Panopticon acadêmico Outros Idiomas

ID:
840
Resumo:
Esse ensaio objetiva caracterizar o sistema acadêmico de publicações em administração no Brasil com base no construto panopticon. O conceito de panopticon foi proposto no século XVIII como um modelo arquitetônico para abrigar internos, sejam detentos, enfermos ou alunos e foi reutilizado por Foucault (1975) e Markus (1993) para tipificar contemporâneas formas de dominação. No trabalho é primeiramente analisada a evolução histórica do conceito de panopticon, e sua eficácia como mecanismo de dominação; em seguida, busca-se a contextualização crítica do panopticism na sociedade contemporânea, discutindo as razões favoráveis e desfavoráveis à manutenção do construto; e, por fim, são tecidas as relações de semelhança entre o panopticon e o sistema de publicações acadêmicas em administração no Brasil. O construto proposto é composto de quatro dimensões: a capacidade do sistema observar todos; o fato do observado saber que pode estar sendo monitorado; a onisciência do sistema; e o não-confinamento. Por meio das similaridades, complementaridades e divergências em relação ao construto original, a proposição de um panopticon acadêmico permitiu a reflexão crítica sobre a práxis acadêmica de publicação atrelada à lógica de pressão e controle.
Citação ABNT:
XAVIER, W. G.; GODOI, C. K. Panopticon acadêmico. Revista Gestão & Planejamento, v. 11, n. 1, art. 6, p. 91-103, 2010.
Citação APA:
Xavier, W. G., & Godoi, C. K. (2010). Panopticon acadêmico. Revista Gestão & Planejamento, 11(1), 91-103.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/840/panopticon-academico/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ACEDO, F. J.; BARROSO, C.; GALAN, J. L. The resource-based theory: dissemination and main trends. Strategic Management Journal, v. 27, n. 7, 2006.

BAUMAN, Z. Globalização: as conseqüências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1999.

BAUMAN, Z. Modernidade e ambivalência. Rio de Janeiro: Jorge Jahar, 1999.

BENTHAM, J. The Panopticon Writings, ed. and intro. Miran Bozovic, London: Verso, 1995.

BOGARD, W. The Simulation of Surveillance, Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

BOYNE, R. Post-Panopticism. Economy & Society, v. 29, n. 2, p. 285-307, 2000.

BRIGNALL III, T. The New Panopticon: The Internet Viewed as a Structure of Social Control Theory & Science, ISSN: 1527-5558, 2002. Disponível em: . Acesso em 15 nov.2008. 2002.

BURRELL, G. Modernism, postmodernism and organizational analysis 2: the contribution of Michael Foucault. Organization Studies, v. 9, p. 221-235, 1988.

CHALUMEAU, J. La Pensée em France: de Sartre à Foucault. Paris: Alliance Française, 1974.

FOUCAULT, M. Surveiller et punir. Paris: Gallimard, 1975.

GIDDENS, A. Surveillance and the capitalist state. A Contemporary Critique of Historical Materialism, London: Macmillan, p. 169 - 176, 1981.

KOBASHI, N. Y.; SANTOS, R. N. M. Institucionalização da pesquisa científica o Brasil: cartografia temática e de redes sociais por meio de técnicas bibliométricas. Transinformação, v. 18, n. 1, p. 27-36, 2006.

LATOUR, B. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

LATOUR, B. Reflexões Sobre o Culto Moderno dos Deuses Fe(i)tiches. Bauru, SP: EDUSC, 2002.

LEUNG, K. The Glory and tyranny of citation impact: an East Asian perspective. Academy of Management Journal, v. 50, n. 3, p. 510-513, 2007.

MARKUS, T. A. Buildings and Power, London: Routledge, 1993.

MATHIESEN, T. The viewer society. Theoretical Criminology, v. 1, n. 2, p. 215-234, 1997.

MATTOS, P. L. C. L. Nós e os índices – a propósito da pressão institucional por publicação. Revista de Administração de Empresas, v. 48, n. 2, p. 144-149, abr/jun. 2008.

MCKINLAY, A.; TAYLOR, P. Through the looking glass: Foucault and the politics of production. In: A. McKinlay and K. Starkey (eds) Foucault, Management and Organization Theory, London: Sage, 1998.

ORWELL, G. Nineteen Eighty-Four. London: Secker and Warburg, 1949.

ROSA, A. R. Nós e os índices – um outro olhar sobre a pressão institucional por publicação. Revista de Administração de Empresas, v. 48, n. 4, p. 108-114, out/dez, 2008.

SARTRE, J. A República do Silêncio Les Lettres Françaises, 09/set/1944. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2009. 1944