O processo sucessório em empreendimentos sociais no Brasil Outros Idiomas

ID:
8526
Resumo:
Este trabalho baseou-se em uma pesquisa realizada em empreendimentos sociais no Brasil, com o intuito de verificar se e como esses empreendimentos realizam o planejamento e a gestão do processo sucessório das posições de direção dessas entidades. Foi investigado o subconjunto das associações dedicadas à produção coletiva de bens e serviços, por essas terem uma organização formalmente constituída e visarem acelerar o dinamismo do desenvolvimento local. A pesquisa empírica foi estruturada em duas etapas, sendo a primeira um survey com amostra de 378 empreendimentos, para identificar quais já haviam passado ou estavam passando pela sucessão. Na segunda etapa foram entrevistados os principais gestores de 32 empreendimentos, buscando obter uma narrativa das experiências de sucessão ocorridas na trajetória do empreendimento. Nessa fase buscou-se analisar como interagem as dimensões Indivíduo, Organização e Ambiente na configuração do processo sucessório, identificando em cada uma dessas dimensões quais os fatores que podem facilitar e aqueles que podem limitar o processo sucessório. Para analisar a estrutura e as principais características do processo sucessório, os seguintes eixos orientadores foram tomados por base: dimensão Indivíduo – papéis da liderança, habilidade da liderança e estilos de liderança; dimensão Organização – estrutura, planejamento, conselhos, comunicação (transparência), controle e avaliação; dimensão Ambiente – influências dos stakeholders (comunidade, fornecedores, clientes, parceiros) no processo sucessório. Os resultados apontaram que o processo sucessório nas associações pesquisadas se encontra em fase de construção: adapta-se às demandas do cenário atual, mas apresenta evidentes necessidades de aprimoramento para uma condução mais efetiva do planejamento e da gestão compartilhada do processo.
Citação ABNT:
GODOI-DE-SOUSA, E.; FISCHER, R. M. The succession process at social enterprises in Brazil. RAUSP Management Journal, v. 47, n. 3, p. 473-488, 2012.
Citação APA:
Godoi-de-sousa, E., & Fischer, R. M. (2012). The succession process at social enterprises in Brazil. RAUSP Management Journal, 47(3), 473-488.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8526/o-processo-sucessorio-em-empreendimentos-sociais-no-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
ADACHI, P. P. Família S. A.: gestão de empresa familiar e solução de conflitos. São Paulo: Atlas, 2006.

ADAMS, T. Capturing the power of leadership change – using executive transition management to strengthen organizational capacity. Baltimore, Maryland: Annie E. Casey Foundation, 2004.

ADAMS, T. Staying engaged, stepping up: succession planning and executive transition management for nonprofit boards of directors. Baltimore, Maryland: Annie E. Casey Foundation, 2006. Executive Transitions Monograph Series.

ADIZES, I. Os ciclos de vida das organizações: como e por que as empresas crescem e morrem e o que fazer a respeito. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 1993.

ARRUDA, M. Economia solidária e o renascimento de uma sociedade humana matrística. In: IV FÓRUM SOCIAL MUNDIAL. Painel “Por uma Economia do Povo: Realidades e Estratégias do Local ao Global”, Mumbai, Índia, 2004. At: . Retrieved on: Jan. 21,2012.

AUSTIN, J. E. Parcerias– fundamentos e benefícios para o terceiro setor. São Paulo: Futura, 2001.

AUSTIN, J.; STEVENSON, H.; WEI-SKILLERN, J. Social and commercial entrepreneurship: same, different, or both? Entrepreneurship: Theory and Practice, v. 30, n. 1, p. 1-22, 2006.

BERNHOEFT, R. Empresa familiar: sucessão profissionalizada ou sobrevivência comprometida. São Paulo: Nobel, 1989.

BOSCHEE, J. Eight basic principles for nonprofit entrepreneurs. Non Profit World, v. 19, n. 4, p. 15-18, 2001.

BRINCKERHOFF, P. C. Social entrepreneurship: the art of mission-based venture development. New York, USA: Library of Congress, 2000.

CAMPBELL, A. Stakeholders: the case in favour. Long Range Planning, London, v. 30, n. 3, p. 446-449, 1997.

CHAIT, R. P.; HOLLAND, T. P.; TAYLOR, B. E. The effective board of trustees. Phoenix: Oryx Press, 1993.

COHN, M. Passando a tocha: como conduzir e resolver os problemas de sucessão familiar. São Paulo: Makron Books, 1991.

COMINI, G. M.; FISCHER, R. M. When Cinderella gazes at herself in the mirror: the succession issue in NGOs. International Leadership Journal, v. 1, n. 2, p. 4-26, 2009.

DAFT, R. L. Organizações: teorias e projetos. São Paulo: Pioneira, 2002.

DEES, J. G. The meaning of social entrepreneurship. Durham, NC, EUA: Center for the Advancement of Social Entrepreneurship. Original draft: Oct. 31, 1998. Reformatted and revised: May 30, 2001.

DONALDSON, T.; PRESTON, L. E. The stakeholder theory of the corporation: concepts, evidence and implications. Academy of Management Review, v. 20, n. 1, p. 65-91, Jan. 1995.

FISCHER, R. M. Estado, mercado e terceiro setor: uma análise conceitual das parcerias intersetoriais. Revista de Administração da Universidade de São Paulo (RAUSP), São Paulo, v. 40, n. 1, p. 5-18, 2005.

FISCHER, R. M. Governance in social enterprise. In: SEKN Effective Management of Social Enterprises– lessons from businesses and civil society organizations in Iberoamerica. Cambridge, Massachusetts: Harvard University/David Rockefeller Center for Latin American Studies, 2006.

FISCHER, R. M. Mudança e transformação organizacional. In: FLEURY, M. T. (Org.). As pessoas na organização. São Paulo: Gente, 2002. p. 147-164.

FISCHER, R. M. O desafio da colaboração: práticas de responsabilidade social entre empresas e terceiro setor. São Paulo: Gente, 2002.

FISCHER, R. M. Organizational culture in social enterprise. In: SEKN Effective Management of Social Enterprises – lessons from businesses and civil society organizations in Iberoamerica. Cambridge, Massachusetts: Harvard University/David Rockefeller Center for Latin American Studies, 2006.

FISCHER, R. M. Talk on social responsibility. In: CONFERÊNCIA INTERAMERICANA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA: UM BOM NEGÓCIO PARA TODOS, 4.; 12 dez. 2006, Salvador, Bahia. At: Retrieved on: Oct. 25,2011.

FOMBRUN, C. J.; GARDBERG, N. A.; BARNETT, M. L. Opportunity platforms and safety nets: corporate citizenship and reputational risk. Business and Society Review, v. 105, n. 1, p. 85-106, 2000.

FREEMAN, R. E.; McVEA, J. A stakeholder approach to strategic management. In: HITT, M.; FREEMAN, E.; HARRISON, J. Handbook of strategic management. Oxford: Blackwell, 2000. p. 189-207.

GERSICK, K. E.; DAVIS, J. A.; HAMPTON, M. M.; LANSBERG, I. De geração para geração: ciclos de vida da empresa familiar. 4. ed. São Paulo: Elsevier, 1997.

GOMES, T. S.; MILITÃO, M. S. R. Planejamento da sucessão familiar. 2009. At: . Retrieved on: Jan. 19,2009.

GRAYSON, D.; HODGES, A. Compromisso social e gestão empresarial. São Paulo: Publifolha, 2003.

KNOKE, D. Organizing for collective action: the political economies of associations. New York: Aldyne de Gruyter, 1990.

KUNREUTHER, F.; CORVINGTON, P. A. Next shift: beyond the nonprofit leadership crisis. Baltimore, MD/New York, NY: Annie E. Casey Foundation, 2007.

LEAL, E. A.; FAMÁ, R. Governança nas organizações do terceiro setor: um estudo de caso. In: SEMEAD – Seminários em Administração, 10.; 2007, São Paulo, Brasil. Anais. . . São Paulo, SP: FEA-USP, 2007.

LEONE, N. M. C. P. G. Sucessão na empresa familiar: preparando as mudanças para garantir sobrevivência no mercado globalizado. São Paulo: Atlas, 2005.

LISBOA, A. Os desafios da economia popular e solidária. 2009. At: . Retrieved on: Sept. 12,2009.

LODI, J. B. A empresa familiar. São Paulo, Pioneira, 1986.

LUMPKIN, G.; DESS, G. Clarifying the entrepreneurial orientation construct and linking it to performance. Academy of Management Review, Briarcliff Manor, v. 21, n. 1, p. 135-172, Jan. 1996.

MAIR, J.; MARTÍ, I. Social entrepreneurship research: a source of explanation, prediction, and delight. Journal of World Business, v. 41, n. 1, p. 36-44, 2006. At: . Retrieved on: Sept. 21,2011.

MAIR, J.; MARTÍ, I. Social entrepreneurship: what are we talking about? A framework for future research. Working Paper n. 546. Barcelona, Spain: IESE Business School – University of Navarra, 2004.

MELO NETO, F. P.; FROES, C. Empreendedorismo social: a transição para a sociedade sustentável. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002.

MENDONÇA, L. R.; MACHADO FILHO, C. A. P. Governança nas organizações do terceiro setor: considerações teóricas. Revista de Administração da Universidade de São Paulo (RAUSP), v. 39, n. 4, p. 302-308, 2004.

MIDDLETON, M. Nonprofit boards of directors: beyond the governance function. In: POWELL, W. W. The nonprofit sector: a research handbook. New Haven, CT: Yale University Press, 1987.

MINDLIN, S. E. A governança de fundações e institutos empresariais: um estudo exploratório. 2009. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil, 2009.

MORT, G. S.; WEERAWARDENA, J.; CARNEGIE, K. Social entrepreneurship: towards conceptualisations. International Journal of Nonprofit and Voluntary Sector, v. 8, n. 1, p. 76-76, 2003. Online ISSN: 1479-103X

OLIVEIRA, E. M. Empreendedorismo social no Brasil: fundamentos e estratégias. Franca. 2003. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual (UNESP), São Paulo, São Paulo, Brasil, 2003.

PEREDO, A. M.; McLEAN, M. Social entrepreneurship: a critical review of the concept. Journal of World Business, v. 41, n. 1, p. 56-65, 2006. At: . Retrieved on: Sept. 21,2011.

RANDALL, G.; MAAS, S.; ANCRUM, R.; LISS, K. Executive director tenure and transition in southern New England. New England: New England Executive Transitions Partnership, 2004.

REFICCO, E.; GUTIERREZ, R. Leadership in social enterprise. In: SEKN Effective Management of Social Enterprises– lessons from businesses and civil society organizations in Iberoamerica. Cambridge, Massachusetts: Harvard University/David Rockefeller Center for Latin American Studies, 2006.

ROWLEY, T. J. Moving beyond dyadic ties: a network theory of stakeholders influences. Academy of Management Review, Briarcliff Manor, v. 22, n. 4, p. 887-910, 1997.

SALAMON, L. A emergência do terceiro setor: uma revolução associativa global. Revista de Administração da Universidade de São Paulo (RAUSP), v. 33, n. 1, p. 5-11, 1998.

SANDAHL, Y. Stepping up or stepping out: a report on the readiness of next generation nonprofit leaders. San Francisco, CA: Young Nonprofit Professional Network, Oct. 2007.

SATHLER, L. Governança no terceiro setor: estudo descritivo-exploratório do comportamento de conselhos curadores de fundações empresariais no Brasil. 2008. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil, 2008.

SCHEIN, E. Organizational culture and leadership. San Francisco: Jossey Bass, 1986.

SHAW, E.; CARTER, S. Social entrepreneurship: theoretical antecedents and empirical analysis of entrepreneurial processes and outcomes. Journal of Small Business and Enterprise Development, v. 14, n. 3, p. 418-434, 2007.

SILVA, A. L. P. Governança institucional: um estudo do papel e da operação dos conselhos das organizações da sociedade civil no contexto brasileiro. 2001. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil, 2001.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. Florianópolis: LED/UFSC, 2000.

STONE, M. M.; OSTROWER, F. Acting in the public interest? Another look at research on nonprofit governance. Nonprofit and Voluntary Sector Quarterly, v. 36, n. 3, p. 416-438, 2007.

TEEGARDEN, P. H. Nonprofit executive leadership and transitions survey. Baltimore, MD: Annie E. Casey Foundation, 2004.

WOLFRED, T. Building leaderful organizations: succession planning for nonprofits. Baltimore, MD: Annie E. Casey Foundations, 2008. Executive Transition Monograph Series.

WOLFRED, T. Stepping up: a board’s challenge in leadership transition. Third Sector New England, v. 9, n. 4, p. 1-5, 2002.