Análise da oferta do turismo de aventura na Costa do Cacau / Bahia Outros Idiomas

ID:
8195
Resumo:
O objetivo desta pesquisa qualitativa foi verificar a oferta e o mercado do turismo de aventura na Costa do Cacau/Bahia. Foi utilizado uma entrevista semi estruturada, sendo a população alvo composta por 15 proprietários das agências (9 agências receptivas e 6 agências operadoras) que oferecem as atividades de aventura, nas cidades que compõem a Costa do Cacau/BA. Os dados coletados mostram que o trekking, o rafting, o arvorismo e os passeios de off-road são as atividades mais oferecidas pelas agências, enquanto o rafting e o arvorismo são aquelas mais procuradas pelos clientes que optam pelos seus serviços. Em relação à capacitação dos proprietários, bem como dos guias e monitores que auxiliam nas atividades, apenas as agências operadoras preocupam-se com tal fato, embora a periodicidade de participação em cursos e palestras, em geral, parece ser baixa. Quanto aos primeiros socorros, parecem ser poucas as agências bem preparadas caso haja a necessidade de se utilizá-los. Por fim, parece haver uma certa valorização da comunidade local, pelo fato de todas as agências operadoras utilizarem como mão de obra os indivíduos nascidos na própria cidade onde acontece as vivências.
Citação ABNT:
TAHARA, A. K.; CARNICELLI FILHO, S. Análise da oferta do turismo de aventura na Costa do Cacau / Bahia. Caderno Virtual de Turismo, v. 12, n. 2, p. 198-211, 2012.
Citação APA:
Tahara, A. K., & Carnicelli Filho, S. (2012). Análise da oferta do turismo de aventura na Costa do Cacau / Bahia. Caderno Virtual de Turismo, 12(2), 198-211.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8195/analise-da-oferta-do-turismo-de-aventura-na-costa-do-cacau---bahia/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BAHIA. SECRETARIA DA CULTURA E TURISMO . SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO . Roteiros Ecoturísticos da Bahia: Costa do Cacau. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo, 2000.

BARROS , M. I. A. Outdoor education: uma alternativa para a educação ambiental através do turismo de aventura. In: SERRA NO C. (Org.) A Educação pelas pedras: ecoturismo e educação ambiental. São Paulo: Chromos, 2000. p.85-110.

BORDENAVE, J. D.; PEREIRA, A. M. Estratégias de ensino-aprendizagem. Petrópolis: Vozes, 1991

COSTA , P. C. Ecoturismo. São Paulo: Aleph, 2002.

COTES, M.; MOREL, M. Ecoturismo e suas Potencialidades na Costa do Cacau. In: Anais do VII Encontro Nacional de Turismo com Base Local. Ilhéus: Editus, 2003.

DENCKER, A. F. M. Métodos e técnicas de pesquisa em turismo. 6 ed. São Paulo: Futura, 2002.

DUTRA, V. C.; SENNA, M. L. G. S.; FERREIRA, M. N.; ADORNO, L. F. M. Caracterização do perfil e da qualidade da experiência dos visitantes no Parque Estadual do Jalapão, Tocantins. Caderno Virtual de Turismo, Rio de Janeiro, v.8, n.1, p. 104-117, 2008. Disponível em: http://www.ivt.coppe.ufrj.br/ caderno/ojs/. Acesso em: 13 jun. 2012.

GUIA DA COSTA DO CACAU. Roteiros de Itacaré. Guia da Costa do Cacau. 1. ed., 2008.

IRVING, M. Turismo e ética: premissa de um novo paradigma. Arquivos Brasileiros de Psicologia. Rio de Janeiro, v.50, n.4, 1998. p.58-67.

LOMBARDO, M. A.; CASELLA, L. L. C. Turismo Ambiental: o caso de Bombinhas (SC). In: RODRIGUES , A. B. (Org.). Turismo e ambiente: reflexões e propostas. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 2002. p. 89-97.

MAMEDE, G. Agências, Viagens e Excursões: regras jurídicas, problemas e soluções. Barueri: Manole, 2003.

MIKHAILOVA, I.; MULBEIER, J. Ecoturismo em unidades de conservação: um estudo de caso do Parque Estadual do Turvo, Derrubadas – RS. Caderno Virtual de Turismo, Rio de Janeiro, v.8, n.3, p. 01-21, 2008. Disponível em: http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/ojs/. Acesso em: 25 mar. 2011.

MUNHOZ, J. F. Aspectos organizacionais e as atividades físicas de aventura na natureza. In: SCHWART Z, G. M. (Org.) Aventuras na Natureza: consolidando significados. Jundiaí: Fontoura, 2006. p.197-208.

PIMENTEL, G. G. A. Atuação Profissional em Recreação na Natureza. In: MARINHO, A.; UVINHA, R. R. (Org.) Lazer, Esporte, Turismo e Aventura: a natureza em foco. Campinas: Alínea, 2009. p. 169-197.

REVISTA AVENTURA E AÇÃO. 10 roteiros selecionados de Rafting. Revista Aventura e Ação, n.148, p.104-111, 2008.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

SCHWART Z, G. M.; CARNICE LLI FILHO, S. (Desin) Formação profissional e atividades de aventura: focalizando os guias de “Rafting”. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v.20, n.2, p.103-09, 2006.

SEABRA, L. Monitoramento participativo do turismo desejável: uma proposta metodológica preliminar. In: MARINHO, A.; BRUHNS, H. T. (Org.) Turismo, Lazer e Natureza. São Paulo: Manole, 2003. p.101129

SOUSA, F.R. O imaginário no rafting: uma busca pelos sentidos da aventura, do risco e da vertigem. 2004. 212f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 2004.

UVINHA, R. R. Tendências para o Turismo de Aventura no Cenário Nacional. In: UVINHA, R. R. (Org.) Turismo de Aventura: reflexões e tendências. São Paulo: Aleph, 2005. p. 269-300.

UVINHA, R. R. Turismo de Aventura: elementos para uma abordagem acadêmica e profissional. In: MARINHO, A.; UVINHA, R. R. (Org.) Lazer, Esporte, Turismo e Aventura: a natureza em foco. Campinas: Alínea, 2009. p. 245-264.