Modelo de ciclo de vida de empreendimentos sociais Outros Idiomas

ID:
8325
Resumo:
Este artigo apresenta um modelo de ciclo de vida de empreendimentos sociais. Os dados primários foram obtidos em entrevistas com fundadores de 10  empreendimentos sociais de Curitiba (PR) acerca da história de vida da organização. A análise qualitativa dos dados identificou cinco etapas de evolução (Ação Social, Associação, Visibilidade Social, Rede Social e Representatividade Social) com, respectivamente, seis momentos de crise que determinam a passagem para uma etapa posterior (Desequilíbrio Social, Identidade, Foco, Controle, Responsabilização e Ética). O estudo reafirma as diferenças entre o empreendedorismo social e o privado e justifica o tratamento diferenciado entre eles. O modelo pode subsidiar a decisão dos gestores sobre o futuro da organização, bem como de financiadores públicos e privados, gestores de redes sociais, pesquisadores, consultores, administradores públicos, entre outros stakeholders, e abre caminho para outros estudos sobre o tema.
Citação ABNT:
VASCONCELOS, A. M.; LEZANA, A. G. R. Modelo de ciclo de vida de empreendimentos sociais. Revista de Administração Pública, v. 46, n. 4, p. 1037-1058, 2012.
Citação APA:
Vasconcelos, A. M., & Lezana, A. G. R. (2012). Modelo de ciclo de vida de empreendimentos sociais. Revista de Administração Pública, 46(4), 1037-1058.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8325/modelo-de-ciclo-de-vida-de-empreendimentos-sociais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADIZES, Ichak. Gerenciando os ciclos de vida das organizações. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

ALBUQUERQUE, Antonio C.C. Terceiro setor: história e gestão de organizações. São Paulo: Summus, 2006.

ALVES-MAZZOTTI, Alda J.; GEWANDSZNAJDER, Fernando. O método das ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

ANISTIA INTERNACIONAL. s.d. Disponível em: . Acesso em: maio 2011.

ASHOKA–MCKINSEY. Empreendimentos sociais sustentáveis: como elaborar planos de negócios para organizações sociais. São Paulo: Petrópolis: 2001.

ASSUMPÇÃO, Jairo J.; CAMPOS, Lucila M.S. Avaliação de projetos sociais em ONGs da Grande Florianópolis: um estudo sobre modelos relacionados ao foco de atuação. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 45, p. 209-242, 2011.

AUSTIN, James et al. Social and commercial entrepreneurship: same, different, or both? Entrepreneurship Theory and Practice, v. 30, n. 1, p. 1-22, 2006.

BARROS, Aidil J.S.; LEHFELD, Neide A.S. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Makron, 2000.

BARUCH, Yehuda; RAMALHO, Nelson. Communalities and distinctions in the measurement of organizational performance and effectiveness across for-profit and nonprofit sectors. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly, v. 35, n. 1, p. 35-39, Mar. 2006.

BAUMAN, Zygmunt. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003.

BRICEÑO-LEÓN, Roberto. Quatro modelos de integração de técnicas qualitativas e quantitativas de investigação nas ciências sociais.In: GOLDENBERG, Paulete (Org.). O clássico e o novo: tendências, objetos e abordagens em ciências sociais e saúde. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2003.

BROCKINGTON, Dan; SCHOLFIELD, Katherine. The work of conservation organisations in subSaharan Africa. The Journal of Modern African Studies, v. 48, n. 1, p. 1-33, 2010.

BURNS, Thomas J.; LEMOYNE, Terri. Como os movimentos ambientalistas podem ser mais eficazes: priorizando temas ambientais no discurso político. Ambiente & Sociedade, v. 10, p. 61-82, 2007.

CARMAN, Joanne G. Nonprofits, Funders, and Evaluation. The American Review of Public Administration, v. 39, n. 4, p. 374-390, 2009.

CHURCHILL, Neil; LEWIS, Virginia. The five stages of small business growth. Harvard Business Review, v. 61, n. 3, p. 30-39, May/June 1983.

CNBB. Pastoral da Criança. O que fazemos. s.d. Disponível em: . Acesso em: maio 2011.

CVB. Cruz Vermelha Brasileira. Agenda pública. s.d. Disponível em: . Acesso em: maio 2011.

DEES, J. Gregory. Taking social entrepreneurship seriously. Society, v. 44, n. 3, p. 24-31, 2007.

DENZIN, Norman K.; LINCOLN, Yvonna. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

EGGER, Urs K. Work the Net: um guia de gerenciamento para redes formais. Rio de Janeiro: GTZ, 2007.

GRANOVETTER, Mark S. Getting a job: a study of contacts and careers. Chicago: University of Chicago Press, 1995.

GREENPEACE. Origens do Greenpeace. s.d. Disponível em: . Acesso em: maio 2011.

GREINER, Larry E. Evolução e revolução no desenvolvimento das organizações. Biblioteca Harvard de Administração de Empresas, n. 14, p. 3-11, 1975.

GUPTA, Yash P.; CHIN, David C.W. Organizational life cycle: a review and proposed directions for research. The Mid-Atlantic Journal of Business, v. 30, n. 3, p. 269-294, Dec. 1994.

HERVIEUX, Chantal; GEDAJLOVIC, Eric; TURCOTTE, Marie-France B. The legitimization of social entrepreneurship. Journal of Enterprising Communities, v. 4, n. 1, p. 37-67, 2010.

HISRICH, Robert D.; PETERS, Michael P. Empreendedorismo. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

HOROCHOVSKI, Rodrigo R. Associativismo civil e Estado: um estudo sobre organizações não governamentais (ONGs) e sua dependência de recursos públicos. EmTese, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 109-127, 2003.

HUNTER, Ian. Risk, persistence and focus: a life cycle of the entrepreneur. Australian Economic History Review, v. 45, n. 3, p. 244-272, Nov. 2005.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. As fundações privadas e associações sem fins lucrativos no Brasil. 7 ago. 2008. Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2009.

JAMES, Kim T.; ARROBA, Tanya. Reading and carrying: a framework for learning about emotion and emotionality in a organizational systems as a core aspect of leadership development. Management Learning, v. 36, n. 3, p. 299-316, Sept. 2005.

JOSÉ JUNIOR. Da favela para o mundo: a história do grupo cultural Afro Reggae. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

LAVALLE, Adrian G.; CASTELLO, Graziela. Sociedade, representação e a dupla face da accountability: Cidade do México e São Paulo. Cadernos. CRH, v. 21, n. 52, p. 67-86, abr. 2008.

LEZANA, Álvaro G.R.; TONELLI, Alessandra. O comportamento do empreendedor. In: DE MORI, Flavio (Org.). Empreender: identificando, avaliando e planejando um novo negócio. Florianópolis: Escola de Novos Empreendedores, 2004.

LI, Jun. Political strategy of Chinese private ventures: an organizational life cycle framework. International Journal of Entrepreneurship, v. 12, p. 107-124, 2008.

LINDNER, Leandro. Enong — Encontro Nacional de ONG-Aids: construção de sonhos e lutas. Curitiba: Domo, 2005.

LUGO MORIN, Diosey R. Reflexión teórica sobre la validez de los preceptos de acción social de Max Weber para el análisis del campesinado actual. Ambiente & Sociedade, v. VIII, n. 2, p. 29-36, jul./dez. 2005.

LUKSETICH, William. Government funding and nonprofit organizations. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly, v. 37, n. 3, p. 434-442, Sept. 2008.

MARCONI, Marina A.; LAKATOS, Eva M. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Atlas, 2001. v. 6.

MATIAS, Eduardo F.P. Estado soberano, globalização e o papel da sociedade civil transnacional. Conferência Internacional. Instituto Ethos. 42 slides, color. Microsoft PowerPoint 2006. Disponível em: . Acesso em: 14 dez. 2008.

MATTAR, João. Metodologia científica na era da informática. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

MILANI, Carlos R.S. O princípio da participação social na gestão de políticas públicas locais: uma análise de experiências latino-americanas e europeias. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 42, p. 551-579, 2008.

MORGAN, Gareth; SMIRCICH, Linda. The case for qualitative research. Academy of Management Review, v. 5, n. 4, p. 491-500, 1980.

MSF. Médicos Sem Fronteiras. s.d. Disponível em: . Acesso em: maio 2011.

NICHOLLS, Alex. The legitimacy of social entrepreneurship: reflexive isomorphism in a pre-paradigmatic field. Entrepreneurship: Theory and Practice, v. 34, n. 4, p. 611-633, 2010.

NORTHOUSE, Peter G. Leadership: theory and practice. Califórnia: Sage, 2004.

PARAMESHWAR, Sangeeta. Inventing higher purpose through suffering: the transformation of the transformational leader. The Leadership Quarterly, v. 17, p. 454-474, 2006.

PEREIRA, Breno A.D.; PEDROZO, Eugenio A. Contribuições à consolidação da teoria estratégica interorganizacional: uma análise dos relacionamentos horizontais.Revista de Administração Contemporânea, v. 9, n. 4, p. 141-161, out./dez. 2005.

PHELPS, Robert; ADAMS, Richard; BESSANT, John. Life cycles of growing organizations: a review with implications for knowledge and learning. International Journal of Management Reviews, v. 9, n. 1, p. 1-30, 2007.

ROCHA, Ana A.; FELDMANN, Fabio. A Mata Atlântica é aqui. E daí?: história e luta da Fundação

SCHUMPETER, Joseph A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SCOTT, Mel; BRUCE, Richard. Five stages of growth in small business. Long Range Planning, v. 20, n. 33, p. 45-52, June 1987.

SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SEVERINO, Antônio J. Metodologia do trabalho científico. 21. ed. rev. e ampl. São Paulo: Cortez, 2000.

SHARKEN SIMON, Judith; DONAVAN, Terence. The five stages of nonprofit organizations: where you are, where you’re going, and what to expect when you get there. Saint Paul: Amherst H. Wilder Foundation, 2004.

SHAW, Eleanor; CARTER, Sara. Social entrepreneurship: theoretical antecedents and empirical analysis of entrepreneurial processes and outcomes. Journal of Small Business and Enterprise Development, v. 14, n. 3, p. 418-434, 2007.

SILVA, Carlos E.G. Gestão, legislação e fontes de recursos no terceiro setor brasileiro: uma perspectiva histórica. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 44, p. 1301-1325, 2010.

SØRENSEN, Suna; LASSEN, Astrid H.; HINSON, Robert. Towards a conceptualization of entrepreneurship. Journal of Research in Marketing and Entrepreneurship, v. 9, n. 1, p. 89-101, 2007.

SOS Mata Atlântica. São Paulo: Terra Virgem, 2006.

STEVENS, Susan K. Nonprofit lifecycles: stage-based wisdom for nonprofit capacity. Long Lake: Stagewise Enterprises, 2002.

TYSZLER, Marcelo. Mudança social: uma arte? Empreendimentos sociais que utilizam a arte como forma de mudança. Revista de Administração Pública, v. 41, p. 1017-1034, 2007.

VOLTOLINI, Ricardo. Terceiro setor: planejamento e gestão. São Paulo: Senac, 2004.

ZAHRA, Shaker A. et al. A typology of social entrepreneurs: motives, search processes and ethical challenges. Journal of Business Venturing, v. 24, n. 5, p. 519-532, Sept. 2009.