Aderência às normas internacionais de contabilidade pelas empresas brasileiras Outros Idiomas

ID:
8539
Resumo:
No Brasil, o processo de convergência às normas internacionais de contabilidade teve início com as alterações da lei das Sociedades Anônimas (6.404/76), promovidas pelas leis 11.638/07 e 11.941/09. A legislação fiscal brasileira sempre influenciou a prática contábil. Contudo, a nova legislação possibilitou a separação de critérios contábeis e fiscais para a avaliação patrimonial. O presente estudo visa responder a seguinte questão: Será que as empresas, diante de uma situação de alteração da legislação e normatização vigentes, porém com a possibilidade de adotar práticas alternativas, adotariam estas novas práticas, em detrimento das antigas, promovendo uma contabilidade de fato e de direito plenamente idênticas, no tocante aos critérios de depreciação? Para atingir este objetivo, um estudo empírico sobre as empresas brasileiras listadas na BM&F Bovespa foi realizado. Os resultados indicaram que um percentual elevado de empresas adotaram as novas práticas. No entanto, ainda foram identificadas empresas que utilizam as taxas fiscais para apuração da depreciação de ativos imobilizados.
Citação ABNT:
FREIRE, M. D. M.; MACHADO, M. R. R.; MACHADO, L. S.; SOUZA, E. S.; OLIVEIRA, J. J. Aderência às normas internacionais de contabilidade pelas empresas brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 6, n. 15, p. 3-22, 2012.
Citação APA:
Freire, M. D. M., Machado, M. R. R., Machado, L. S., Souza, E. S., & Oliveira, J. J. (2012). Aderência às normas internacionais de contabilidade pelas empresas brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações, 6(15), 3-22.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8539/aderencia-as-normas-internacionais-de-contabilidade-pelas-empresas-brasileiras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BAKER, C. R.; BARBU, E. M.. Trends in research on international accounting harmonization. The International Journal of Accounting, V. 42, n. 3, p. 272-304. 2007.

BM&F BOVESPA. Demonstrações Financeiras Padronizadas – Notas Explicativas. Disponível em: . Acessado em: 30 de junho de 2011.

BRAGA, Hugo Rocha; ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Mudanças Contábeis na Lei Societária. São Paulo: Atlas, 2008.

BRASIL. Decreto n.3.000 de 26 de Março de 1999. RIR – Regulamento do Imposto de Renda/99.

BRASIL. Lei n. 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera e revoga dispositivos da Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei no 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras.

BRASIL. Lei n. 11.941, de 27 de Maio de 2009. Altera dispositivos da Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei no 6.385, de 7 de dezembro de 1976.

BRASIL. Lei n. 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as sociedades por ações.

CARMO, Carlos Henrique Silva do; RIBEIRO, Alex Mussoi; CARVALHO, Luiz Nelson Guedes de. Convergência de fato ou de direito? A influência do sistema jurídico na aceitação das normas internacionais para pequenas e médias empresas. Revista de Contabilidade de Finanças USP, São Paulo, v. 22, n. 57, p. 242-262, 2011.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Resolução nº1.055, de 07 de outubro de 2005. Cria o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e dá outras providências.

CPC – Comitê de Pronunciamentos Contábeis. CPC 27 – Ativo Imobilizado, de 26 de Junho de 2009.

CVM, Comissão de Valores Mobiliários. Demonstrações Financeiras Padronizadas – Notas Explicativas. Disponível em: . Acessado em: 30 de junho de 2011.

DING, Y.; JEANJEAN, T.; STOLOWY, H.. Why do national GAAP differ from IAS? The role of culture. The International Journal of Accounting, V.40, n. 4, p.325-350, 2005.

HAIL, Luzi et al. Global Accounting Convergence and the Potential Adoption of IFRS by the U.S. (Part II): Political Factors and Future Scenarios for U.S. Accounting Standards. Accounting Horizons, v. 24, n. 4, p. 567-588, 2010.

HENDRIKSEN, Eldon S; VAN BREDA, Michael. Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 1999.

IFRS Foundation. Quem somos e o que fazemos. Disponível em: . Acessado em: 30 de junho de 2011.

IKUNO, Luciana Miyuki; NIYAMA, Jorge Katsumi; BOTELHO, Ducinéli Régis; SANTANA, Cláudio Moreira. CONTABILIDADE INTERNACIONAL: Uma Análise da produção científica sobre nos principais periódicos internacionais da área (2000 a 2009). 10º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São Paulo, 2010.

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Contabilidade: Entre uma e outras. Revista de Informação Contábil – RIC – Vol. 1, no 1 p. 1-6, 2007.

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Teoria da Contabilidade. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2004.

IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARTINS, Eliseu; GELBCKE, Ernesto Rubens; SANTOS, Ariovaldo dos. Manual de Contabilidade Societária: aplicável a todas as sociedades de acordo com as normas internacionais e do CPC. São Paulo: Atlas, 2010.

KVAAL, Erlend; NOBES, Christopher. International differences in IFRS policy choice: a research note. Accounting and Business Research, v. 40, n. 2, p. 173-187, 2010.

LOPES, Alexsandro Broedel; MARTINS, Eliseu. Teoria da Contabilidade: Uma Nova Abordagem. Sao Paulo: Atlas, 2005.

NIYAMA, J. K.. Contabilidade Internacional. São Paulo: Atlas, 2005.

NIYAMA, Jorge Katsumi; COSTA, Patrícia de Souza; BOTELHO, Ducinéli Régis. Principais Causas Das Diferenças Internacionais No Financial Reporting: Uma Pesquisa Empírica Em Instituições De Ensino Superior Do Nordeste E Centrooeste Do Brasil. ConTexto, Porto Alegre, v. 5, n. 8, 2º semestre 2005.

NOBES, Christopher. Towards a General Model of the Reasons for International Differences in Financial Reporting. ABACUS, v. 34, n. 2, p. 162-187, 1998.

RFB – Receita Federal do Brasil. Instrução Normativa SRF n.130, de 10 de novembro de 1999.

RFB – Receita Federal do Brasil. Instrução Normativa SRF n.162, de 31 de dezembro de 1998.

WEFFORT, Elionor Farah Jreige. O Brasil e a Harmonização Contábil Internacional: Influencias dos Sistemas Juridico e Educacional, da Cultura e do Mercado. Sao Paulo: Atlas, 2005.

ZEFF, S. A.. Some obstacles to global financial reporting comparability and convergence at a high level of quality. The British Accounting Review, V. 39, n. 4, p.290-302, dez/2007.