A estrutura da capacidade de inovar das empresas brasileiras: uma proposta de construto Outros Idiomas

ID:
8601
Resumo:
Este artigo tem como objetivo identificar e verificar como são organizados os principais elementos que compõem a capacidade de inovar de empresas brasileiras. Não há um consenso teórico sobre quais recursos geram inovação, bem como sua importância relativa para o desempenho das empresas. No contexto brasileiro, merece destaque o Índice Brasil de Inovação (IBI) criado no Departamento de Política Científica e Tecnológica do Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas, que tem como proposta mensurar a capacidade de inovar das empresas através de um conjunto de indicadores relacionados com a Atividade Inovativa, Recursos Humanos, Impacto Econômico e Patentes (Furtado e Quadros, 2006). Na presente pesquisa foram utilizadas informações extraídas das bases de dados das pesquisas PINTEC/IBGE realizadas nos anos 2000, 2003 e 2005, Gazeta Mercantil e SERASA, totalizando uma amostra de 230 empresas industriais. A metodologia utilizada foi a técnica multivariada de análise fatorial, tendo em vista que a formação dos fatores possibilitaria demonstrar como os recursos destinados a inovação estão organizados. Os resultados desta investigação demonstram que os esforços das firmas para melhorar sua capacidade de inovar se estruturam em três eixos: Capital Humano, Capital Relacional e Capital Interno, expandindo assim, a organização proposta pelo IBI. A pesquisa ainda permitiu identificar que a capacidade de inovar das firmas no Brasil é mais dependente do Capital Relacional. Portanto, consegue-se ao final propor um construto inédito que demonstra a capacidade de inovar das empresas brasileiras.
Citação ABNT:
SANTOS, D. F. L.; BASSO, L. F. C.; KIMURA, H. A estrutura da capacidade de inovar das empresas brasileiras: uma proposta de construto. Revista de Administração e Inovação, v. 9, n. 3, p. 103-128, 2012.
Citação APA:
Santos, D. F. L., Basso, L. F. C., & Kimura, H. (2012). A estrutura da capacidade de inovar das empresas brasileiras: uma proposta de construto. Revista de Administração e Inovação, 9(3), 103-128.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8601/a-estrutura-da-capacidade-de-inovar-das-empresas-brasileiras--uma-proposta-de-construto/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDREASSI, Tales. Estudo das relações entre indicadores de P&D e indicadores de resultado empresarial em empresas brasileiras. 213f. Tese de Doutorado (Doutorado em Administração), Universidade de São Paulo – USP. São Paulo, 1999.

ARRUDA, Mauro; VERMULM, Roberto; HOLLANDA, Sandra. Inovação tecnológica no Brasil. A indústria em busca da competitividade global. São Paulo: Anpei, 2006.

BALDWIN, John; HANEL, Peter; SABORIUN, David. Determinants of innovative activity in canadian manufacturing firms. In. KLEINKNECHT, Alfred.; MOHNEN, Pierre. Innovation and firm performance. Econometric explorations of survey data. New York: Palgrave, 2002.

BURLAMAQUI, Leonardo; PROENÇA, Adriano. Inovação, recursos e comprometimento: em direção a uma teoria estratégica da firma. Revista Brasileira de Inovação, Campinas-SP, v. 2, n. 1, 2003, p. 79-110.

CANIELLI, Giulio; EVANGELISTA, Rinaldo; SAVONA, Maria. The impact of innovation on economic performance in services. The Services Industries Journal, London, v. 24, n. 1, 2004, p. 116-130.

CASSIOLATO, José Eduardo. et. al. Estudo comparativo do sistema nacional de inovação no Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul. Redesist. Disponível em Acesso em 05 de março de2007.

COZZARIN, BRIAN P. Innovation quality and manufacturing firm’s performance in Canada. Economics of Innovation and New Technology, Routledge. v. 13, n. 4, 2004, p. 199-216.

DEBRESSON, Christian. Economic interdependence and innovative activity. Cheltenham: Edward Elgar Publishing, 1996.

DE NEGRI, Fernanda. Inovação tecnológica e exportações das firmas brasileiras. Salvador: ANPEC, 2006.

DENYER, David; NEELY, Andy. Introduction to special issue: innovation and productivity performance in the UK. International Journal of Management Review, Oxford, v. 5/6, n. 3/4, 2004, p. 131-135.

DOSI, Giovanni. Innovation, organization and economic dynamics. Selected essays. Cheltenham: Edward Elgar Publishing, 2000.

DUGUET, Emanuel. Innovation and firm performance: econometric explorations of survey data. Journal of Economic Literature, v. 41, n. 4, 2003, p. 1322-1324.

FREEMAN, Chris. The economics of innovation. Aldershot: Edward Elgar Publishing, 1990.

FURTADO, André; QUADROS, Ruy. Construindo o IBI. Revista Uniemp Inovação, Campinas, v. 2, n. 3, 2006, p. 26-27.

GRUPP, Hariolf. Foundations of the economics of innovation. Theory, measurement and practice. Massachusetts: Edward Elgar Publishing, 1998.

HAIR Jr, Joseph F. et al. Análise Multivariada de Dados. 5a ed. Bookman : Porto Alegre, 2005.

HINLOOPEN, Jeroen. Innovation performance across Europe. Economics of Innovation and New Technology, v. 12, n. 3, 2003, p. 145-161.

HODGSON, Geofrey M. Institutional economics: surveying the 'old' and the 'new'. Metroeconomica, v. 44, n. 1, 1993, p. 1-28.

LEKACHMAN, Robert. História das Idéias Econômicas. Rio de Janeiro: Bloch, 1973.

MORGANTI, Fábio. Inovação Tecnológica e Desempenho das Empresas do Setor Químico no Brasil. 2005. 155 f. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) Departamento de Administração, Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo, 2005.

NELSON, Richard. R.; WINTER, Sidney. G. Neoclassical vs. evolutionary theories of economic growth: critique and prospectus. In: FREEMAN, Christopher (org.) Economics of Innovation. Aldershot: Edward Elgar Publishing, 2000.

NELSON, Richard R.; WINTER, Sidney G. The Schumpeterian trade off revisited. The American Economy Review. v. 72, n. 1, 1982, p. 114-132.

OECD. Measuring What People Know. France, 1996.

Palma, Manuel Antônio Molina. A Capacidade de Inovação como Formadora de Valor: Análise dos Vetores de Valor em Empresas Brasileiras de Biotecnologia. 2004. 175 f. Tese. (Doutorado em Administração). Departamento de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2004.

PAVITT, Keith. Sectoral patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory (1984). In: Freeman, Christopher (org.) Economics of Innovation. Aldershot: Edward Elgar Publishing, 2000.

PAVITT, Keith. Some foundations for a theory of the large innovation firm (1992). In. Edgerton, D. E. H. Industrial research and innovation in business. Cheltenham: Edward Elgar Publishing, 1996.

PETERAF, Margaret A. The cornerstones of competitive advantage: a resource-based view. Strategic Management Journal, v. 14, n. 3, p. 179-193, 1993

PINTO, Jefferson de Souza; ANHOLON, Rosley. A Inovação nas empresas e a necessidade de novos paradigmas em indicadores de desempenho. In: Seminários em Administração FEA-USP, 7. 2006. São Paulo: VII SEMEAD, 2006, p. 1-10.

POSSAS, Mario. A cheia do mainstream. Comentário sobre os rumos da ciência econômica. Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, 1997, p. 13-58.

SANTOS, David Ferreira Lopes. A Influência da Inovação no Desempenho das Firmas no Brasil. 2009. 323 f. Tese (Doutorado em Administração). Departamento de Administração, Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo, 2009.

SCHUMPETER, Joseph Alois. A teoria do desenvolvimento econômico. Uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e ciclo econômico. 2 ed. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

SCHUMPETER, Joseph Alois. Capitalismo, Socialismo e Democracia, Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1984.

SOLOW, Robert M. Technical change and the aggregation production function. The Review of Economics and Statistics. v. 39, n. 3, 1957, p. 312-320.

SUNDBO, Jon. The theory of innovation. Entrepreneurs, technology and strategy. Cheltenham: Edward Elgar Publishing, 1998.

TEECE, David J. Profting from technological innovation: implications for integration, collaboration, licensing and public policy. Research Policy, North Holland, v. 15, 1986, p. 283-285.

TIGRE, Paulo Bastos. Paradigmas tecnológicos e teorias econômicas da firma. Revista Brasileira de Inovação. Campinas-SP, v. 4, n. 1, 2005, p. 187-223.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 1998.