A contribuição da competência relacional do empreendedor para aperfeiçoar a qualidade de relacionamento entre empresas de base tecnológica Outros Idiomas

ID:
8599
Resumo:
A forma dinâmica e interdependente que configura o cenário dos negócios contemporâneos torna insuficiente a concepção monológica da ação empreendedora, notadamente no que se refere à captação de recursos. Esse fato demanda um agir fundamentado na relacionalidade. Assim, grande parte das parcerias falha em função da indevida atenção ao componente relacional no cenário dos negócios. Isso tem sido atribuído à inabilidade do empreendedor em formar e manter interações exitosas com os parceiros na órbita interpessoal. O objetivo do estudo é, por meio de uma análise de conteúdo, descrever como a competência relacional emergente no comportamento do empreendedor auxilia na qualidade do relacionamento interpessoal em empresas de base tecnológica da região metropolitana de Recife. Os resultados revelem que a habidade mantenedora de relacionamento e performance da parceria constituem dimensões de destaque na qualidade da articulação. Além disso, a capacidade de negociação entre parceiros e a promoção de consenso entre os interagentes representam elementos primordiais na capacidade de negociação mantenedora de relações profícuas para ambos. A sustentabilidade do empreendedor nas redes sociais ocorre principalmente por meio do desenvolvimento de alianças e a competência relacional se mostra como um elemento chave para o resultado bem sucedido das parcerias.
Citação ABNT:
PAIVA JR., F. G.; FERNANDES, N. C. M. A contribuição da competência relacional do empreendedor para aperfeiçoar a qualidade de relacionamento entre empresas de base tecnológica. Innovation and Management Review, v. 9, n. 3, p. 53-76, 2012.
Citação APA:
Paiva Jr., F. G., & Fernandes, N. C. M. (2012). A contribuição da competência relacional do empreendedor para aperfeiçoar a qualidade de relacionamento entre empresas de base tecnológica. Innovation and Management Review, 9(3), 53-76.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8599/a-contribuicao-da-competencia-relacional-do-empreendedor-para-aperfeicoar-a-qualidade-de-relacionamento-entre-empresas-de-base-tecnologica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARAÚJO, S. F. (2008). Utilização de soluções business-to-business (b2b) no segmento downstream da cadeia de suprimentos de uma distribuidora de combustíveis. Natal, RN. Dissertação apresentada na Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Tecnologia. Programa Pós-Graduação em Engenharia de Produção.

ARIÑO, A.; TORRE, José de la; RING, P. S. (2005). Relational quality and inter-personal trust in strategic alliances. European Management Review, vol. 2, n. 1, pp. 15-27.

BARDIN, L. (2004). Análise de Conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70.

BAUER, M.W.; GLASKELL, G. (2002). Pesquisa qualitativa com texto imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

BENNETT R.; BARKENSJO A. (2005). Relationship quality, relationship marketing, and client perceptions of the levels of service quality of charitable organizations International Journal of Service Industry Management, vol. 16, n. 1, pp. 81-106.

BRITO J. (2008). Redes Empresariais: elementos estruturais e conformação interna. In. Duarte, F.; Squante, C.; e Souza, Q. O Tempo das redes. São Paulo: Perspectiva.

CASSIOLATO, J. E.; Lastres, H. M. M. (2005). Sistemas de inovação e desenvolvimento: as implicações de política. São Paulo Perspec, vol.19, n. 1, pp.34-45.

FINK, M.; HARMS, R.; KRAUS, S. (2008). Cooperative internationalization of SMEs: Selfcommitment as a success factor for International Entrepreneurship, European Management Journal, v. 26, 429-440.

FLEURY, M. T. L.; FLEURY, A. C. C. (2004). Alinhando estratégia e competências. Revista de Administração de Empresas, v. 44, n. 1, p. 44-57.

FYNES, B.; de BURCA, S.; VOSS, C. (2005). Supply chain relationship quality: the competitive environment and performance, International Journal of Production Research, vol. 43, n.16, pp. 3303-20.

GELDEREN, M. VaN, SLUIS, L. VAN DER, JANSEN, P. (2005). Learning Opportunities and Learning Behaviours of Small Business Starters: Relations with Goal Achievement, Skill Development and Satisfaction. Small Business Economics, v. 25, 97-108.

GOUVEIA, T. B.; GRISCI, C. L. I. (2006). A Demanda Empreendedora e o Trabalho Imaterial na Construção da Subjetividade do. In: 30º Encontro da ANPAD, 2006, Salvador. Encontro da ANPAD.

HAN, M. (2007). Developing social capital to achieve superior internationalization: A conceptual model. Journal of International Entrepreneurship, v. 4, p. 99-112, may.

HITT, M. A.; IRELAND, R. D.; HOSKISSON, R. E. (2008). Strategic Management - Concepts and Cases: Competitiveness And Globalization. South-Western College Pub. 8th ed.

HOBSBAWN, E. (2004). Era dos Extremos: o breve século XX. 1914-1991. São Paulo: Caminho das Letras.

HUMPHRIES A. S.; R. D. WILDING. (2004). Long Term Collaborative Business Relationships: The Impact of Trust and C3 Behaviour. Journal of Marketing Management, v. 20, n. 9/10, pp. 1107-1122.

INKPEN A. C.; TSANG E. W. K. (2005). Social capital, networks, and knowledge transfer. Academy Managment Review, v. 30, p. 146-165.

LIN, N.; COOK, K.; BURT, R. (2005). Social capital: theory and research. New Brunswick: Aldine Transaction.

MARSDEN, T.; SMITH, E. (2005) Ecological entrepreneurship: sustainable development in local communities through quality food production and local branding. Geoforum, v. 36, p. 440-451.

MAY, TIM. (2004) Pesquisa Social: questões, métodos e processos. 3°ed. Porto Alegre: Artmed.

MEDDEB, B. (2003). Quelles compétences pour le manager du IIIe millénaire. Revue organisations et territoires, vol. 12, n. 1, p. 5-10.

MELLO, S C B de; LEÃO, A L M de S.; PAIVA J.; F. G. (2006). Competências empreendedoras de dirigentes de empresas brasileiras de médio e grande porte que atuam em serviços da nova economia. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 10, n. 4.

MINAYO, M. C. (2007). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10 ed. São Paulo: Hucitec.

NEUENDORF, K. A. (2002). The content analysis guidebook. Sage.

PAIVA Jr; F. G. (2004). O empreendedorismo na ação de empreender: uma análise sob o enfoque da fenomenologia sociológica de Alfred Schütz. Tese (Doutorado em Administração). Centro de Pesquisa e Pós-graduação em Administração. Universidade Federal de Minas Gerais.

PAIVA Jr.; F. G. (2005). O Empreendedor e Sua Identidade Cultural: em Busca do Desenvolvimento Local. In: XXIX Encontro Nacional De Pós-Graduação Em Administração. Brasília – DF.

PAIVA Jr.; F. G.; FERNANDES, N. C. M; ALMEIDA L. F. L. (2010) A Competência de Relacionamento Contribuindo para o Desenvolvimento de Capital Social da Empresa de Base Tecnológica. Revista de Negócios, vol. 15, n. 1, p. 1-28.

PAIVA Jr.; F. G.; Mello, S. C. B.; Gonçalves. (2005). Competitividade e inovação influenciando o crescimento empresarial: a perspectiva dos empreendedores de base tecnológica. XXIX Encontro Nacional De Pós-Graduação Em Administração. Brasília – DF.

PHAN, M.; STYLES, C.; PATTERSON, P. (2005). Relational competency’s role in Southeast Asia business partnerships. Journal of Business Research v. 58, p. 173-184.

Pimenta, R. B.; Lima, I. A. de, Dergint D. A. (2005). Comunicação organizacional: disciplina estratégica para a formação empreendedora em uma Instituição Federal de Ensino. XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção – Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de Nov.

RUAS, R. (2005). Gestão por Competências: uma contribuição à estratégia das organizações. In Ruas, R; Antonello, C. S. & Boff, L. H. Aprendizagem organizacional e competências: os novos horizontes da gestão. Porto Alegre: Bookman.

SAUL, Renato P. (2004). As raízes renegadas da teoria do capital humano. Sociologias, n. 12, pp. 230-273. ISSN 1517-4522.

SENHORAS, E. M. (2007). Caminhos bifurcados do desenvolvimento local - As boas práticas de gestão pública das cidades entre a competição e a solidariedade. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 3, n. 2, p. 3-26.

SIAKAS, KERSTIN V.; ERRIKOS SIAKAS. (2008). The need for trust relationships to enable successful virtual team collaboration in software outsourcing. Int. J. Technology, Policy and Management, vol. 8, n. 1.