A evolução da contabilidade pública em Portugal até o século XVIII Outros Idiomas

ID:
8386
Resumo:
É indiscutível que o conhecimento do passado da Contabilidade contribui para a melhor percepção da Contabilidade de hoje e de amanhã; daí a importância que os estudos históricos assumem em todas as disciplinas técnicas ou científicas, incluindo, obviamente, a Contabilidade. Com efeito, é nesta procura pelo conhecimento do passado que este artigo se insere, mais concretamente no estudo da evolução preconizada pela Contabilidade pública portuguesa, desde o século XII ao XVIII. As principais ilações a que se chega dão conta de que nos primórdios de Portugal a Contabilidade pública praticada era extremamente simples, notando-se que a sua principal preocupação era servir de base para a fiscalização das finanças públicas, sem esquecer, igualmente, que a contabilidade porpartidas dobradas apenas foi introduzida no setor público em 1761, muito depois de este método ter sido difundido pela Europa.
Citação ABNT:
LIRA, M. C.A evolução da contabilidade pública em Portugal até o século XVIII. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 14, n. 3, p. 34-45, 2011.
Citação APA:
Lira, M. C.(2011). A evolução da contabilidade pública em Portugal até o século XVIII. Contabilidade, Gestão e Governança, 14(3), 34-45.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8386/a-evolucao-da-contabilidade-publica-em-portugal-ate-o-seculo-xviii/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Caiado, A. P. (1997). Aspectos del sistema de control interno en las finanzas publicas de Portugal (1761-1832). Anais del Congreso de la Asociación Española de Contabilidad y Administración de Empresas, Salamanca, Spain,9.

Carnegie, G. (2005, julho). O passado da Contabilidade em Portugal. Revista Contabilidade e Gestão, 1.

Estevens, M. (2000). Das origens do comércio em Portugal à obrigatoriedade de utilização do método das partidas dobradas. Anais do Congreso de Contabilidade e Auditoria: a Contabilidade na viragem do milénio, Aveiro, Portugal, 8.

Franco, A.S.[et al.] (1993). Origem e evolução do Tribunal de Contas. Lisboa: Tribunal de Contas.

Franco, A. S., & Paixão, J. C. (1995). Magistrados, dirigentes e contadores do Tribunal de Contas e das instituições que o precederam. Lisboa: Tribunal de Contas.

Gomes, D. R. (2000). A evolução dos registos contabilísticos e a aplicação da partida dobrada em Portugal. Dissertação de Mestrado em Contabilidade e Auditoria, Universidade do Minho, Braga.

Gonçalves da Silva, F. V. (1995, abril). Bosquejo duma sucinta histórica da Contabilidade em Portugal. Luca Pacioli: Colectânea de artigos publicados na Revista de Contabilidade e Comércio – Anexo da Revista de Contabilidade e Comércio, LII(205).

Marques, M. C. (2000, março-abril). A evolução do pensamento contabilístico nos séculos XV a XIX. Jornal do Técnico de Contas e da Empresa, 414/415.

Moreira, A. L. (1977). Inventário do Fundo Geral do Erário Régio. Lisboa: Arquivo do Tribunal de Contas.

Paixão, J. C. (1996, julho-dezembro). O controle das contas públicas – Um passado, uma história. Revista do Tribunal de Contas, 26.

Paixão, J. C. Lourenço, A. (1994). Contos do Reino e da Casa. Lisboa: Tribunal de Contas.

Rodrigues, B. (2000, agosto). Carta de Lei de 22 de Dezembro de 1761 sobre a extinção dos Contos e a criação do Real Erário. Revista de Contabilidade e Comércio, LVII(226).

Rodrigues, B. (2002, fevereiro). A Contabilidade pública em Portugal: Origens (Breve resumo). Jornal de Contabilidade, 299.

(s/d). Dicionário de História de Portugal. Direcção de Joel Serrão. Livraria Figueirinha. Porto.

(s/d). Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. Editorial Enciclopédia, Limitada. Lisboa e Rio de Janeiro.

Tomaz, F. (1988). As finanças do Estado Pombalino (1762-1776). Estudos e ensaios em homenagem a Vitorino Magalhães Godinho. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora.