Conselhos Gestores de Políticas Públicas: potenciais espaços para a coprodução dos serviços públicos Outros Idiomas

ID:
8387
Resumo:
A institucionalização dos Conselhos, como espaços públicos de participação, discussão e deliberação, no âmbito das políticas públicas, torna-se relevante nos processos de democratização da gestão das políticas públicas e de controle da sociedade sobre os governos. Esse ensaio teórico pretende argumentar que os Conselhos Gestores de Políticas, apesar de limitações e desafios, podem ser espaços de encontro entre a sociedade e o Estado, ou seja, espaços para a coprodução dos serviços públicos. A coprodução do bem público é um conceito desenvolvido no final da década de setenta. Refere-se à produção de forma conjunta (sociedade, Estado e setor privado) de certo bem ou serviço que seja de interesse público. Os componentes principais da coprodução são a descentralização e a interação entre Estado e a sociedade civil em um processo de ressignificação da esfera pública. Assim, os processos de coprodução dentro dos Conselhos podem reafirmar os valores da democracia, da cidadania e do interesse público ao colocar ênfase na participação ativa, ação conjunta e inclusão dos cidadãos na comunidade política. Ao gerar espaços públicos de participação, debate e controle, os Conselhos tornam-se um espaço potencialmente fértil para os processos de coprodução dos serviços públicos.
Citação ABNT:
RONCONI, L. F. A.; DEBETIR, E.; MATTIA, C. Conselhos Gestores de Políticas Públicas: potenciais espaços para a coprodução dos serviços públicos. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 14, n. 3, p. 46-59, 2011.
Citação APA:
Ronconi, L. F. A., Debetir, E., & Mattia, C. (2011). Conselhos Gestores de Políticas Públicas: potenciais espaços para a coprodução dos serviços públicos. Contabilidade, Gestão e Governança, 14(3), 46-59.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8387/conselhos-gestores-de-politicas-publicas--potenciais-espacos-para-a-coproducao-dos-servicos-publicos/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abers, R., & Keck, M. (2008). Representando a diversidade: Estado, sociedade e “relações fecundas” nos Conselhos Gestores. Caderno CRH, 21(52), 99-112.

Avritzer, L. (2007). Sociedade civil, instituições participativas e representação: da autorização à legitimidade da ação. DADOS Revista de Ciências Sociais, (3). 443-464.

Baquero, M. (2003). Construindo uma outra sociedade: o capital social na estruturação de uma cultura política participativa no Brasil. Revista de Sociologia Política, (21), 83-108.

Bava, S. C. (2000). O terceiro setor e os desafios do Estado de São Paulo para o século XXI. Cadernos ABONG. ONGs identidade e desafios atuais, 41-86.

Bonfim, R. (2000). Sistematização 1. A atuação dos movimentos sociais na implantação e consolidação de políticas públicas. In M. C. A. A Carvalho, & A. C Teixeira (Eds.). Conselhos gestores de políticas públicas. (pp. 63-67).

Comentário 18: SERVA, Maurício. (1997 abr./ jun.) A racionalidade substantiva demonstrada na prática. Revista de Administração de Empresas, 37(2), p. 18-30.

Comentário 19: FRANCO, Augusto de. (1999). A participação do poder local em processos de desenvolvimento local integrado e sustentável. In: RICO, Elizabeth de Melo; RAICHELIS, Raquel (orgs.). Gestão social: uma questão em debate. São Paulo: EDUC; IEE.

COMUNIDADE SOLIDÁRIA. IBAM Instituto Brasileiro de Administração Municipal/IPEAInstituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (1997). Conselhos municipais e políticas sociais. São Paulo: IBAM/IPEA.

Côrtes S. V. (2007). Viabilizando a participação em conselhos de política pública municipais: arcabouço institucional, organização o movimento popular e policy communities. In G. Hochman, M. Arretche, & E. Marques (Eds.). Políticas públicas no Brasil (p. 125-143). Rio de Janeiro: FIOCRUZ.

Cortes, S. M. V. (2005). Arcabouço histórico-institucional e a conformação de conselhos municipais de políticas públicas. Educar, 25, 143-174.

Crantschaninov, T. I. (2010). Representação e democracia em conselhos de políticas públicas: o caso da educação em São Bernardo do Campo. Monografia (Gestão de Políticas Públicas). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Cruz, M. C. M. (2000). Desafios para o funcionamento eficaz dos conselhos. In M. C. A. A Carvalho, & A. C Teixeira (Ed.). Conselhos gestores de políticas públicas. (p. 73-77). São Paulo: Pólis. (Publicações Pólis, 37).

Dagnino, E., Olvera, A., & Panfichi, A. (2006). A disputa pela construção democrática na América Latina. São Paulo: Paz e Terra.

Damiani, M. S. (2009). O papel das associações de bairro na coprodução do bem público: estudo de caso na Associação de Moradores da Serrinha – Florianópolis/SC. Trabalho de Conclusão de Curso de Administração Pública, ESAG/ UDESC, Florianópolis, SC, Brasil.

Denhardt R. B., & Denhardt, J. V. (2003). The New Public Service: serving rather than steering. Public Administration Review, 60(6), 549-559.

Denhardt, J.V, & Denhardt, R. B. (2002). The New Public Service: serving, not steering. London, England: M.E. Sharpe.

Farah, M. F. S. (2001). Parcerias, novos arranjos institucionais e políticas públicas no nível local de governo. Revista de Administração Pública, 35(1), 119-144.

Fleury, S. (2006). Democracia com exclusão e desigualdade: a difícil equação. Recuperado de www. ebape.fgv.br/pp/peep.

Franco, A. (1999). A participação do poder local em processos de desenvolvimento local integrado e sustentável. In: A. Franco (Eds.). Gestão social uma questão em debate. (p.175-207). EDUC: São Paulo.

Frischeisen, L. C. (2000). O Ministério Público como garantia da efetividade dos conselhos. In M. C. A. A Carvalho, & A. C Teixeira (Eds.). Conselhos gestores de políticas públicas. (p. 78-82). São Paulo: Pólis. (Publicações Pólis, 37).

Gohn, M. G. (2000). Os Conselhos de educação e a reforma do Estado. In M. C. A. A Carvalho, & A. C Teixeira (Eds.). Conselhos gestores de políticas públicas. (p. 35-40). São Paulo: Pólis. (Publicações Pólis, 37).

Gomes, A. L. (2000). Histórico da política social no Brasil. In M. C. A. A. Carvalho, & A. C Teixeira (Eds.). Conselhos gestores de políticas públicas. (p. 24-29). São Paulo: Pólis. (Publicações Pólis, 37).

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2009). Pesquisa de Informações Básicas Municipais: perfil dos municípios brasileiros 2009. Recuperado de http://www.ibge.gov.br/home/ estatistica/economia.

LABRA, M. E.; FIGUEIREDO, J. (2002). Associativismo, participação e cultura cívica. O potencial dos conselhos de saúde. Ciência e Saúde Coletiva, 7(3), p. 537-547

Luchmann, L. H. H. (2002a). Possibilidades e limites da democracia deliberativa: a experiência do orçamento participativo de Porto Alegre. Tese de doutorado em Ciência Política, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

Luchmann, L. H. H. (2002b, jul-dez). Os Conselhos gestores de políticas públicas: desafios do desenho institucional. Revista de Ciências Sociais Unisinos, 161, p. 43-79.

Luchmann, L. H. H. (2002c). A democracia deliberativa: sociedade civil, esfera pública e institucionalidade. Cadernos de Pesquisa, 33.

Luchmann, L. H. H. (2006, jan-abril) Os sentidos e desafios da participação. Revista de Ciências Sociais Unisinos, 42, p. 19-26.

Lüchmann, L. H. H. (2007). A representação no interior das experiências de participação. Lua Nova, (70), p. 139-170.

Lüchmann, L. H. H. (2008, Jan./Abr.). Participação e representação nos Conselhos Gestores e no Orçamento Participativo. Caderno CRH, 21(52), p. 87-97.

Marschall, M. (2004). Citizen participation and the neighborhood context: a new look at the coproduction of local public goods. Political Research Quartely, 57(2), p. 231-244.

Matos, D. F. (2007). Os Conselhos municipais no contexto do federalismo brasileiro sob a perspectiva da “pesquisa de informações básicas municipais”. Dissertação de Mestrado, Escola Nacional de Ciências Estatísticas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Menegasso, M. E. (2006). Coprodução: conceituação. Texto para fins didáticos.

Nadir Júnior, A. M., Salm, J. F., & Menegasso, M. E. (2007). Estratégias e ações para a implementação do ICMS ecológico por meio da coprodução do bem público. Revista de Negócios, 12(3), p. 62-73. Recuperado de http://tinyurl. com/icmsecologico.

Nogueira, M. A. (2004). Um Estado para a sociedade civil. São Paulo: Cortez.

Nogueira, V. M. R. (2001). Assimetrias e tendências da seguridade social brasileira. Revista Serviço Social e Sociedade, 65, p. 95-123.

Olival, A. A., Spexoto, A. A., & Rodrigues, J. A. (2007). Participação e cultura política: os Conselhos municipais de desenvolvimento rural sustentável no território Portal da Amazônia. Revista de Economia e Sociologia Rural, 45(4). Recuperado de http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S0103 -20032007000400009&lng=pt&nrm=iso.

Oliveira, F. (2000). Brasil, da pobreza da inflação para a inflação da pobreza. Cadernos ABONG. ONGs identidade e desafios atuais. São Paulo: Autores Associados, 27, p. 29-40.

Paula, A. P. P. (2005). Por uma nova gestão pública: limites e potencialidades da experiência contemporânea. Rio de Janeiro: FGV.

PAZ, Rosangela. (2003). A representação da sociedade civil nos Conselhos de Assistência So cial. Conselhos gestores de políticas públicas. 37(11), p. 58-62. São Paulo: Pólis.

Polis. Brudney, J. L., & England, R. E. (1983). Toward a definition of the coproduction concept. Public Administration Review, 43(1), 59-65.

Politeia, Grupo de Pesquisa (2006). Glossário de conceitos. Recuperado de http://www.politeia. udesc.br.

Presoto, L. H., & Westphal, M. F. (2005). A participação social na atuação dos conselhos municipais de Bertioga SP. Saúde e Sociedade, 14(1), p. 68-77.

Raichelis, R. (1988). 10 anos depois da Constituição Cidadã. Revista Inscrita, 3, Conselho Federal de Serviço Social.

Raichelis, R. (2000). Esfera pública e conselhos de assistência social: caminhos da construção democrática. São Paulo: Cortez.

Ronconi, L. F. A. (2003). Gestão social e economia solidária: desafios para o serviço social. Dissertação de Mestrado em Serviço Social. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Ronconi, L. F. A. (2008). A Secretaria Nacional de Economia Solidária: uma experiência de governança pública. Tese de doutorado em Sociologia Política. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Ronconi, L. F. A. (2010). Governança pública: um desafio à democracia. Seminário Internacional Movimentos sociais, participação e democracia, I. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Salm, J. F., & Menegasso, M. E. (2009, set./dez.). Os modelos de administração pública como estratégias complementares para a co-produção do bem público. Revista de Ciências da Administração, 25(II), p. 97-120.

Salm, J. F., Ribeiro, R. M., & Menegasso, M. E. (2007). Co-produção do bem público e o desenvolvimento da cidadania: o caso do Proerd em Santa Catarina. Alcance, 14(2), p. 231-24. Recuperado de http://tinyurl.com/proerd.

Santos, N. R. (2000). Implantação e funcionamento dos conselhos de saúde no Brasil. In M. C. A. A. Carvalho, & A. C. Teixeira (Eds.). Conselhos gestores de políticas públicas. (p. 15-21). São Paulo: Pólis. (Publicações Pólis, 37).

TATAGIBA, L. (2002). Os Conselhos Gestores e a Democratização das Políticas Públicas no Brasil. IN: DAGNINO, E. (org.) Sociedade Civil e Espaços Públicos no Brasil. São Paulo: Paz e Terra.

TEIXEIRA, E.C. (2000). Conselhos de Políticas Públicas: Efetivamente uma nova institucionalidade participativa? In: CARVALHO, M.C.A.A.; TEIXEIRA, A.C.C. (orgs.) Conselhos Gestores de Políticas Públicas. (p. 99-119). São Paulo: Pólis. (Publicações Pólis 37)

Teixeira, L. H. G. (2004). Conselhos municipais de educação: autonomia e democratização do ensino. Cadernos de Pesquisa, 34 (123), 691-708. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S0100 -15742004000300009&lng=pt&nrm=iso

Tombi, W. C., Salm, J. F., & Menegasso, M. E. (2006). Responsabilidade social, voluntariado e comunidade: estratégias convergentes para um ambiente de co-produção do bem público. Organizações & Sociedade, 13(37). Recuperado de http://tinyurl.com/nvax9s.

Whitaker, G. P. (1980). Co-production: citizen participation in service delivery. Public Administration Review, 40(1), p. 240-246.

Witt, F. (2007). Estratégias para co-produção do bem público em rede: estudo nas organizações sociais que se dedicam ao meio ambiente no âmbito da Secretaria Regional de Joinville-SC. Dissertação de Mestrado em Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.