A perspectiva responsável do Marketing e o consumo consciente: uma interação necessária entre a empresa e o consumidor Outros Idiomas

ID:
8875
Resumo:
Ao se considerar a relação entre os padrões de consumo atuais e o comportamento do consumidor, surge o debate acerca de um novo perfil de consumidor que passa a ponderar os impactos positivos e negativos das suas aquisições, o consumidor consciente. Percebe-se que a abordagem do marketing 3.0, que consiste numa perspectiva de reflexão sobre as questões de sustentabilidade (KOTLER et al., 2010), pode ser trabalhada no sentido de melhorar o elo criado entre empresa e consumidor. Nesse sentido, é objetivo desse artigo entender como o marketing 3.0 pode facilitar a efetivação do consumo consciente, a partir do perfil de consumo do recifense, considerando o destaque da cidade no contexto nacional. Com uma pesquisa exploratória-descritiva e abordagem quantitativa e qualitativa, houve a aplicação de 601 questionários, que foram analisados a partir das técnicas estatísticas descritivas, análise fatorial e de correlação (MALHOTRA, 2006; KLEM, 1995; HAIR et al., 2005). A partir da apreciação quanto às atitudes e comportamentos de consumo, identificaram-se práticas conscientes de consumo, com o qual as empresas podem incorporar as suas práticas mercadológicas a para melhor interação com o consumidor, realizando uma educação para o consumo daqueles que não estejam envolvidos com a perspectiva.
Citação ABNT:
SILVA, M. E.; AGUIAR, E. C.; FALCÃO, M. C.; COSTA, A. C. V. A perspectiva responsável do Marketing e o consumo consciente: uma interação necessária entre a empresa e o consumidor. Revista Organizações em Contexto, v. 8, n. 16, p. 61-90, 2012.
Citação APA:
Silva, M. E., Aguiar, E. C., Falcão, M. C., & Costa, A. C. V. (2012). A perspectiva responsável do Marketing e o consumo consciente: uma interação necessária entre a empresa e o consumidor. Revista Organizações em Contexto, 8(16), 61-90.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8875/a-perspectiva-responsavel-do-marketing-e-o-consumo-consciente--uma-interacao-necessaria-entre-a-empresa-e-o-consumidor/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Referências:
AMA – American Marketing Association. Marketing Concept.Recuperado em 2011. Disponível em: Acesso em: abr.2011.

ASSADOURIAN, E. Ascensão e queda das culturas de consumo. In: WORLDWATCH INSTITUTE. Estado do Mundo, 2010: estado do consumo e o consumo sustentável. Salvador: Uma Ed., 2010.

BARBIERI, J. C.; CAJAZEIRA, J. E. R. Responsabilidade social empresarial e empresa sustentável. São Paulo: Saraiva, 2009.

BAUDRILLARD, J. A sociedade de consumo. Lisboa: Arte & Comunicação, 2007.

BUARQUE, S. C. Construindo o desenvolvimento local sustentável. 4a. ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

BUENSTFORT, G.; CORDES, C. Can sustainable consumption be learned? A model of cultural evolution. Ecological Economics. p. 646-657. 2008.

CANEPA, C. Cidades sustentáveis: o município como lócus da sustentabilidade.São Paulo: RCS Editora, 2007.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2a. ed. Porto Alegre: Bookman, 2007.

CRONBACH, L. J. Coefficient alpha and the internal structure of tests. Psychometrika, v. 16, n. 3, p. 297-334. 1951.

FABI, M. J. S.; LOURENÇO, C. D. S.; SILVA, S. S. Consumo Consciente: a atitude do cliente perante o comportamento sócio-ambiental empresarial. In: IV Encontro de Marketing da ANPAD. Florianópolis: 2010.

FURRIELA, R. B. Educação para o Consumo Sustentável.Ciclos de Palestras sobre o Meio Ambiente. 2001. Arquivo Capturado da Internet. Acesso em: mar.2010.

HAIR, J.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L.; BLACK, W. C. Multivariate Data Analysis. (2005). 5a. ed. New Jersey: Upper Saddler River, NJ. Prentice Hall.

HOLBROOK, M. B; HIRSCHMAN, E. C. The experiential aspects of consumption: consumer fantasies, feelings and fun. Journal of Consumer Research, v. 9, set. 1982.

INSTITUTO AKATU. Como e porque os brasileiros praticam o consumo consciente? São Paulo: Instituto Akatu, 2007.

INSTITUTO AKATU. O que é Consumo Consciente? 2010. Disponível em: . Acesso em: jul.2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Perfil da população recifense. 2009. Disponível em: Acesso em: dez.2010.

JONES, P.; CLARKE-HILL, C.; COMFORT, D.; HILLIER, D. Marketing and sustainability. Marketing Intelligence & Planning.V. 16, n. 2, p. 123-130. 2008.

JONES, P.; COMFORT, D.; HILLIER, D. Marketing sustainable consumption within stores: A case study of the UK’s leading food retailers. Sustainability. p. 815-826. 2009.

KLEM, L. Path analysis: Reading and understanding multivariate statistics. Washington: American Psychological Association. 1995.

KOTLER, P. A generic concept of marketing. Journal of Marketing, v. 36. p. 46-54, 1972.

KOTLER, P.; ARMSTRONG, G. Princípios de Marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

KOTLER, P.; KARTAJAYA, H.; SETIAWAN, I. Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

KRUGLIANSKAS, I.; ALIGLERI, L.; ALIGLERI, L. A. Gestão socioambiental: responsabilidade e sustentabilidade do negócio. São Paulo: Atlas, 2009.

LAVILLE, É. A empresa verde. São Paulo: ÕTE, 2009.

MALHOTRA, N. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada.4a. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MARI, C. Doctoral education and transformative consumer research. Journal of Marketing Education, v. 30, 2008.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas, 2009.

MICHAELIS, L. The role of business in sustainable consumption. Journal of Cleaner Production, v. 11, p. 915-921. 2003.

MICK, D. Presidential Address: Meaning and mattering through transformative consumer research. Advances in Consumer Research33, 2006.

MUSTER, V. Companies promoting sustainable consumption of employees. Journal of consumer policy. Springer Science. 2010.

NASCIMENTO, L. F.; LEMOS, Â. D. C.; MELLO, M. C. A. Gestão socioambiental estratégica. Porto Alegre: Bookman, 2008.

PINE, J. B.; GILMORE, J. H. The experience economy: Work Is Theatre Every Business a Stage.Boston:Harvard Business School Press, 1999.

PINE, J. B.; GILMORE, J. H. Welcome to the expe rience economy. Harvard Business Review, v. 76. p. 97-105, 1998.

PORTER, M. E.; VAN DER LINDE, C. Green and competitive: Ending the stalemate. Harvard Business Review, set./out., p. 120-134. 1995.

RICHARDSON, R. J.; PERES, J. A. S.; WANDERLEY, J. C. V; CORREIA, L. M.; PERES, M. H. M. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3a. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

SANTOS, C. F. S. O. O comportamento socioambiental de empresas do arranjo produtivo local de confecções do agreste pernambucano, na percepção de seus principais stakeholders. 233p. Dissertação (Mestrado em Administração). Programa de Pós-Graduação em Administração. Universidade Federal de Pernambuco. Recife: 2010.

SCHMITT, B. Experiential Marketing. Journal of Marketing Management. v. 15, p. 53-67, 1999.

SCHUMACHER, E. F. Lo pequeño es hermoso. Espana: Tursen S/A, 2001.

SILVA, M. E. Consumo Sustentável: Em busca de um constructo. In: XII Encontro Internacional de Gestão Empresarial e Meio Ambiente. São Paulo: FGV-EAESP, 2010.

SILVA, M. E.; GÓMEZ, C. P. Consumo Consciente: O papel contributivo da educação. Revista Reuna, v. 15, n. 3, p. 43-54. 2010.

SOLOMON, M. R. Comportamento do Consumidor.Bookman: Porto Alegre, 2011.

TAYLOR, B. Encouraging industry to assess and implement cleaner production measures. Journal of Cleaner Production, v. 14, p. 601-609. 2006.

TUKKER, A; EMMERT, S.; CHARTER, M.; VEZZOLI, C.; STO, E.; ANDERSEN, M. M.; GEERKEN, T.; TISCHNER, U.; LAHLOU, S. Fostering change to sustainable consumption and production: an evidence based view. Journal of Cleaner Production. v. 16, p. 1218-1225. 2008.

VIEIRA, D. M. O consumo socialmente irresponsável.In: IV Encontro de Marketing da ANPAD. Florianópolis: ANPAD, 2010.

VOSS, C.; ROTH, A. V.; CHASE, R. B. Experience, service operations strategy, and service as destinations: foundations and exploratory investigation. Production and Operations Management. v. 17, n. 3, p. 247-266, 2008.

WCED – World Comission on Environment and Development. Report Our commom future.Genebra, 1987. Disponível em: . Acesso em: set.2010.

ZOMERDIJK, L. G.; VOSS, C. A. Service design for experience-centric services. Journal of Service Research. v. 13, p. 67-82, 2010.