Características de empreendedorismo internacional no processo de internacionalização: um estudo de caso na empresa Menendez & Amerino Outros Idiomas

ID:
8726
Resumo:
A presente pesquisa objetiva identificar as características do empreendedorismo internacional envolvidas na internacionalização da Menendez Amerino, uma empresa de origem cubana que atua no segmento de charutos e cigarrilhas. O referencial teórico analisa, inicialmente, os conceitos e a evolução da internacionalização, trazendo como norteador teórico as principais teorias da internacionalização, para, posteriormente, definirem-se os conceitos de empreendedorismo internacional. Apresentam-se também os fatores de intersecção entre os conceitos-chave das teorias de internacionalização e do empreendedorismo Internacional. Para a obtenção dos dados, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com a gerência da Menendez Amerino. Empregou-se, na análise do conteúdo, o software Atlas ti. Utilizando-se uma abordagem qualitativa, foi realizado um estudo de caso. As análises realizadas deixaram perceptível que os relacionamentos que a gerência possuía foram fundamentais na internacionalização. Identificou-se ainda que fatores como a localização, clima etc. impulsionaram a empresa no momento de internacionalizar-se. Percebe-se também que a empresa foi instalada em São Gonçalo visando a fatores estratégicos, como salário, matéria-prima e tradição que a Bahia tem em outros mercados, sendo considerada com uma região fumageira. Finalmente, espera-se que a identificação dessas características possa nortear as ações de empresas que almejam, de maneira mais expressiva, o mercado externo.
Citação ABNT:
SILVA, I. M.; CHAGAS, A. C. C. D.; SIQUEIRA, S. V. Características de empreendedorismo internacional no processo de internacionalização: um estudo de caso na empresa Menendez & Amerino. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, v. 7, n. 2, p. 107-136, 2012.
Citação APA:
Silva, I. M., Chagas, A. C. C. D., & Siqueira, S. V. (2012). Características de empreendedorismo internacional no processo de internacionalização: um estudo de caso na empresa Menendez & Amerino. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 7(2), 107-136.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8726/caracteristicas-de-empreendedorismo-internacional-no-processo-de-internacionalizacao--um-estudo-de-caso-na-empresa-menendez---amerino/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVES-MAZZOTI, A. J.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas ciências sociais naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 2 ed. São Paulo: Pioneira, 2001. 203p.

ANDERSSON, U.; JOHANSON, J., VAHLNE, J.-E.. Organic Acquisitions in the Internationalization Process of the Business Firm. Management International Review, v. 37, n. 2, p. 67-84, 1997.

BARBOSA, L.. Igualdade e meritocracia: a ética do desempenho nas sociedades modernas. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2001.

BARNEY, J. Firm Resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v.17, n.1, p. 99-120, 1991.

BJORKMAN,I; FORSGREN,M. Nordic international business research: a review of its development. Internacional Studies of Management and Organization, v.30, nº1, 2000.

BOGDAN,R; BIKLEN,S,K. Investigação Qualitativa em Educação. Porto: Porto, 1994.

CZINKOTA, M. R.; RONKAINEN, I. A. Marketing internacional. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

DALMORO, M.. Empreendedorismo internacional: convergência entre o processo de internacionalização da empresa e a atividade empreendedora. FACEF PESQUISA, v.11, n.1, 2008.

DIMITRATOS, P.; PLAKOYIANNAKI, E. Theoretical foundations of international entrepreneurial culture. Journal of International entrepreneurship, v. 1, n. 2, 2003.

DORNELAS, J.C. A.. Empreendedorismo Transformando Idéias em Negócio. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

DRUCKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor. 2.ed. São Paulo: Pioneira, 1987.

DUNING, J. H. The ecletic paradigm of international production: a restatment and some possible extensions. Journal of International Business Studies, v. 19, n. 1, p. 131, 1988.

DUNNING, J.H. Multinational Enterprises and the Global Economy.1993.

FILION, L.J. Empreendedorismo: empreendedores e proprietários-gerentes de pequenos negócios. RAUSP – Revista de Administração da Universidade de São Paulo. SP, abril/jun.1999.

FILION, L. J. O Planejamento do seu sistema de aprendizagem empresarial: Identifique uma visão e avalie o seu sistema de relações. RAE – Revista de Administração de Empresas, FGV, São Paulo, v. 31, n.3, jul.-set. ,p 63-71.1991.

FILION, L. J. Visão e relações: Elementos para um metamodelo empreendedor. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 3, n. 6, p. 50-61, nov./dez. 1993.

GARTNER,W.B. A conceptual framework for describing the phenomenon of new venture creation. Academy of Management Review, v. 10, n 4, p. 696-706, 1985.

HILAL, A.; HEMAIS, C. A. O processo de internacionalização da firma segundo a escola nórdica. In: ROCHA, Â.. A Internacionalização das Empresas Brasileiras: Estudos de Gestão Internacional. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

HOFSTEDE, G.. National Cultures in for dimensions: a research -based theory of cultural differences among Nations. International Studies of Management and Organization, v. XIII, n. 1-2, p. 46-74.1983.

JOHANSON,J.;VAHLE, J. The internationalization process of the firm – A model of knowledge development ad increasing foreign market commitments. Journal of International Business studies, v. 8, p. 23 -32, spring, 1977.

KOTTER, J.P.; HESKETT,J. Corporate Culture and Performance. New York: Simon e Schuster, 1997.

KOVACS, E.P, MORAES, Walter A. F., OLIVEIRA, Brigitte R. Redefinindo conceitos: um ensaio teórico sobre os conceitos-chave das teorias de internacionalização. REGE. Revista de Gestão USP, v. 14, p. 17-29, 2007.

LUMPKIN,G.T; DESS,G.G. Clarifying the entrepreneurial orientation construct and linking it to performance. Academy of Management Review, v.21, n.1, p. 135-172, 1996.

MCDOUGALL, P. P. International entrepreneurship: The intersection of two paths. Guest Editor's Introduction. Academy of Management Journal, v. 43, n. 5, p. 902908, 2000.

MCDOUGALL, P.P., SHANE, S.; OVIATT, B.M. Explaining the formation of international new ventures: The limits of theories from international business research. Journal of Business Venturing, p. 469-487,1994.

MERRIAM, S. B. Qualitative research and case study applications in education. San Francisco: Jossey-Bass, 1998.

MOREIRA, V. F. Processo de Formação das Estratégias em uma Organização Empreendedora: o caso da Satélite Distribuidora de Petróleo S.A. Dissertação de Mestrado em Administração, Programa de Pós-Graduação em Administração -PROPAD. Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife, 2007.

PATTON, M. Q. Qualitative research and evaluation methods. California: Sage Publication, 2001.

PENROSE, E. T. The theory of the growth of the firm. 3 ed. Oxford: Oxford University Press. 1959.

PORTER, M. E. Estratégia Competitiva, técnicas para a análise de indústrias e da concorrência.7 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1987.

PORTER, M. E. Vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Campus, 1993.

PROPAD. Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife, 2007.

ROBBINS, S. P. A verdade sobre gerenciar pessoas. São Paulo: Pearson Education, 2003.

SCHUMPETER, J. Capitalismo, Socialismo e Democracia. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

SCHUMPETER, J. O Fenômeno Fundamental do Desenvolvimento Econômico. In: A Teoria do Desenvolvimento Econômico. Rio de Janeiro: Nova Cultural, 1985.

SILVA, I. M. A cultura organizacional na globalização. Revista das Faculdades Adventistas da Bahia, Cachoeira, v.2, n.2, 2008.

SPRADLEY, J. Participant observation. Fort Worth: Harcourt Brace College Publishers, 1980.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VERNON, R.. International Investment and International Trade In the Product Cycle. Quarterly Journal of Economics, may, 1966.

VOERMAN, L. The export perfomance of SMEs. Alblasserdam: Labirint Publications, 2003.

ZAHRA, S; GEORGE, G.. Absorptive capacity: A review, reconceptualization, and extension. Academy of Management Review, v. 27, n 2, p. 185-203, 2002.