Eficiência e eficácia dos consórcios de exportação brasileiros Outros Idiomas

ID:
8589
Periódico:
Resumo:
Este estudo objetiva analisar a eficiência dos consórcios de exportação do Brasil quanto à cooperação dos membros e aquisição de inovações, além da eficácia, medida pelo desempenho nas exportações. Por meio de pesquisa survey realizada com empresas de diferentes consórcios e setores, foi utilizada a estatística descritiva para verificar as ações desempenhadas (eficiência) pelas firmas e o coeficiente de Correlação de Pearson e a escala EXPERF (ZOU, TAYLOR e OSLAND, 1998) para observar os resultados (eficácia) na aquisição de inovações e desempenho exportador. Os dados apontam que há poucas atividades integrativas e, embora grande parte das organizações esteja em consonância nos padrões internacionais de inovação – ou em busca de, isto é fruto do esforço empresarial individual. Em consonância, constatou-se baixo desempenho exportador, que pode ser reflexo da forma com que estão sendo executadas as ações nos consórcios.
Citação ABNT:
CARPES, A. M.; SCHERER, F. L.; BEURON, T. A.; KNEIPP, J. M. Eficiência e eficácia dos consórcios de exportação brasileiros. Revista Pretexto, v. 13, n. 3, p. 28-43, 2012.
Citação APA:
Carpes, A. M., Scherer, F. L., Beuron, T. A., & Kneipp, J. M. (2012). Eficiência e eficácia dos consórcios de exportação brasileiros. Revista Pretexto, 13(3), 28-43.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8589/eficiencia-e-eficacia-dos-consorcios-de-exportacao-brasileiros/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALEM, A. C.; CAVALCANTI, C. E. O BNDES e o apoio à internacionalização de empresas brasileiras: algumas reflexões. Revista do Banco Nacional de Desenvolvimento, v. 12, n. 24, 2005.

ANDERSSON, S. The Internationalization of the firm from an entrepreneurial perspective. International Studies of Management and Organizations, 2000.

ARBIX, G. Inovações, padrões tecnológicos e desempenho das firmas industriais brasileiras. Anais doXVII Fórum Nacional China e Índia como desafio e exemploe a reação do Brasil. . . para cima, Rio de Janeiro,2005.

BAKER, M. J. Selecting a Research Methodology. The Marketing Reviewv. 1, p. 373-397, 2001

BALESTRIN, A. A dinâmica da complementaridade de conhecimentos nocontexto das redes interorganizacionais. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

BESSANT, J.; TIDD, J. Inovação e empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman, 2009.

BRANCO, P. L.; MACHADO, M. A. Consórcio de exportação: um estudo comparativo entre o modelo brasileiro APEX e o modelo FEDEREXPORT. Revista de Práticas Administrativas, v. 3, n. 1, 2004.

CASSAROTO FILHO, N.; PIRES, L. H. Redes de pequenas e médias empresas e desenvolvimento local. São Paulo: Atlas, 2001.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

CHESBROUGH, H. W. The era of open innovation. MIT Sloan Management Review, spring, 2003.

CHURCHILL JR., G. A.; PETER, J. P. Marketing: criando valor para os clientes. São Paulo: Saraiva, 2000.

DAMANPOUR, F. Organizational innovation: a meta-analysis of effects of determinants and moderators. Academy of Management Journal, v. 34, n. 3, 1991.

FILIPESCU, D. A. Innovation and internationalization. a focus on exporting firms. Tese (Doutorado). Universitat Autonòma de Barcelona, 2007.

FISCHER, B. B. Relação entre estratégia de entrada em mercados estrangeiros e performance exportadora resultante em empresas brasileiras. In: Anais do XXX Encontro da ANPAD, Salvador, 2006.

GARRIDO, I. L. A relação entre orientação para o mercado externo, estratégias de internacionalização e performance exportadora. Tese (doutoramento). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

GONÇALVES, C. A.; MEIRELLES, A. M. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2004.

JOHANSON, J.; VAHLNE, J . E. The mechanism of internationalisation. International Marketing Review, 1990.

JOHANSON, J.; WIEDERSHEIM-PAUL, F. The internationalization of the firm. Journal of Management Studies, v. 12, 1975.

KATSIKEAS, C. S.; PIERCY, N. F.; LOANNIDIS, C. 1996. Determinants of export performance in a European context. European Journal of Marketing, n. 30, v. 6, 1996.

KUAZAQUI, E.; LISBOA, T. C. Estratégias de entrada e operações em mercados internacionais: China. Anais do èmme colloque de l’IFBAE, grenoble, 18 et 19 mai, 2009.

KUAZAQUI, E. Marketing internacional: como conquistar negócios em mercados internacionais. São Paulo: Makron Books, 1999.

MACHADO, M. A. O envolvimento exportador e a performance exportadora: uma revisão analítica em busca de uma tipologia explanatória para a exportação. Disponível em. Acesso em: 15. dez.2010.

MAIS, I.; CARVALHO, L. C.; AMAL, M.; HOFFMANN, M. G. Importância das redes nos processos de inovação e internacionalização de empresas de base tecnológica. RAI – Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 41-61, jan./mar. 2010.

NEELY, A.; GREGORY, M.; PLATTS, K. Performance measurement system design: a literature review and research agenda. International Journal of Operations & Production Management, v. 15, n. 4, 1995.

NICKELS, W. G.; WOOD, M. B. Marketing: relacionamentos, qualidade, valor. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO ECONÔMICA E DESENVOLVIMENTO. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. FINEP — Financiadora de Estudos e Projetos, 2004.

OSLAND, G. E.; TAYLOR, C. R.; ZOU, S. Selecting international modes of entry and expansion. Marketing Intelligence & Planning, v. 19, n. 3, p. 153-161, 2001.

PORTER, M. E. A vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

PORTO, E. C. Os consórcios de exportação como instrumentos facilitadores de estratégias cooperativas para micro, pequenas e médias empresas. Revista de Práticas Administrativas, v. 2, n. 6, 2006.

ROCHA, A.; SILVA, J. F.; CARNEIRO, J. Expansão internacional das empresas brasileiras revisão e síntese. In: FLEURY, A.; FLEURY, M. T. L. Internacionalização e os países emergentes. São Paulo: Atlas, 2007.

SCHERER, F. L.; GOMES, C. M. Relações entre Perfil Empresarial, Estratégia e Performance em Mercados. In: XI SEMEAD, 2008, São Paulo. Anais do XI SEMEAD, 2008.

SILIPRANDI, E. M. Modelo de relacionamento e avaliação do processo de inovação na indústria de softwares. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

STAL, E. Internacionalização de empresas brasileiras e o papel da inovação na construção de vantagens competitivas. RAI - Revista de Administração e Inovação, v. 7, n. 3, p. 118-147, jul./set. 2010.

VASCONCELLOS, M. A. Introdução. In: BARBIERI, José Carlos et al. Organizações inovadoras: estudos e casos brasileiros. São Paulo: FGV Editora, 2004.