Projeto de Pesquisa-Extensão: por uma estratégia de intervenção social a partir dos estudos clínicos da Sociologia da Ação Organizacional Outros Idiomas

ID:
8476
Resumo:
Recentemente o Brasil tem se destacado nos rankings internacionais no tocante à produção de conhecimento. Todavia, os processos correlatos de sua difusão e assimilação pela sociedade ainda são precários. Considerando seu modo de produção e transferência, ancorados na matriz positivista, como um dos fatores perpetuadores desse gargalo, visa-se aqui apresentar uma alternativa viável a partir da releitura das contribuições metodológicas da Escola Francesa de Sociologia das Organizações (EFSO). Após a introdução e caracterização do panorama atual, apresento as principais características da proposta metodológica da EFSO. Sua principal contribuição é a forma de produção de conhecimento concomitante com o processo e intervenção social, via sua difusão e assimilação local durante o processo, fundado no tripé: pesquisa-restituição-intervenção. Ao final, sugiro a realização de pesquisas radicadas nessa abordagem, como forma de produzir e efetivamente transferir o conhecimento, transcendendo as limitações atuais. Adicionalmente, evidencio as limitações desta abordagem e possíveis caminhos para sua superação.
Citação ABNT:
PIMENTEL, T. D.Projeto de Pesquisa-Extensão: por uma estratégia de intervenção social a partir dos estudos clínicos da Sociologia da Ação Organizacional. Administração Pública e Gestão Social, v. 4, n. 1, p. 100-124, 2012.
Citação APA:
Pimentel, T. D.(2012). Projeto de Pesquisa-Extensão: por uma estratégia de intervenção social a partir dos estudos clínicos da Sociologia da Ação Organizacional. Administração Pública e Gestão Social, 4(1), 100-124.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8476/projeto-de-pesquisa-extensao--por-uma-estrategia-de-intervencao-social-a-partir-dos-estudos-clinicos-da-sociologia-da-acao-organizacional/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AKTOUF, O. Méthodologie des sciences sociales et approche qualitative des organisations: une introduction à la démarche classique et une critique. Montréal: Les Presses de l'Université du Québec, 1987, 213 pp.

BBC/BRASIL. Produção científica do Brasil ultrapassa a da Rússia, indica levantamento. Caderno Ciência. Atualizado em 27 de janeiro, 2010 09:12 (Brasília). Disponível em: . Acesso: 15 fevereiro 2012.

CASTRO, F. de. Produção científica brasileira é a 15ª no mundo. Agência FAPESP 11/07/2007. Disponível em: . Acesso: 15 fevereiro 2012.

COSTAL. I. Descompasso entre produção científica brasileira e registro de patentes ainda é grande. [atualizado em 17 de agosto de 2011 ás 23:49 .]. Disponível em: . Acesso: 15 fevereiro 2012.

DAVID, A. Logique, épistémologie et méthodologie en sciences de gestion. Université Paris-Dauphine. (DMSP, LAMSADE). Ecole des Mines de Paris (CGS). Conférence de l’AIMS, 1999, p.1-23.

FREYRE, G. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 51. ed., rev. São Paulo: Global, 2006. 727 p.

FRIEDBERG, E. L’approache organisationelle comme outil: les implications pour la recherche et pour l’action. pp.288-384. In: FRIEDBERG, E. Le Pouvoir et la Règle: dynamiques de l’action organisée. Paris: Editions du Seuil, 1993. 405p.

GOIS, A. Produção científica cresce 56% no Brasil. FOLHA.COM. 06/05/2009 08h07. Disponível em: . Acesso: 15 fevereiro 2012.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. 9. ed., 1a. reimpressão. São Paulo: Perspectiva, 2006. 260 p.

KUHN, T. S. The structure of scientific revolutions. Chicago: University of Chicago, 1962. 172p.

LACOSTE, Y. A Geografia – Isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra . (Tradução Maria Cecília França). 14ª Ed., 2008. Campinas (SP): Papirus, 1988.

MALDONADO, J. A. S. Aplicación del Modelo de Análisis Estratégico de Michel Crozier Y Erhard Friedberg a una Organización de Educación Superior (OES). Revista de Investigación Administración Contemporánea. vol. 2, n. 10, enero de 2009. Facultad de Contaduría y Administración. Universidad Autónoma de Campeche. Disponível em: . Acesso em: 13 fevereiro 2012.

MOSÉ, V. Educação. CPFL cultura. Palestra de Viviane Mosé no programa Café Filosófico CPFL gravada no dia 4 de setembro, em Campinas. Publicado em: 22/10/2009 às 19:45:17. Disponível em: . Acesso: 15 fevereiro 2012.

NAGEL, E. Filosofia da ciência. São Paulo: 1967. 258p.

O GLOBO. Aumento da produção científica brasileira não se reflete em maior número de patentes, diz estudo. S/D. Disponível em: . Acesso: 15 fevereiro 2012.

PIMENTEL, T. D. Espaço, Identidade e Poder: esboço de uma teoria morfostática e morfogenética para sociologia das organizações. (no prelo).

PIMENTEL, T. D. Teoria das Subjetividades Coletivas e Ação Coletiva Organizada: explorando uma base de fundamentação realista crítica para a teoria das organizações. (no prelo).

PIRES, M. T. Produção científica acelera, mas inovação patina no Brasil. Caderno Ciência. Raio-X. 14/11/2010 16:31. Disponível em: . Acesso: 15 fevereiro 2012.

SANTOS, B. de S. Introdução a uma ciência pós-moderna. 4. Ed., São Paulo: Editora Graal, 2003. 176 p.

SANTOS, M. Difusão de Inovações ou Estratégia de Vendas? In: SANTOS, M. Economia Espacial: críticas e alternativas. 2ª Ed., São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2007. pp.41-74. (Coleção Milton Santos).

UOL. Da Agência Brasil. Unesco mostra que produção científica brasileira cresceu menos que a economia. 10/11/2010 20h39. Disponível em: < http://noticias.uol.com.br/ultnot/cienciaesaude/ultimas-noticias/2010/11/10/unesco-mostra-que-producao-cientifica-brasileira-cresceu-menos-que-a-economia.jhtm >. Acesso: 15 fevereiro 2012.

ZAGO, M. A. Perfil da Produção Científica Brasileira. USP, FAPESP – Junho 2011. Disponível em: . Acesso: 15 fevereiro 2012.