O processo de Coping em funcionários de uma instituição financeira que vivenciaram uma operação de aquisição Outros Idiomas

ID:
8873
Resumo:
A complexidade no ambiente organizacional ocasionalmente desencadeia mudanças abruptas e constantes e, por conseguinte geram situações adversas a serem enfrentadas pelas pessoas no ambiente de trabalho, pois um novo contexto emerge deste processo, surgindo então à necessidade de adaptação a esta nova realidade. Para se adaptarem e enfrentarem tais situações adversas, por vezes, emerge nas pessoas a capacidade de desenvolver mecanismos de proteção internos, denominado de coping. O processo de coping consiste na reinterpretação da situação aversiva vivenciada, de modo que esta reinterpretação possibilita a flexibilização do comportamento e das ações das pessoas, face aos fatores de risco que geraram a vulnerabilidade delas a situação. Sendo assim, o objetivo principal neste artigo foi compreender o processo de coping em trabalhadores de uma instituição financeira que se depararam diante de uma situação adversa, consequência de uma mudança radical ocorrida no ambiente de trabalho. A pesquisa é descritiva, qualitativa, corte temporal seccional com perspectiva longitudinal. Concluiu-se que houve indícios de processo de coping nos funcionários que vivenciaram a operação de aquisição, e permaneceram trabalhando na instituição adquirente.
Citação ABNT:
RODRIGUES, M. L.; SACHUK, M. I.; SILVA, A. L. O processo de Coping em funcionários de uma instituição financeira que vivenciaram uma operação de aquisição. Revista Organizações em Contexto, v. 8, n. 16, p. 1-27, 2012.
Citação APA:
Rodrigues, M. L., Sachuk, M. I., & Silva, A. L. (2012). O processo de Coping em funcionários de uma instituição financeira que vivenciaram uma operação de aquisição. Revista Organizações em Contexto, 8(16), 1-27.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8873/o-processo-de-coping-em-funcionarios-de-uma-instituicao-financeira-que-vivenciaram-uma-operacao-de-aquisicao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANTONIAZZI, ADRIANE SCOMAZZON; DELL’AGLIO, DÉBORA DALBOSCO; BANDEIRA, DENISE RUSCHEL. O conceito de coping: uma revisão teórica. Estudos de Psicologia. Natal, v. 3, n. 2, p. 273-294, jul./dez. 1998.

ANTONIAZZI, ADRIANE SCOMAZZON. Desenvolvimento de instrumentos para a aplicação de coping em adolescentes brasileiros. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia do Desenvolvimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 1999.

BARLACH, LISETE; LIMONGI, ANA CRISTINA; MALVEZZI, SIGMAR. O conceito de resiliência aplicado ao trabalho nas organizações. Interamerican Journal of Psychology, vol. 42, n. 001, p. 101-112, 2008.

BARLACH, LISETE. O que é resiliência humana? Uma contribuição para a construção do conceito. 2005. 108 p. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2005.

BARLACH, L.; MALVEZZI, S. Human resilience: what is it? A conceptual review. Saarbrucken, Deutschland: VDM Verlag, 2010.

BEUTLER, LARRY F.; MOOS, RUDOLF H.; LANE, GEOFFREY. Coping, Treatment Planning, and Treatment Outcome: Discussion. Journal of Clinical Psychology, vol. 56, n. 10, p. 1.1511.167, 2003.

BOUCHARD, GENEVIÈVE; GUILLEMETTE, ANNIE; LANDRY-LÉGER, NICOLE. Situacional and Dispositional Coping: An Examination of their Relation to Personality, Cognitive Appraisals, and Psychological Distress. European Journal of Personality, vol. 18, p. 221-238, 2004.

CANGUSSU, EWERTON TAVEIRA. A resiliência nos empreendedores egressos do Banco do Brasil. 2008. 113 p. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Estadual de Londrina e Universidade Estadual de Maringá (PPA – UEL/UEM). Londrina, 2008.

DELL’AGLIO, DÉBORA D.; HUTZ, CLÁUDIO S. Estratégias de coping e estilo atribucional de crianças em eventos estressantes. Estudos de Psicologia, v. 7, n. 1, p. 5-13, 2002.

FOLKMAN, S.; LAZARUS, R. S. An analysis of coping in a middle-aged community sample. Journal of Health and Social Behavior. v. 21, p. 219-239, 1980.

GALLENDE, EMILIANO. Subjetividad y resiliencia: del azar y la complejidad. In: MELILLO, ALDO; OJEDA, E. N. S.; RODRIGUEZ, D. (org.). Resiliencia y subjetividad: los ciclos de La vida. Buenos Aires: Paidós, 2004.

PERLIN, LEONARD I.; SCHOOLER, CARMI. The Structure of Coping. Journal of Health and Social Behavior, vol. 19, n. 1, p. 2-21, mar. 1978.

TAVARES, JOSÉ; YUNES, MARIA A. M.; SZYMANSKI, HELOÍSA; PEREIRA, ANABELA M. S.; RALHA-SIMÕES, HELENA; CASTRO, MARIA A. C. D. de. Resiliência e educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

TRIVIÑOS, AUGUSTO N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

YUNES, MARIA A. M.; SZYMANSKI, HELOISA. Resiliência: noção, conceitos afins e considerações críticas. In: TAVARES (Org.). Resiliência e educação. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2001, p. 13-43.