Relação entre orientação empreendedora, capacidade de inovação e munificência ambiental em agências de viagens Outros Idiomas

ID:
8671
Resumo:
Este estudo tem por objetivo avaliar a relação entre munificência ambiental, orientação empreendedora (OE) e capacidade de inovação gerencial e de serviços em agências de viagens a partir de um levantamento realizado com seus gestores. Para a OE, usaram-se as dimensões propostas por Miller (1983). A inovação se trabalhou desde a perspectiva organizacional e a munificência segundo Dess e Beard (1984). A abordagem do estudo foi quantitativa, com caráter descritivo-correlacional, por meio de uma survey com questionário aplicado em 91 empresas. A unidimensionalidade da OE verificou-se pela análise fatorial. Do mesmo modo para a munificência e a inovação, que estiveram representadas por um fator. Para todos os construtos se geraram os escores fatoriais e com eles se fizeram as análises estatísticas. A OE e a munificência se categorizaram como baixa (B), moderada (M), alta (A) e muito alta (MA) e as Anova com a inovação gerencial ou de serviços como dependente tiveram diferenças significativas nas comparações simultâneas. As maiores médias se relacionam às categorias A e MA. Também houve significância na comparação simultânea da Anova com munificência como preditor e OE como dependente, a maior OE se associa à maior munificência. As regressões múltiplas mostraram no caso da inovação gerencial que só a OE tem significância, já para a inovação de serviços tanto a OE quanto a munificência foram significantes. Diante dos resultados, conclui-se que existe relação positiva e significativa entre OE, munificência e capacidade de inovação.
Citação ABNT:
ESCOBAR, M. A. R.; LIZOTE, S. A.; VERDINELLI, M. A. Relação entre orientação empreendedora, capacidade de inovação e munificência ambiental em agências de viagens. Turismo: Visão e Ação, v. 14, n. 2, p. 269-286, 2012.
Citação APA:
Escobar, M. A. R., Lizote, S. A., & Verdinelli, M. A. (2012). Relação entre orientação empreendedora, capacidade de inovação e munificência ambiental em agências de viagens. Turismo: Visão e Ação, 14(2), 269-286.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8671/relacao-entre-orientacao-empreendedora--capacidade-de-inovacao-e-munificencia-ambiental-em-agencias-de-viagens/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALDRICH, H. E. Organizations and Environments. Englewood Cliffs: Prentice Hall, 1979.

BARBBIE, E. Método de pesquisa de survey. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

BARRALES-MOLINA, V.; BENITEZ-AMADO, J.; PEREZ-AROSTEGUI, M. N. Managerial perceptions of the competitive environment and dynamic capabilities generation. Industrial Management & Data Systems, v. 110, n.9, p. 1355-1384, 2010.

CARVALHO, C. E. Relacionamento entre ambiente organizacional, capacidades, orientação estratégica e desempenho: Um estudo no setor hoteleiro brasileiro. Biguaçu, 2011. Tese de doutorado, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu, 2011.

CASTROGIOVANNI, G. J. Environmental munificence: A theoretical assessment. Academy of Management Review, v. 16, n. 3, p. 542-563, 1991.

COHEN, W. M; LEVINTHAL, D. A. Absorptive capacity: a new perspective on learning and innovation. Administrative Science Quarterly, v. 35, n. 1, p. 128-152, 1990.

COVIN, J. G.; SLEVIN, D. P. A Conceptual Model of Entrepreneurship as Firm Behavior. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 16, n. 1, p. 7-26, 1991.

COVIN, J. G.; SLEVIN, D. P. Strategic management of small firms in hostile and benign environments. Strategic Management Journal, v. 10, n. 1, p. 75-87, 1989.

DALE MEYER, G.; NECK, H. M.; MEEKS, M. D. The Entrepreneurship – Strategic Management Interface. In: HITT, M.A.; IRELAND, R.D.; CAMP, S.M.; SEXTON, D.L. (Eds.) Strategic Entrepreneurship. Creating a new mindset. London: Blackwell Pub. Ltd, Cap. 2, 2002.

DESS, G. G.; BEARD, D. W. Dimensions of organizational task environments. Administrative Science Quarterly, v. 29, n. 1, p. 52 73, 1984.

DILL, W. R. Environment as an influence on managerial autonomy. Administrative Science Quarterly, v. 2, n. 4, p. 409-443, 1958.

DOUGHERTY, D.; HARDY, C. Sustained Product Innovation in Large, Mature Organizations: Overcoming Innovation-to-Organization Problems, Academy of Management Journal, v. 39, n. 5, p. 1120-1153, 1996.

DUNCAN, R. B. Characteristics of organizational environments and perceived environmental uncertainty. Administrative Science Quarterly, v. 17, p. 313 327, 1972.

ECKERMANN, B.; NAGALINGAM, S.; LIN, G. Towards the Development of a Cultural Innovation Diagnostic Tool, Tools and Methods of Competitive Engineering. Wuhan, China, pp. 727-740, 2002.

EMERY, F. E.; TRIST, E. L. The causal texture of organizational environments. Human Relations, v. 18, p. 21-31, 1965

ESCOBAR, M. A. R. Relação das capacidades dinâmicas e orientação empreendedora com o desempenho em agências de viagens moderada pelo ambiente organizacional. Biguaçu, 2012. Tese de doutorado, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu, 2012.

FUCHS, P. H.; MIFFLIN, K. E.; MILLER, D.; WHITNEY, J. O. Strategic integration: Competing in the age of capabilities. California Management Review, 42(3), 2000.

GARCIA, R.; CALANTONE, R. A critical look at technological innovation typology and innovativeness terminology: a literature review. Journal of Product Innovation Management, v. 19, n. 2, p. 110-132, 2002.

GIMENEZ, S. C.; GIMENEZ, F. A. P. Atitude empreendedora e estratégia em pequenos e médios hotéis. Revista Turismo Visão e Ação, v. 12, p. 49-72, 2010.

GORNI, P. M.; DREHER, M. T.; MACHADO, D. D. P. N. Inovação em serviços turísticos: a percepção desse processo em agências de viagens. Revista acadêmica Observatório de Inovação do Turismo, v. 4, p. 1-14, 2009.

GRANDE, J. Linking entrepreneurial orientation and dynamic capabilities: research issues and alternatives models. In: Fayolle, Alain & Paula Kyrö (Eds). The Dynamics between entreprenmeurship, environment and education. Cap. 11, Cheltenham: Edward Elgar Publishing Limited, 308 p. 2008.

GULINI, P. L.; Ambiente organizacional, comportamento estratégico e desempenho empresarial: um estudo no setor de provedores de internet de Santa Catarina. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós Graduação em Administração, Universidade do Vale do Itajaí-UNIVALI. 2005.

HAIR, J. F. JR; BLACK, W. C.; BABIN, B. J.; ANDERSON, R. E. Multivariate Data Analysis. 7. ed. New York: Pearson Prentice Hall, 2010.

HURLEY, R. F.; HULT, G. T. M. Innovation, Market Orientation, and Organizational Learning: An Integration and Empirical Examination. Journal of Marketing, v. 62, p. 42-54, 1998.

JAMBULINGAM, T.; KATHURIA, R.; DOUCETTE, W.R. Entrepreneurial Orientation as a Basis for Classification within a Service Industry: The case of retail pharmacy industry. Journal of Operations Management, vol. 23, p. 23-24, 2005.

JOGARATNAM, G.; TSE, E. C.; OLSEN, M. D. An empirical analysis of entrepreneurship and performance in the restaurant industry. Journal of Hospitality & Tourism Research. v. 23, n. 4, p. 339-353, 1999.

KIM, L. Imitation to Innovationi: The Dynamics of Korea’s Technological Learning. Boston: Harvard Business School Press, 1997.

LAWSON, B.; SAMSON, D. Developing Innovation Capability in Organisations: A Dynamic Capabilities Approach. International Journal of Innovation Management, v. 5, n. 3, p. 377-400, 2001.

LIAO, S. H.; FEI, W. C.; CHEN, C. C. Knowledge sharing, absorptive capacity, and innovation capability: an empirical study of Taiwan’s knowledge intensive industries. Journal of information science, v. 33, n. 3, p. 340-359, 2007.

LIAO, S. H.; WU, C. C.; HU, D. C.; TSUEI, G-A. Knowledge Acquisition, Absorptive Capacity, and Innovation Capability: An Empirical Study of Taiwan’s Knowledge-Intensive Industries. Word academy of science, v. 53, p. 160-167, 2009

LUMPKIN, G. T.; DESS, G. G. Clarifying the entrepreneurial orientation construct and linking it to performance. Academic of Management Review, v. 21, n. 1, p. 135-172, 1996.

MARIANO, A. L. Orientação empreendedora, ambiente e desempenho organizacional: um estudo nas unidades operativas do Senac na região sul do país. Dissertação de Mestrado em Administração, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu, Santa Catarina, 2011.

MARTENS, C. D. P. Proposição de um conjunto consolidado de elementos para guiar ações visando a orientação empreendedora em organizações de software. Tese de Doutorado, Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

MARTENS, C. D. P.; FREITAS, H. M. R.; BOISSIN, J. P. Elementos da inovatividade no setor software: estudo exploratório em organizações empreendedoras do Rio Grande Do Sul. Revista de Administração e Inovação, v. 8, n. 1, p. 248-279, 2011.

MELLO, S. C. B. et al. Orientação empreendedora e competências de marketing no desempenho organizacional: um estudo em empresas de base tecnológica. O&S, v. 13, n. 36, p. 185-202, 2006.

MELLO, S. C. B. et al.Maturidade empreendedora e expertise em compasso de inovação e risco: um estudo em empresas de base tecnológica. Anais... Curitiba: XXVIII EnANPAD, 2004.

MILLER, D. The correlates of entrepreneurship in three types of firms. Management Science, v. 29, n. 7, 770-791, 1983.

MILLER, D.; FRIESEN, P. H. Innovation in conservative and entrepreneurial firms: two models of strategic momentum. Strategic Management Journal, v. 3, n. 1, p. 1-26, 1982.

NELSON, R.; WINTER, S. An evolutionary theory of economic change.Cambridge: Harvard University Press, 1982.

NETO, A. F. S.; CORDEIRO, A. T. Orientação Empreendedora, Incubação e Redes de Empresas vis-à-vis Competências Mercadológicas e Desempenho: um Estudo em Empresas de Base Tecnológica. Anais... Salvador: EnANPAD, 2006.

NEWBERT, S. L. New firm formation: a dynamic capability perspective. Journal of Small Business Management, v. 43, n. 1, p. 55-77, 2005.

OECD. Oslo Manual. European Commission/Eurostat, Paris, 2005.

OLIVEIRA, D. P. R.; Planejamento Estratégico: Conceitos, Metodologia e Práticas. 13ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.

PENROSE, E. T. The Theory of the Growth of the Firm. Oxford: Brasil Blackwell, 1959.

PERDOMO-ORTIZ, J.; GONZALES-BENITO, J.; GALENDE, J. Total quality management as a forerunner of business innovation capability. Technovation, v. 26, n. 10, p. 1170-1185, 2006.

PORTO, E. C.; BRITO, L. A. L.; SILVA, A. A. da; BATAGLIA, W.; BRITO, E. Z. Ambientes Organizacionais: uma Proposta de Classificação com uso de Munificência, Dinamismo e Complexidade. BASE – Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, v. 6, p. 101-119, 2009.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, v. 68, n. 3, p. 79-91, 1990.

RAUCH et al. Entrepreneurial orientation and business performance: an assessment of past research and suggestions for the future. Entrepreneurial Theory & Practice, p. 761-787, 2009.

ROBINSON, P. B.; STIMPSON, D. V.; HUEFNER, J. C.; HUNT, H. K. An attitude approach to the prediction of entrepreneurship. Entrepreneurship theory and practice, v. 15, n. 4, p. 13-32, 1991.

ROSSETTO, C. R.; ROSSETTO, A. M. A Teoria institucional e Dependência de Recursos na adaptação organizacional: Uma visão complementar. RAE-Eletrônica, v. 4, n. 1, Jan/Jun,2005.

SANTOS, A. C. M. Z.; ALVES, M. S. P. C. Dimensões da orientação e seus diferentes impactos no desempenho de empresas instaladas em incubadoras tecnológicas da região sul do Brasil. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPAD, 33, 2009, São Paulo. Anais... São Paulo, ANPAD, 2009.

SCHUMPETER, J. A. The Theory of Economic Development: An Inquiry into Profits, Capital, Credit, Interest, and the Business Cycle. Cambridge: Harvard University Pres.; 1934.

SHARFMAN, M. P.; DEAN JR., J. W. Conceptualizing and measuring the organizational environment: a multidimensional approach. Journal of Management, v. 17, n. 4, p. 681-700, 1991.

TEECE, D. J.; PISANO, G.; SHUEN, A. Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, v. 18, p. 509-533, 1997.

TEIXEIRA, O R de P.; ROSSETTO, C. R.; CARVALHO, C. E. A relação entre o ambiente organizacional e o comportamento estratégico no setor hoteleiro de Florianópolis (SC). Turismo. Visão e Ação, v. 11, p. 157-174, 2009.

TROTT, P. Innovation Management and New Product Development, Prentice Hall Pearson, Harlow UK, 2005.

TUOMINEN, M.; HYVONEN, S. Organizational Innovation Capability: A Driver for Competitive Superiority in Marketing Channels, International Review of Retail, Distribution & Consumer Research, v. 14, n. 3, p. 277-293, 2004.

VENKATRAMAN, N. Strategic Orientation of Business Enterprises: The Construct, Dimensionality and Measurement. Management Science, v.35, n. 8, p.942-946, 1989.

VICENTI, T.; MACHADO, D. D. P. N. Ambiente de Inovação em Empresas de Software: Estudo das Diferenças entre Empresa-Mãe e seus Spinn Offs. Revista Eletrônica de Administração, v. 16, p. 1-30, 2010.

WANG, C. L.; AHMED, P. K. The Development and Validation of the Organisational Innovativeness Construct Using Confirmatory Factor Analysis. European Journal of Innovation Management, vol. 7, p. 303-310, 2004.

WERNEFELT, B. A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, v. 5, p. 171-180, 1984.

WIKLUND, J.; SHEPHERD, D. Entrepreneurial orientation and small business performance: a configurationally approach. Journal of Business Venturing, v.20, n. 1, p.71-91, 2005.

YAM, R. C. M.; GUAN, J. C.; PUN, K. F.; TANG, E. P. Y. An audit of technological innovation capabilities in Chinese firms: some empirical findings in Beijing, China, Research Policy, v. 33, n. 8, p. 1123-1140, 2004.

ZAHRA, S.; COVIN, J. G. Contextual influences on the corporate entrepreneurship performance relationship: a longitudinal analysis. Journal of Business Venturing. v. 10, p. 43-58, 1995.