Inovação social e tecnologias sociais sustentáveis em relacionamentos intercooperativos: um estudo exploratório no CREDITAG-RO Outros Idiomas

ID:
8713
Resumo:
O presente artigo, derivado do projeto de tese defendido pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, tem como objetivo apresentar uma proposta de framework que permita observar a presença de inovação social, tecnologias sociais e empreendedorismo coletivo em relacionamentos intercooperativos. As cooperativas escolhidas para análise da relação de intercooperação são as do Sistema de Cooperativas de Crédito Rural da Agricultura Familiar e Economia Solidária - CREDITAG em Rondônia. O estudo se configura como exploratório, com dados primários, coletados através de 11 entrevistas em profundidade, permitindo identificar as tecnologias sociais desenvolvidas, motivação para o empreendedorismo coletivo, despertando, nos cooperados, interesse por novas habilidades, projetando-se como um importante processo de inovação social.
Citação ABNT:
OLIVEIRA, N. D. A.; SILVA, T. N. Inovação social e tecnologias sociais sustentáveis em relacionamentos intercooperativos: um estudo exploratório no CREDITAG-RO. Revista de Administração da UFSM, v. 5, n. 2, p. 277-295, 2012.
Citação APA:
Oliveira, N. D. A., & Silva, T. N. (2012). Inovação social e tecnologias sociais sustentáveis em relacionamentos intercooperativos: um estudo exploratório no CREDITAG-RO. Revista de Administração da UFSM, 5(2), 277-295.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8713/inovacao-social-e-tecnologias-sociais-sustentaveis-em-relacionamentos-intercooperativos--um-estudo-exploratorio-no-creditag-ro/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDRÉ, Isabel; ABREU Alexandre. Dimensões e espaços da inovação social. Finisterra, XLI, 81, pp. 121-141, 2006,. Disponível em: Acesso em: 21 mai. 2011.

BAGHERI, Ali; HJORTH, Peder. Planning for Sustainable Development: a Paradigm Shift Towards a Process-Based Approach. Sustainable Development, 15, pp. 83–96, 2007.

CASTOR, Belmiro Valverde Jobim. Inovação social e desenvolvimento. In. FARFUS, Daniele;ROCHA, Maria Cristhina de Souza (orgs.). Inovações sociais. Curitiba: SESI/SENAI/IEL/UNINDUS, 2007. (COLEÇÃO INOVA; V. 2).

CHILD, John; FAULKNER, David; TALLMAN, Stephen. Cooperative strategy: managing alliances, networks and joint ventures. Oxford University Press: second edition, 2005.

CLOUTIER, J. Qu‟est-ce que l‟innovation sociale? In: CRISES. Centre de Recherche Sur Les Innovations Sociales Cahiers du CRISES. Québec, 2003.

DAGNINO, Renato Peixoto. A tecnologia social e seus desafios. In: Tecnologia social. Uma estratégia para o desenvolvimento. Fundação Banco do Brasil, Rio de Janeiro, 2004.

DAGNINO, Renato Peixoto. A tecnologia social no Brasil. In. Tecnologia social: ferramenta para construir outra sociedade. DAGNINO, Renato Peixoto (Org.) Campinas, SP: IG/UNICAMP, 2009.

DAGNINO, Renato Peixoto; BRANDÃO, Flávio Cruvinel; NOVAES, Henrique Tahan. Sobre o marco analítico-conceitual da tecnologia social. In. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento / Fundação Banco do Brasil – Rio de Janeiro: 2004.

FBB FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL. Banco de tecnologias sociais. Disponível em: Acesso em: 29 dez. 2011.

FLEURY, Sônia. Observatório da inovação social. VI Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Buenos Aires, Argentina, 5-9 Nov. 2001.

FONSECA, Rodrigo. Ciência, Tecnologia e Sociedade. In. REDE DE TECNOLOGIA SOCIAL RTS (Brasil) (Org.). Tecnologia Social e Desenvolvimento Sustentável: Contribuições da RTS para a formulação de uma Política de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação – Brasília/DF: Secretaria Executiva da Rede de Tecnologia Social (RTS), 2010.

GALERANI, Jair; BASTIANI, Ivoneti C. Rigon. A intercooperação como opção estratégica para a manutenção e crescimento dos negócios cooperativos. Perspectiva Econômica – Série cooperativismo. São Leopoldo, v.37, n.119, p. 39-64, jul./set. 2002.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HOPWOOD, Bill; MELLOR, Mary; O’BRIEN, Geoff. Sustainable development: mapping different approaches. Sustainable Development, Malden, v. 13, n. 1, p. 38-52, Feb. 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2012.

IBGE. Censo agropecuário 2006, Agricultura Familiar. Disponível em: Acesso em: 12 nov. 2011.

ITS INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL. Caderno tecnologia social: conhecimento e cidadania. ITS, fev. 2007.

IYER-RANIGA, Usha; TRELOAR, Graham. A Context for Participation in Sustainable Development. Environmental Management, Vol. 26, No. 4, pp. 349–361, 2000.

LAGO, Adriano. Fatores condicionantes do desenvolvimento de relacionamentos intercooperativos no cooperativismo agropecuário. TESE (Doutorado em Agronegócios) 2009. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

LASSANCE JR., Antonio E.; PEDREIRA, Juçara Santiago. Tecnologias sociais e políticas públicas. In. Tecnologia social: uma estratégia para o desenvolvimento / Fundação Banco do Brasil – Rio de Janeiro: 2004.

LEITE, João Salazar. Princípios cooperativos. Cases, 2010. Disponível em: http://www. cases.pt/atividades/estudos-e-publicacoes Acesso em: 10 abr. 2012.

LÈVESQUE, Benoît. Empreendedor coletivo e economia social: outra forma de empreender. Revista virtual de gestão de iniciativas sociais. 1a. primeira, p. 44-64, out-2004. Disponível em: Acesso em: 8 jul. 2011.

MASERA, Omar; ASTIER, Marta; LÓPEZRIDAURA, Santiago. Sustentabilidade y manejo de recursos naturales. El marco de evaluación MESMIS. México, 2000.

MAUERHOFER, Volker. 3-D Sustainability: an approach for priority setting in situation ofconflicting interests towards a Sustainable Development. Ecological Economics. Vol. 64, pp. 496-506, 2008.

MEBRATU, Desta. Sustainability and sustainable development: historical and conceptual review. Environ Impact Asses Rev, n.18, pp. 493–520, 1998.

MELO NETO, Francisco de Paulo de; FROES César. Empreendedorismo social: a transição para a sociedade sustentável. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2002.

MORALES GUTIÉRREZ, Alfonso Carlos. Innovación social: un ámbito de interés para los servicios sociales. EKAINA, Junio, 2009. Universidad de Córdoba. Disponível em: Acesso em: 2 jul. 2011.

MOULAERT, F. et al. Towards alternative model(s) of local innovation. Urban Studies, v. 42, n. 11, p. 1969-1990, 2005.

MULGAN, Geoff et al. Social Innovation: what it is, why it matters and how it can be accelerated. OXFORD said Business School, 2006. Disponível em: Acesso em: 06 jul. 2011.

NOVKOVIC, Sonja. Defining the co-operative difference. The Journal of Socio-Economics, vol. 37, pp. 2168–2177, 2008.

OCB-ORGANIZAÇÃO DAS COOPERATIVAS BRASILEIRAS. Princípios do cooperativismo. Disponível em: Acesso em: 20 nov. 2011.

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Manual de gestão das cooperativas: uma abordagem prática. São Paulo: Atlas, 2001.

PEDROZO, Eugênio Ávila; SILVA, Tânia Nunes da. Cooperativa, uma organização diferenciada rumo à sustentabilidade. ANÁLISE. Porto Alegre. V 10, n. 2, p. 47-74, 1999.

PEREIRA, Breno Augusto Diniz et al. Desistência da cooperação e encerramento de redes interorganizacionais: em que momento essas abordagens se encontram? Revista de Administração e Inovação. São Paulo, v. 7, n. 1, p. 62-83, jan./mar . 2010.

PHILLS JR., James A.; DEIGMEIER, Kriss; MILLER, Dale T. Rediscovering social innovation. Stanford Social Innovation Review, Fall, p. 34-43, 2008.

ROBÈRT, Karl-Henrik. Tools and concepts for sustainable development, how do they relate to a general framework for sustainable development, and to each other? Journal of Cleaner Production, Vol. 8, p. 243-254, 2000.

ROBINSON, John. Squaring the circle? Some thoughts on the idea of sustainable development. Ecological Economics, V. 48, p. 369-384, 2004.

ROLLIN, J.; VICENT, V. Acteurs et processus d’innovation sociale au Québec. Québec: Université du Québec, 2007.

RTS. Rede de tecnologia social Conceito de tecnologia social. Disponível em: Acesso em: 01 dez. 2011a.

RTS. Rede de tecnologia social. Instituições integrantes. Disponível em: Acesso em: 29 dez. 2011b.

SACHS, Ignacy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. 2. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento includente, sustentável e sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SACHS, Ignacy. Dilemas e desafios do desenvolvimento sustentável no Brasil. In. NASCIMENTO, Elimar Pinheiro do; VIANNA, João Nildo (Orgs). Ideias Sustentáveis – Primeiras Intervenções. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

SCHÖNARDIE, Paulo Alfredo; FRANTZ, Walter. Movimento cooperativo: processo de Inclusão social de agricultores familiares. V encontro de pesquisadores latino-americanos de cooperativismo. Agosto de 2008, São Paulo. Disponível em: acesso em: 5 jan. 2012.

SILVA, Josenildo de Souza e (ORG.). Pernambiental: construção participativa e regional da legislação ambiental de Pernambuco. Recife: Editora: Gráfica Santa Maria, 2010.

SILVA, Tania Nunes da; LENGLER, Letícia. Sustentabilidade, empreendedorismo e cooperação em associações de apicultores da região central do Rio Grande do Sul. Revista da Micro e Pequena Empresa, Campo Limpo Paulista, v.2, n.2, p.40-57, 2008.

TAYLOR, JAMES B. Introducing Social innovation. The Journal of Applied Behavioral Science, vol. 6, n. 1, pp. 69-77, March 1970.

THOMAS, Hernán Eduardo. Tecnologias para Inclusão Social e Políticas Públicas na América Latina. In. OTTERLOO, Aldalice et al. Tecnologias sociais: caminhos para a sustentabilidade – Brasília/DF: s.n, 2009.

TRIVIÑOS, Augusto Nibaldo Silva. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2011.

WCED World Comission on Environmental and Development. Our Common Future. Oxford: Oxford University Press, 1987.

WESTLEY, Frances. The social innovation dynamic. Papers on Social Innovation, Waterloo, Oct. 2008. Disponível em: < http://sig. uwaterloo.ca/sites/default/files/documents/ TheSocialInnovationDynamic_001_0.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2012.