Inovação e investimentos no setor elétrico brasileiro sob a ótica de Gestores de P & D Outros Idiomas

ID:
8597
Resumo:
Este artigo objetiva desvelar, com o emprego do método fenomenográfico, a percepção de gestores de P&D sobre a influência da busca por inovação no gerenciamento dos investimentos de pesquisa e desenvolvimento no Setor Elétrico Brasileiro. Empreendeu-se uma pesquisa de campo, em profundidade e constatou-se que, apesar da inovação permear todo o processo de gestão de P&D no Setor Elétrico - desde a prospecção de temas, o relacionamento com os atores do Sistema e a busca por resultados -, os responsáveis pelas áreas de P&D das empresas percebem que a busca da inovação influencia a gestão de P&D de maneiras distintas, categorizadas em quatro temas. As quatro temáticas emergentes encontradas foram: estranho no ninho, descompasso entre recursos e oportunidades, abrigo dos pares e obrigação por resultados. Esses temas permitiram a formulação das seguintes proposições: a) a efetividade dos gestores de P&D na perseguição por resultados encontra-se comprometida em função da falta de alinhamento entre as expectativas da ANEEL e das empresas; b) a despeito de ser considerado o intermediário entre as necessidades da empresas e as ofertas externas, o gestor de P&D tem o seu desempenho prejudicado em função de descompasso entre as necessidades da empresa e a oferta tecnológica do meio acadêmico; c) os fóruns de discussão se configuram como ambientes onde os gestores de P&D encontram cooperação e auxílio na resolução de problemas comuns; d) a dinâmica das mudanças no ambiente de negócios provoca o isolamento da área de P&D nas instituições do setor elétrico brasileiro.
Citação ABNT:
PINTO, S. R. R.; MAISONNAVE, P. R. Inovação e investimentos no setor elétrico brasileiro sob a ótica de Gestores de P & D. Revista de Administração e Inovação, v. 9, n. 3, p. 4-27, 2012.
Citação APA:
Pinto, S. R. R., & Maisonnave, P. R. (2012). Inovação e investimentos no setor elétrico brasileiro sob a ótica de Gestores de P & D. Revista de Administração e Inovação, 9(3), 4-27.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8597/inovacao-e-investimentos-no-setor-eletrico-brasileiro-sob-a-otica-de-gestores-de-p---d/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AHUJA, G. Collaboration Networks, Structural Holes, and Innovation: A Longitudinal Study. Administrative Science Quarterly, v. 45, n. 3, 2000.

AKERLIND, G. S. Variation and Commonality in Phenomenography Research Methods. Higher Education Research & Development, v. 24, n. 4, p. 321-334, 2005.

ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica (Brasil). Manual do programa de pesquisa e desenvolvimento tecnológico do setor de energia elétrica. Brasília: ANEEL, 2006.

ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica (Brasil). Manual do programa de pesquisa e desenvolvimento tecnológico do setor de energia elétrica. Brasília: ANEEL, 2007.

ASSINK M. Inhibitors of disruptive innovation capability: a conceptual model. European Journal of Innovation Management, v. 9, n. 2, 215-233, 2006.

BROWN, A.; LEWIS, P. Restructuring and Regulatory Incentives for Energy Efficiency, Renewables, and Research and Development. Hagler Bailly Services, 1997.

CHRISTENSEN, C. M. The Innovators Dilemma: when new technologies cause great firms to fail. Harvard Business School Press: Boston, Massachusetts 1997.

CRESWELL, J. W. Qualitative inquiry and research design: Choosing among five traditions. London: Sage Publications, 1998.

CUMMING, B. S. Innovation overview and future challenges. European Journal of Innovation Management, v. 1 n. 1, pp. 21-30, 1998.

DAMANPOUR, F. Organizational complexity and innovation: developing and testing multiple contingency models. Management Science, v. 42 n. 5, pp. 693-716, 1996.

DONADIO, L. Política científica e tecnológica. In: Administração em ciência e tecnologia. São Paulo: Edgar Blucher, p. 17-42, 1983.

DOSI, G. Institutions and markets in a dynamic world. The Manchester School, v. 56, n. 2, 1988.

DRUCKER, P. Inovação e Espírito Empreendedor (Entrepreneurship). São Paulo: Pioneira Thomson, 1985.

ETZKOWITZ, H. Reconstrução Criativa: hélice tripla e inovação regional. Revista Inteligência Empresarial. Centro de Referência em Inteligência Empresarial. Crie/Coppe/UFRJ. n. 23, Abr/Mar/Jun, 2005

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HIGGINS, J. M. Innovation: the core competence Planning Review, v. 23 n. 6, pp. 32-36, 1995

HUANG, E. Y.; LIN, S. How R&D management practice affects innovation performance: An investigation of the high-tech industry in Taiwan. Industrial Management & Data Systems, v.106, n. 7, p. 964-995, 2006.

JANNUZZI, G. M.; GOMES, R. D. M. A experiência brasileira pós-privatização em programas de eficiência energética e P&D: lições das iniciativas de regulação e da crise energética. In: IX Congresso Brasileiro de Energia Rio de Janeiro: SBPE, Anais COPPE/UFRJ, Clube de Engenharia, v. 3, pp. 1477-1485, 2002.

MARTON, F. FAI, P. M. Two faces of Variation. Paper presented at 8th European Conference for Learning and Instruction. Göteborg University, Sweden, August 24-28, 1999.

MARTON, F. Phenomenography: A Research Approach to Investigating Different Understandings of Reality. Journal of Thought, p. 28-49, 1986.

MARTON, F. Phenomenography – Describing conceptions of the world around us. Instructional Science, v. 10, p. 177-200, 1981.

MILLER, L. W.; MORRIS, L. Fourth generation R&D: managing knowledge, technology, and innovation. New York: John Wiley & Sons, 1999.

MOUSTAKAS, C. Phenomenological Research Methods. Thousand Oaks: Sage Publications Ltda, 1994.

MYERS, S.; MARQUIS D. G. Successful Industrial Innovations. Washington, DC: The National Science Foundation. 1969.

OCDE, Manual de Frascati: Medición de las actividades científicas y tecnológicas. Paris: OCDE, 2002.

PAAP, J.; KATZ, R. Anticipating disruptive innovation. Engineering Management Review, v. 32, n. 4, p. 74-85, 2004.

PIRES, J. C. L, GIAMBIAGI, F.; E SALES, A. As Perspectivas do Setor Elétrico Após o Racionamento, Texto para Discussão 97, BNDES, Rio de Janeiro, 2002.

PRAHALAD, C. K. HAMEL, G. Competindo pelo Futuro, Rio de Janeiro: Campus, 1995.

REMENYI, D. et al. E. Doing Research in Business and Management: An Introduction to Process and Method. London: Sage Publications Ltda, 1998.

ROGERS, E. M. Diffusion of innovation. New York: Free Press. 4th ed. 1995.

ROSA, L. P.; TOLMASQUIM, M. T.; PIRES, J. C. L. A reforma do setor elétrico no Brasil e no mundo - Uma visão crítica. Coppe, UFRJ. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1998.

SAENZ T. W.; CAPOTE E. G. Ciência, Inovação e Gestão Tecnológica Brasília: SNI, 2002.

SALGADO, L. H.; da MOTTA, R. S. Marcos Regulatórios no Brasil: O que foi feito e o que falta fazer. Rio de Janeiro: IPEA, 2005.

SCHUMPETER, J. A. The Theory of Economic Development: An Inquiry into Profits, Capital, Credit, Interest and the Business Cycle. Harvard University Press: Cambridge MA, 1984.

TESCH, R. Qualitative Research. Analysis Types & Software Tools. London, Routledge Falmer, 1990.

VERGARA, S. C. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2005.