Ecoturismo: desenvolvimento, comunidades tradicionais e participação Outros Idiomas

ID:
8191
Resumo:
Diversas áreas naturais de importância socioambiental no Brasil agregam comunidades locais. Muitas destas comunidades residem nessas áreas e delas tiram a sua sobrevivência há muitas gerações, percebendo-as como território fundamental para sua reprodução social, cultural e econômica. O ecoturismo de base
comunitária desponta como uma possibilidade para o desenvolvimento sustentável destas comunidades. Este artigo foi construído através de pesquisa bibliográfica dos marcos conceituais de desenvolvimento participativo, comunidades tradicionais e ecoturismo de base comunitária, apresentando uma discussão teórica que visa indicar relações e implicações dos temas abordados. Entre estas temáticas observou-se à necessidade de considerar a forma de organização social das comunidades locais na construção dos processos participativos. Com isso espera-se contribuir para uma reflexão sobre o ecoturismo de base comunitária em uma perspectiva em que a participação comunitária torna-se a base para uma efetiva sustentabilidade, portanto, pretende-se que a compreensão integrada dos temas abordados possa facilitar outros processos semelhantes.
Citação ABNT:
OLIVEIRA, C. A. F.; BLOS, W. S. Ecoturismo: desenvolvimento, comunidades tradicionais e participação. Caderno Virtual de Turismo, v. 12, n. 2, p. 137-151, 2012.
Citação APA:
Oliveira, C. A. F., & Blos, W. S. (2012). Ecoturismo: desenvolvimento, comunidades tradicionais e participação. Caderno Virtual de Turismo, 12(2), 137-151.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8191/ecoturismo--desenvolvimento--comunidades-tradicionais-e-participacao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADAMS , C. As populações caiçaras e o mito do bom selvagem: a necessidade de uma nova abordagem interdisciplinar. Revista de Antropologia. São Paulo: Ed. USP , v. 43, n. 1, p. 145 – 182. 2000.

ARAÚJO, Silvana Miceli de. Artifício e autenticidade: O Turismo como exeperiência Antropológica. In: BANDUCCI JR. Álvaro; BARRETO , Margaritta (Orgs.). Turismo e identidade local. Campinas, SP : Papirus, 2001.

BANDEIRA, P. Participação, articulação de atores sociais e descobrimento regional. Brasília: IPEA, 1999.

BENI, M. C. Política e planejamento de turismo no Brasil. São Paulo: Aleph, 2006.

BEZERRA, Fabrício Dantas. Entrevista Informal. Entrevista concedida à Mayara Ferreira de Farias. Acari, RN. Julho de 2010.

BOFF, L. Princípio-terra: volta á terra como pátria comum. São Paulo: Ática, 1995.

BOMFIM, N. R. Noção social de território: em busca de um conceito didático em geografia a territorialidade. Ilhéus: Editus, 2009.

BRAGA, Debora Cordeiro. Planejamento turístico: teoria e prática. Rio de janeiro: Elsevier, 2007.

BRANDON, K. Etapas básicas para incentivar a participação local em projetos de turismo voltado para natureza. In: LINDBERG, K.; HAWKINS (Org). Ecoturismo um guia para planejamento e gestão. Tradução de Leila Cristina de M. Darin; revisão técnica de Oliver Hillel. 5. ed. São Paulo: SENAC – São Paulo, 2005, p. 223-252. Título original: A guide for planners and managers.

BRASIL. Decreto N° 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Diário Oficial da União, Brasília, p. 316 – 317, 8 fev. 2007. Seção 1.

BRASIL. Diretrizes para uma política nacional de ecoturismo. BARROS .M.S.; PENHA.L.H.D (coord). Brasília: EMBRAT UR e MICT/MMA, 1994.

BRASIL. Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000; decreto n º 4.340, de 22 de agosto de 2002. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza – SNUC. 5. ed. Brasília: MMA/SBF, 2002.

CARVALHO, S. V. C. B. “Manifestações Culturais”. In: GADINI, S. L.; WOLTO WICZ, K. J (Orgs). Noções básicas de folkcomunicação. Ponta Grossa: UEPG, 2007. p. 64-66.

CEBALLOS -LASCURAIN, H. Introdução: O ecoturismo como um fenômeno mundial. In: LINDBERG, K.; HAWKINS (Org). Ecoturismo um guia para planejamento e gestão. Tradução de Leila Cristina de M. Darin; revisão técnica de Oliver Hillel. 5 ed. São Paulo: SENAC – São Paulo, 2005, p. 23-30. Título original: A guide for planners and managers.

CHAMBERS, R. Sustainable livelihoods. [S.I.]: Institute of Social Studies. University of Susses, 1986.

CLAVAL, P. “A geografia cultural: o estado da arte”. In: ROSENDA HL, R.; CORR ÊA, R. L (Orgs). Manifestação da cultura no espaço. Coleção geografia cultural. Rio de janeiro: Ed: UERJ, 1999, p. 58 – 97.

DEMO, P. Politicidade da educação e/ou aprendizagem reconstrutiva política. [S.l.]: Prof. Pedro Demo – Blog, 2008. Disponível em: http://pedrodemo.sites.uol.com.br/textos/pproma.html. Acesso em: 1 out. 2010.

DIEGUES , A. C. Ecologia humana e planejamento em áreas costeiras. São Paulo: NUPA UB-USP , 1996.

DIEGUES , A. C. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: HUCITEC , 2001.

FONTES ,M.A.; VITORINO , M.R.; FILETTO ,F. Introdução ao turismo responsável. Lavras: UFLA/FAEPE, 2003.

FURTADO , C. O Mito do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

GADOTTI , M. Pedagogia da terra. São Paulo: Peirópolis, 2000.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Tradução de Fanny Wrobel; revisão técnica Gilberto Velho. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1973. Título original: The Interpretation of cultives.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1987.

HALL, S. A Identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2007. Título original: The question of cultural identity.

HANDLER, R.; LINNEKIN, J., “Tradition genuine or spurious”. Journal of American Folklore. [S.I.: s.n.]. v. 97, n. 385, p. 273-290. 1984.

HOBSBAWN, E. J.; RANGER, T. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: paz e terra, 1984.

INSTITUTO BRASILEIRO DE TURISMO EMBRATUR; INSTITUTO DE ECOTURISMO DO BRASIL IEB. Pólos de Desenvolvimento de Ecoturismo nas Regiões Sul e Centro-Oeste. Brasília: Terragraph, 1999.

IRVING, M. A. Reinventando a reflexão sobre turismo de base comunitária: inovar é possível?. In: BART HOLO, R.; SANSO LO, D. G.; BURSZTYN, I (Org). Turismo de base comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Brasília: Letra e imagem, 2009. p. 108–121.

JUNQUEIRA, L. A. P. A descentralização e a gestão municipal da política de saúde. Ciência e saúde coletiva. Rio de Janeiro: [s.n.], v. 1, n. 1, p. 21-22. 1996.

KUMMER, L. Metodologia Participativa no meio rural: Uma visão interdisciplinar. Conceitos, Ferramentas e Vivências. Salvador: GT Z, 2008.

LEA, M. S. et al. As áreas protegidas podem contribuir para a redução da pobreza? Oportunidades e limitações. Gland – Suíça e Cambridge – Reino Unido: IUCN, 2006.

LEITE LOPES , J. S. Sobre processos de “ambientalização” dos conflitos e sobre dilemas da participação. Horizontes antropológicos. Porto Alegre: [s.n]. Ano 12, n. 25, p.31-64, jan./jun. 2006.

LIMA, R. B. O Princípio da Participação em Gestão Ambiental: A fronteira entre gerir e gestar. In: VI Encontro da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica, 2001, Belém. Anais..., Belém: [s.n], 2001. p. 1–24.

LUIZA, A. L. Ecoturismo indígena. Quito – Equador: Abya -Yala, 2007.

MATTOS , F. F. Ecoturismo e inclusão social na RESE X Marinha do Delta da Parnaíba (MA/PI): tendências, expectativas e possibilidades. In: BARTHOLO, R.; SANSOLO, D. G.; BURSZTYN, I (Org). Turismo de base comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Brasília: Letra e imagem, 2009. p. 277–301.

MENESES , M. P. G.; NUNES J. A. E.; SANTOS , B.S. Para ampliar o cânone da ciência: a diversidade epistemológica do mundo. In: SANTOS , B. S (org). Semear outras soluções: os caminhos da biodiversidade e dos conhecimentos rivais. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. p. 357-391.

MTUR; AVT/IAP; NT/USP . Caminhos do futuro – ecoturismo. São Paulo: IPSIS , 2007.

PESSOA , M. A.; RABINOVICI, A. Inserção comunitária e as atividades de turismo. In: NEIMAN, Z.; RABINOVICI, A (Org). Turismo e meio ambiente no Brasil. Barueri, SP : Manole, 2010. p. 105 – 123.

PIRES, P. S. Dimensões do Ecoturismo. São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2002.

POLES, G.; RABINOVICI, A. O ambientalismo, o turismo e os dilemas do desenvolvimento sustentável. In: NEIMAN, Z.; RABINOVICI, A (Org). Turismo e meio ambiente no Brasil. Barueri, SP : Manole, 2010. p. 1–14.

ROBINSON, J. et al. Defining a sustainable society: values, principles and definitions. In: University of Waterloo. Alternatives: perspectives on society, technology and environmente. Waterloo, Ontario: University of Waterloo. v. 17:2.1990. p. 36-46

SACHS, I. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

SACHS, I. Estratégias de transição para o século XXI: desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Studio Nobel, 1993.

SALVATI , S. S. Planejamento do ecoturismo. In: MITRAUD, S. (Org). Manual de ecoturismo de base comunitária: ferramentas para um planejamento responsável. Brasília: WWF, 2003, p. 33-88.

SANSOLO, D. G. Centralismo e participação na proteção da natureza e desenvolvimento do turismo no Brasil. In: BARTHOLO, R.; SANSOLO, D. G.; BURSZTYN, I (Org). Turismo de base comunitária: diversidade de olhares e experiências brasileiras. Brasília: Letra e imagem, 2009. p. 122-141.

SEN, A. K. Desenvolvimento como liberdade. Tradução de Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 1999. Título original: Development as Freedom.

URRY, J. O olhar do turista: lazer e viagens nas sociedades contemporâneas. Tradução de Carlos Eugênio Marcondes de Moura. São Paulo: Studio Nobel, 2001. Título original: The Tourist Gaze: Leisure and travel in contemporary societies.

VEIGA, J. E. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

VIANNA, L. P. De invisíveis a protagonistas: comunidades tradicionais e unidades de conservação. São Paulo: Annablume; FAPESP , 2008.

WWF BRASIL. Manual de Ecoturismo de Base Comunitária: ferramentas para um planejamento responsável. Brasília: WWF Brasil, 2003.