Produção integrada de maçã (PIM) – processo inovador na cadeia produtiva da maçã brasileira Outros Idiomas

ID:
8606
Resumo:
Com a implementação da Produção Integrada de Maçã (PIM), a cadeia produtiva da maçã brasileira demonstrou sua preocupação com as demandas apresentadas pelo mercado consumidor e, além disso, ratificou o papel de segmento pioneiro em inovação no agronegócio brasileiro. Assim sendo, este estudo teve como objetivos descrever a implementação da PIM, e, por meio de entrevistas com especialistas do setor que participaram dessa implementação, analisar se ela pode ser considerada um processo de inovação interativo. Também foram consultados arquivos da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) e da Associação Brasileira dos Produtores de Maçã (ABPM). Após a análise da coleta de dados, foi possível considerar a implementação da Produção Integrada de Maçã como um modelo interativo de inovação, em que o centro é uma empresa combinando interações com outra empresa ou um segmento entre as empresas individualmente e o sistema de ciência e tecnologia. Por fim, foi possível perceber ainda que a implementação da PIM foi mais um exemplo de processo inovador realizado na cadeia produtiva da maçã.
Citação ABNT:
CRUZ, M. R.; CAMARGO, M. E.; MALAFAIA, G. C.; ZANADREA, G. Produção integrada de maçã (PIM) – processo inovador na cadeia produtiva da maçã brasileira. Innovation and Management Review, v. 9, n. 3, p. 213-230, 2012.
Citação APA:
Cruz, M. R., Camargo, M. E., Malafaia, G. C., & Zanadrea, G. (2012). Produção integrada de maçã (PIM) – processo inovador na cadeia produtiva da maçã brasileira. Innovation and Management Review, 9(3), 213-230.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8606/producao-integrada-de-maca--pim------processo-inovador-na-cadeia-produtiva-da-maca-brasileira/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARDIN, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa, Edições 70.

BARROS H. M.; CLARO, D. P.; CHADDAD, F. R; (2009). Políticas para a inovação no Brasil: efeitos sobre os setores de energia elétrica e de bens de informática. Revista de Administração Pública, v. 43, n. 6, p. 1459-1486, nov./dez.

BELL, M.; PAVITT, K. (1995). The development of technological capabilities. In: Haque, I. U. (Ed.). Trade, technology, and international competitiveness. Edi Development Studies.

BESSANT, J. et al. (1994). Rediscovering continuous improvement. Technovation, v. 14, n. 1.

CHESBROUGH, H. (2006). Open innovation: the new imperative for creating and profiting from technology. EUA: Harvard Business School Publishing Corporation.

COTEC. (1998). Temaguide: a guide to technology management and innovation for companies. Valência: Ed. Fundacion Cotec.

DAMANPOUR, F. (1991). Organizational innovation: a meta-analysis of effects of determinants and moderators. Academy of Management Journal, v. 34, n. 3, p. 555-590.

DOSI, G. (1988). The Nature of Innovative Process. in Dosi, G. et al. (orgs.). Technical Change and Economic Theory. Londres & Nova York: Pinter Publisher.

DRUCKER, P. F. (1985). Innovation and entrepreneurship. New York: Harper & Row.

DRUCKER, P. F. (2002). The discipline of innovation. Harvard Business Review, p. 80-85, Aug.

EMBRAPA – EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Disponível em: http://www.embrapa.br. Acesso em dezembro de2010.

FREEMAN, C. (1974). La Teoria Economica de la Inovacion Industria. Madri: Alianza Universidad.

KLEINDORFER, P. R.; SINGAL, K.; VAN WASSENHOVE, L. N. (2005). Sustainable operations management. Production and Operations Management. v. 14, n. 4, p. 482-492.

KLINE, S; ROSENBERG, N. (1986). An Overview of Innovation. in Landau, R; Rosenberg, N. (orgs.). The Positive Sum Strategy. Washington, DC: National Academy of Press.

KÖCHE, J. C. (1997). Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e prática da pesquisa. 14. Ed. Revisada e ampliada. Petrópolis: Vozes.

KOTLER, P.; KELLER, K. L. (2006). Administração de marketing. 12. ed. São Paulo: Prentice Hall.

NELSON, R. R.; WINTER, S. (1982). An Evolutionary Theory of Economic Change. Cambridge, Mass.: Belknap Press of Harvard University Press.

OCDE-MANUAL DE OSLO. Proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. FINEP - tradução português, 2004.

OCDE. (1992). Technology and Economy – The Key Relationships, OCDE.

PENNINGS, J. (1998). Innovations as precursors of organizational performance. In: Galliers, R. D.; Baets, W. R. J (Eds.). Information technology and organizational transformation – innovation for the 21st century organization. New York: John Wiley & Sons.

ROSENBERG, N. (1979). Tecnologia y Economia. Barcelona: G. Gilli.

ROTHWELL, R. (1994). Industrial innovation: success, strategy, trends. In: Dogson, M.; Rothwell, R. (Eds.). The handbook of industrial innovation. Cheltenham, UK.

SANHUEZA, R. M. V.; OLIVEIRA, P. R. D. (2006). Resgate de macieiras antigas no estado do Rio Grande do Sul: uma opção para a manutenção da diversidade genética.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. (2005). Managing innovation: integrating technological, market and organizational change. West Sussex: John Wiley & Sons.