Por uma crítica ao conceito de desenvolvimento sustentável Outros Idiomas

ID:
8504
Periódico:
Resumo:
O objetivo deste texto é ensaiar uma crítica ao conceito de desenvolvimento sustentável, por meio da articulação de argumentos para se confrontar a visão aparente desse conceito, vislumbrando sua essência ideológica que, de forma nada ingênua, cria uma falsa noção de conciliação entre o capitalismo e a questão ecológica. Para se alcançar esse objetivo, busca-se, na perspectiva Frankfurtiana, a base metodológica para ensaiar esta crítica. Apresentam-se, dessa forma, os fundamentos da contradição do conceito de desenvolvimento sustentável sob a ótica da lógica interna do capitalismo, demonstrando a impossibilidade de conciliação entre uma suposta prática ecologicamente viável com os objetivos desse sistema.
Citação ABNT:
VIZEU, F.; MENEGHETTI, F. K.; SEIFERT, R. E. Por uma crítica ao conceito de desenvolvimento sustentável. Cadernos EBAPE.BR, v. 10, n. 3, p. 569-583, 2012.
Citação APA:
Vizeu, F., Meneghetti, F. K., & Seifert, R. E. (2012). Por uma crítica ao conceito de desenvolvimento sustentável. Cadernos EBAPE.BR, 10(3), 569-583.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8504/por-uma-critica-ao-conceito-de-desenvolvimento-sustentavel/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

ADORNO, T. W. O ensaio como forma. In: Adorno, T.W. Sociologia. São Paulo: Editora Ática, 1986. p. 15-45.

ALCADIPANI, R.; TURETA, C. Teoria ator-rede e estudos críticos em administração: possibilidades de um diálogo. Cad. EBAPE.BR, v. 7, n. 3, p. 405-418, 2009.

ALTHUSSER, L. Sobre a Reprodução. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1999.

ANDERY, M. A. et al. Para compreender a ciência. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

BOFF, L. Sustentabilidade: O que é o que não é. Petrópolis: Vozes, 2012.

BOTTOMORE, T. B. Dicionário do Pensamento Marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BOTTOMORE, T. B. The Frankfurt School. London: Routledge, 1984.

BRAGA, R. A Reestruturação do Capital: Um Estudo sobre a Crise Contemporânea. São Paulo: Xamã, 1996.

CARSON, R. Silent spring. Boston, MA: Houghton Mifflin; Riverside Press, 1962.

DEAN, W. A industrialização de São Paulo: 1880-1945. 4.ª ed. São Paulo: Bertrand Brasil, 2001.

DOBB, M. A evolução do capitalismo. 9.ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 1987.

DOBB, M. Teorias do valor e distribuição desde Adam Smith. Lisboa: Editora Presença, 1977.

ELKINGTON, J. Cannibals with Forks: the Triple Bottom Line of 21st Century Business. Oxford: Capstone, 1997.

EPI. The State of Working America: Inequality. Economic Policy Institute, 2011. Disponível em: . Acesso em fevereiro de 2012.

FAO. Global Food Losses and Food Waste. Rome: Food and Agriculture Organization of the United Nations, 2011.

FARIA, J. H. Consciência crítica com ciência idealista: paradoxos da redução sociológica na fenomenologia de Guerreiro Ramos. Cad. EBAPE.BR, v. 7, n. 3, p. 420-446, 2009.

FERREIRA, A. B. H. Sustentável. Dicionário Eletrônico Aurélio. Curitiba: Editora Positivo, 2012.

GEORGESCU-ROEGEN, N. Energy and economic myths. Southern Economic Journal, v. 41, n. 3, p. 347-381, 1975.

GORZ, A. (Org.). Crítica da divisão do trabalho. São Paulo: Martins Fontes, 1980.

HARVEY, D. Condição pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. 16.ª ed. São Paulo: Loyola, 2007.

HOBSBAWM, E. A era do Capital: 1848-1875. 5.ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

HORKHEIMER, M. Eclipse da Razão. São Paulo: Centauro Editora, 2000.

HORKHEIMER, M. Filosofia e Teoria Crítica. In: Horkheimer, M.; Adorno, T. W. Textos Escolhidos. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1991b.

HORKHEIMER, M. Ocaso. España, Editorial Anthropos, 1986.

HORKHEIMER, M. Teoría Crítica I – Max Horkheimer. São Paulo: Perspectiva: Editora da USP, 1990.

HORKHEIMER, M. Teoria Tradicional e Teoria Crítica. In: Horkheimer, M.; Adorno, T. W. Textos Escolhidos. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1991a.

ILLICH, I. Necessidades. In: Sachs, W. (Ed.) Dicionário do desenvolvimento: guia para o conhecimento como poder. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 155-172.

JACKSON, T. Prosperity withouth growth? The transition to a sustainable economy. London: Sustainable Development Commission, 2009.

KATZ, C; COGGIOLA, O. Neoliberalismo ou Crise. São Paulo: Xamã. 1996.

KOSELLECK, R. Passado Futuro: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto e Ed PUC-Rio, 2006.

LANDES, D. Prometeu desacorrentado: transformação tecnológica e desenvolvimento industrial na Europa ocidental de 1750 até os dias de hoje. Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, 2005.

LATOUCHE, S. Farewell to growth. Cambridge: Polity, 2009.

LIPIETZ, A. Miragens e milagres: problemas da industrialização no Terceiro Mundo. São Paulo: Nobe l, 1987.

MARX, K. Contribuição da economia política. São Paulo: Editora Flama, 1946.

MARX, K. O capital. 20. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, v. 1, 2002.

MEADOWS, D. The limits to growth: a report for the Club of Rome's project on the predicament of mankind. New York: University Books, 1972.

MÉSZÁROS, I. O desafio e o fardo do tempo histórico. São Paulo: Boitempo, 2007.

MÉSZÁROS, I. O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital. São Paulo: Boitempo Editorial; Campinas: Editora da Unicamp, 2002.

MISOCZKY, M. C. et al. Bloch, Gramsci e Paulo Freire: referências fundamentais para os atos da denúncia e do anúncio. Cad. EBAPE.BR, v. 7, n. 3, p. 448-471, 2009.

NORMAN, W.; MACDONALD, C. Getting to the Bottom of “Triple Bottom Line”. Business Ethics Quarterly, v. 14, n. 2, p. 243-262, 2004.

PAULA, A. P. P.; MARANHÃO, C. M. S. A.; BARROS, A. N. Pluralismo, pós-estruturalismo e “gerencialismo engajado”: os limites do movimento critical management studies. Cad. EBAPE.BR, v. 7, n. 3, p. 393-404, 2009.

POLANYI, K. A grande transformação: as origens de nossa época. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 1989.

SACHS, W. (Ed.) Dicionário do desenvolvimento: guia para o conhecimento como poder. Petrópolis: Vozes, 2000b.

SACHS, W. Meio Ambiente. In: Sachs, W. (Ed.). Dicionário do desenvolvimento: guia para o conhecimento como poder. Petrópolis: Vozes, 2000a, p. 117-131.

SAHLINS, M. Stone Age Economics. London: Tavistock Publications, 1978.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 12. ed. Rio de Janeiro: Record, 2005.

SCHUMACHER, E. F. Small is beautiful: economics as if people mattered. New York: Harper & Row, 1973.

SHRIVASTAVA, P. The role of corporations in achieving ecological sustainability. Academy of Management Review, v. 20, n. 4, p. 936-960, 1995.

SIMMS, A.; JOHNSON, V.; CHOULA, P. Growth isn´t possible: why we need a new economic direction. London: New Economics Foundation, 2010.

TENÓRIO, F. G. A modernidade e a pós-modernidade servidas em dois jantares. Cad. EBAPE.BR, v. 7, n. 3, p. 472-491, 2009.

TRAGTENBERG, M. Administração, poder e ideologia. São Paulo: Cortez, 1989.

WEBER, M. A ética protestante e o "espírito" do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.