Evidenciação de riscos e captação de recursos no mercado de capitais: um estudo do setor de energia elétrica Outros Idiomas

ID:
8397
Resumo:
Este estudo tem como objetivo investigar se as empresas brasileiras com ações negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo – BOVESPA - evidenciam satisfatoriamente os riscos importantes para a decisão dos investidores, no momento em que lançam ofertas de títulos no mercado de capitais brasileiro. A pesquisa caracteriza-se como descritiva e documental, com abordagem qualitativa. A população é constituída pelas empresas brasileiras que captam recursos no mercado de capitais e a amostra intencional é formada por 14 empresas de energia elétrica que fizeram ofertas públicas de valores na BOVESPA durante o ano de 2006. O desenvolvimento da pesquisa passou pela análise dos prospectos, classificação das informações ali contidas e pelo estabelecimento de padrões que permitissem a avaliação das informações divulgadas e a elaboração de um ranking das empresas analisadas. Verifica-se que os prospectos não contêm informações que permitam a percepção plena da gravidade dos riscos existentes e dos mecanismos de controle utilizados na sua gestão. Conclui-se que, embora algumas empresas tenham atingido melhores graus de satisfação na evidenciação de seus riscos, o nível de evidenciação geral atual ainda admite melhorias em termos de satisfação das necessidades de informação dos investidores.
Citação ABNT:
FERNANDES, F. C.; SOUZA, J. A. L.; FARIA, A. C. Evidenciação de riscos e captação de recursos no mercado de capitais: um estudo do setor de energia elétrica. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 13, n. 1, p. 59-73, 2010.
Citação APA:
Fernandes, F. C., Souza, J. A. L., & Faria, A. C. (2010). Evidenciação de riscos e captação de recursos no mercado de capitais: um estudo do setor de energia elétrica. Contabilidade, Gestão e Governança, 13(1), 59-73.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8397/evidenciacao-de-riscos-e-captacao-de-recursos-no-mercado-de-capitais--um-estudo-do-setor-de-energia-eletrica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
_____. (2002).Controladoria De Risco-retorno em Instituições Financeiras. São Paulo: Saraiva, 2002.

ANBID – Associação Nacional dos Bancos de Investimento. Código ANBID de Regulação e Melhores Práticas de Ofertas Públicas de Distribuição e Aquisição de Valores Mobiliários. Disponível em: http://www.anbid.com.br/regulacao_downloads/regulacao/ofertas_publicas/codigo_ oferta.pdf Acesso em 16/12/2009.

Baraldi, P. (2004). Gerenciamento de riscos. Rio de Janeiro: Elsevier.

Bardin, L. (2008). Análise de Conteúdo (6. ed). Lisboa: Edições 70.

Bergamini Júnior, S. (2005). Controles Internos como um Instrumento de Governança Corporativa. Revista do BNDES. Rio de Janeiro(12) 24.

Bernstein, P. L. (1997). Desafio aos Deuses: A fascinante história do risco. São Paulo: Campus.

Brito, O. S. de. (2000). Contribuição ao Estudo de modelo de controladoria de risco-retorno em bancos de atacado. (Doctoral dissertation em Controladoria e Contabilidade) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

CARVALHO, L. G. Uma contribuição à auditoria do risco de derivativos. Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade). – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, 1996.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Recomendações da CVM sobre governança corporativa. Disponível em: . Acesso em: 28/07/2009.

COSO Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission. Gerenciamento de Riscos Corporativos – Estrutura Integrada. Disponível em: . Acesso em 30/10/2009.

CROUHY, M; GALAI, D; MARK, D. Essentials of Risk Management. McGraw-Hill Professional, 2005.

DEDMAN, E. The Cadbury Committee Recommendations on Corporate Governance: a Review of Compliance and Performance Impacts. International Journal of Management Reviews. v. 4, pp. 335-352, December 2002.

DUARTE JÚNIOR, A. M. Riscos: Definições, tipos, medição e recomendações para seu gerenciamento. Gestão de risco e Derivativos. São Paulo: Atlas, 2001.

FARREL, J. Internal controls and managing enterprise wide-risks. The CPA Journal. The New York, v. 74, n.8, p.11-12, Aug, 2004.

_____. Gestão de Riscos Uma Abordagem Orientada a Riscos Operacionais. São Paulo: Saraiva.

GITMAN, L. J. Princípios de administração financeira. 10a. Ed. São Paulo: Harbra, 2004.

GOULART, A. M. C. Evidenciação contábil do risco de mercado por Instituições financeiras no Brasil. Dissertação (Mestrado de Contabilidade). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

HOJI, M. Administração financeira: uma abordagem prática. 3a. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa. 4ª. Ed. Disponível em: Acesso em 17/12/2009.

_____. Instrução Normativa nº 400/2003. Dispõe sobre as ofertas públicas de distribuição de valores mobiliários, nos mercados primário ou secundário. Disponível em: . Acesso em 30/08/2009.

_____. Instrução Normativa nº 429/2006. Institui o registro automático de ofertas públicas de distribuição de valores mobiliários nas hipóteses que especifica, e altera as Instruções 400/03 e 155/91. Disponível em: . Acesso em 30/08/2009.

JORION, P. Value at risk: The New Benchmark for Managing Financial Risk. 3a. Ed. McGrawHill Professional, 2006.

LANZANA, A. P. Relação entre Disclosure e Go vernança Corporativa das Empresas Brasileiras. São Paulo. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, 2004.

MARRISON, C. I. The Fundamentals of Risk Measurement. McGraw-Hill Professional, 2002.

MARSHALL, C. L. Medindo e Gerenciando Riscos Operacionais em Instituições Financeiras. São Paulo: Qualitymark, 2002.

MARTIN, N.C.; SANTOS, L.R.; DIAS FILHO, J.M. Governança Empresarial, Riscos e Controles Internos: A Emergência de um Novo Modelo de Controladoria. Revista Contabilidade & Finanças. v. 34, p. 7-22, São Paulo, janeiro/abril 2004.

MEDEIROS, L. Previsão do preço spot no mercado de energia elétrica. 2003. Tese (Doutorado em Engenharia Elétrica). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

MORAES, J. C. F. Análise da eficácia da disseminação de conhecimentos sobre controles internos após sua implementação no Banco do Brasil. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). UFSC, Florianópolis, 2003.

PAULO, W. L. et al. Riscos e controles internos: Uma metodologia de mensuração de controle de riscos empresariais. Revista Contabilidade & Finanças. São Paulo: n. 43, p. 49 60, Jan./ Abr. 2007.

PENHA, J. C.; PARISI, C. Um caminho para integrar a gestão de riscos à Controladoria. Anais... In: XIII Congresso Internacional de Custos. São Leopoldo, 2005.

QUINTEIRO, L. G. L. A relação entre a evidenciação de informações contábeis e a volatilidade dos retornos das ações no Brasil. Anais... In: XXXIX Asamblea Anual CLADEA, 2004, Puerto Plata.

SILVA, E. C. Governança corporativa nas empresas. São Paulo: Atlas, 2006.

SILVEIRA, A. M. Governança corporativa: desempenho e valor da empresa no Brasil. São Paulo: Saint Paul, 2005.

SPIRA, L. F.; PAGE, M. Risk management: The reinvention of internal control and the changing role of internal audit. Accounting, Auditing and Accountability Journal, v. 16, n. 4, p. 640661, 2003.

STUCHI, L. G. Quantificação de risco de crédito: uma aplicação do modelo creditriski+ para financiamento de atividades rurais e agroindustriais. Dissertação (Mestrado em Ciências – Economia Aplicada). USP/ESALQ, Piracicaba, 2004.

VASCONCELLOS, P. C. Governança corporativa diz respeito à criação de valor. Revista RI Relações com Investidores. Junho, nº 52, 2002.

ZONATTO, V. C. S.; BEUREN, I. M. Categorias de Riscos Evidenciadas nos Relatórios da Administração das Empresas Brasileiras com ADR’s. Revista Brasileira de Gestão de Negócios. v. 12, no. 35, p. 141-155, abr-jun, 2010.