Governo eletrônico: introdução do SPED em Portugal baseado no modelo brasileiro Outros Idiomas

ID:
8907
Resumo:
Este estudo apresenta a realidade brasileira e portuguesa em matéria tributária, com o propósito de comparação das práticas fiscais nos dois países, demonstrando as características do Sistema Público de Escrituração Digital - SPED no Brasil, desenvolvendo uma troca de experiências com o objetivo de implantação do SPED em Portugal. Neste sentido realizou-se uma análise documental de revisão de literatura, focada na implantação do SPED em Portugal baseada na experiência brasileira. O Estudo conclui que a implantação do SPED em Portugal, com base na experiência brasileira, contribuiria para uma maior troca e padronização das informações contábeis e fiscais; redução dos custos de cumprimento; otimização das obrigações acessórias para os contribuintes; criação de um fluxo de informação mais abrangente que permitiria a identificação de ilícitos tributários; e uma maior aproximação entre os dois setores público e privado.
Palavras-chave:
Citação ABNT:
MENEZES, J. P. C. B.Governo eletrônico: introdução do SPED em Portugal baseado no modelo brasileiro. Revista Economia & Gestão, v. 12, n. 29, p. 4-16, 2012.
Citação APA:
Menezes, J. P. C. B.(2012). Governo eletrônico: introdução do SPED em Portugal baseado no modelo brasileiro. Revista Economia & Gestão, 12(29), 4-16.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8907/governo-eletronico--introducao-do-sped-em-portugal-baseado-no-modelo-brasileiro/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alexandre, M. A. (2007). A troca de informações como base fundamental para o controlo do IVA nas transações intracomunitárias de bens na União Europeia. Cadernos de Ciência e Técnica Fiscal, n. 202, p. 241-268.

Baptista, J.; Conferência Impacto da Fatura Electrónica na Redução do Deficit Público. Auditório do Centro de Informação Urbana de Lisboa, realizado em 30 de Junho de 2010. Disponível em http://www.apdsi.pt/getfile.php?id_file=1536 [Acesso em 23 Agosto de 2010].

Campos, R.; Marques C. A Evolução e o Futuro do Governo Electrónico, Instituto Politécnico de Tomar, EATIS 2007.

Campos, R.; Marques, C. O Governo Electrónico e os Sistemas de Informação Públicos em Portugal, Instituto Politécnico de Tomar CISTI 2006.

Diniz, E. H.; Barbosa, A. F.; Junqueira, A. R. B.; Prado, O. O governo eletrônico no Brasil: perspectiva histórica a partir de um modelo estruturado de análise. Revista de Administração Pública 43(1), 23-48, 2009.

Dutra, E.; Prefácio, em Silva, J. R.; Barbosa, A. C. Q. (Eds.). Estado, Empresas e Sociedade Um Mosaico Luso-Brasileiro, Lisboa: Editora Colibri, 2010.

Faria, A C de; Finatelli, J. R.; Geron, C. M. S.; Romeiro, M do C.; SPED Sistema Público de Escrituração Digital: Percepção dos contribuintes em relação os impactos da adoção do SPED, 10º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, 2010.

Finanças, Direção Geral dos Impostos, Downloads, 2011. Disponível em: http://www.portaldasfinancas.gov.pt/pt/menu.action?pai=348 [Acesso em 18 de janeiro de 2011].

Helbig, N. C.; Gil-García, J. R.; Ferro, E.; Understanding the Complexity in Electronic Government: Implications from the Digital Divide literature, Digital Government: Implications from the Digital Divide. Americas Conference on Information Systems, Omaha, NE, USA August 11 th -14 th 2005.

Junqueira, A. R. B. Implementação de projetos de governo eletrônico com múltiplas agências: uma análise dos fatores críticos de sucesso do projeto nota fiscal eletrônica sob a ótica do PMBOK. São Paulo: Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, 2007.

Lopes, C. M. M. Os Custos de um sistema fiscal: Identificação e caracterização, em Instituto Superior de Gestão (Ed.), Fiscalidade – Revista de Direito e Gestão Fiscal 29, Lisboa: Coimbra Editora, 29-45, 2007.

Marreiros, J. M. M.; Marques, M. H. Sistema Fiscal Português Códigos Fiscais e Outra Legislação Fundamental. 7ª ed. Lisboa: Áreas Editora, 2010.

Mateus, J. C. O Governo Electrónico, a sua aposta em Portugal e a importância das Tecnologias de Comunicação para a sua estratégia. Revista de Estudos Politécnicos VI(9), 1-26, 2008.

Matos, D. S.; Costa, G. B. da; Pereira, S. A.; Locks, R.; Governança Eletrônica na Administração Pública: Estudo de caso sobre a nota fiscal eletrônica NF-E. 18º Congresso Brasileiro de Contabilidade, 2008.

OCDE, OECD Economic Surveys: Brazil. July, 2009.

OCDE, Tax Administration in OECD and Selected Non-OECD Countries: Comparative Information Series. (2008). January, 2009.

PWC PriceWaterhouseCoopers. A Study on the Invoicing Directive (2001/115/EC) now incorporated into the VAT Directive (2006/112/EC) Final Report to the European Commission, 2009. Disponível em: http://www.pwc.com/be/en/publications/study-on-theinvoicing-directive.jhtml. [Acesso em 15 de dezembro de 2010].

Stiglitz, J. (1999), Economics of the Public Sector. 3ª ed. New York: Norton & Company.

Tavares, J.; Antunes, A.; Ribeiro, C.; Gamito, C.; Fernámdez, F.; Silva, F.; Seruya, J.; Silva, P. Fatura Electrónica – Instrumento da Sociedade de Informação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2008.

UMIC, Guia da fatura electrónica Contributo para a modernização das empresas e do estado, Agência para a Sociedade do Conhecimento, 2006. Disponível em http://www.umic.pt/images/stories/publicacoes/guia_factura_electronica.pdf [Acesso em 10 Outubro de2010]