063/sucessao-em-uma-empresa-familiar--valores--racionalidades-e-dilemas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBERTI, Verena. Manual de história oral. 2 ed. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

ALVAREZ, Maria Ercília G. Los valores del fundador y su influencia en la empresa familiar en Gallicia. 2001. 390 f. Tese (Doutorado) - Universidad Autónoma de Barcelona, Bellaterra (Cerdanyola Del Valles), 2001.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1997.

BOBBIO, N.; MATTEUCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de política. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2000. v. 2.

BURKART, Mike; PANUNZI, Fausto; SHKEIFER, Andrei. Family firms. NBER Working Paper 8776. Cambridge: National Bureau of Economic Research, 2002.

COLLIS, Jill; HUSSEY, Roger. A pesquisa em Administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Porto Alegre: Bookman, 2005.

FARIA, José Henrique. Economia política do poder – Fundamentos. Curitiba: Juruá, 2004. v. 1.

GERSICK, Kelin E.; DAVIS, John A.; HAMPTON, Marion M.; LANSBERG, Ivan. De geração para geração – ciclos de vida da empresa familiar. 4 ed. [S. l.]: Negócio Editora, 1997.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. As micro e pequenas empresas comerciais e de serviços no Brasil. 2001. Disponível em: . Acesso em: 02 fev.2005.

ICHIKAWA, Elisa Y.; SANTOS, Lucy W. S. Vozes da História: Contribuições da História Oral à Pesquisa Organizacional. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓSGRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 28., 2004, Curitiba. Anais…Rio de Janeiro: ANPAD, 2004.

LEACH, Peter. La empresa familiar. Barcelona: Ediciones Granica, 1999.

LEACH, Peter; BOGOD, Tony. Claves de la empresa familiar. Madrid: Instituto de Estudios Económicos, 2006.

MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe. Tradução de Maria Lúcia Cumo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

RAMOS, Guerreiro. Administração e o contexto brasileiro: esboço de uma teoria geral da administração. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1983.

ROCKEACH, Milton. The nature of human values. New York: The Free Press, 1973.

SILVA, Georgina A. V.; OLIVEIRA, Luis G. M. Poder, cultura e racionalidade nas organizações familiares brasileira. In: CARRIERI, A. P; SARAIVA, L. A. S.; GRZBOVSKI, D. (Org.). Organizações familiares: um mosaico brasileiro. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, 2008.

SROUR, Robert Henry. Ética empresarial. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

SROUR, Robert Henry. Poder, cultura e ética nas organizações. 5 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

WEBER, M. A política como vocação. In: WEBER, M. Ciência e política - duas vocações. São Paulo: Martin Claret, 2002.

WEBER, M. Economía y sociedad: esbozo de sociología comprensiva. México: Fondo de Cultura Económica, 1964. v. 1.