Aprendizagem organizacional a partir das práticas de educação a distância da Escola de Administração/UFRGS Outros Idiomas

ID:
8956
Resumo:
Estudos sobre aprendizagem e Educação a Distância (EAD) são encontrados em diversos meios de publicação. Entretanto, a articulação entre estas duas temáticas ainda se encontra como um campo aberto a novos debates. Para contribuir com esta discussão, o objetivo desse estudo é analisar o modo como ocorreu o processo de aprendizagem organizacional na EA/UFRGS, a partir das experiências dos cursos de EAD por ela ofertados no período de 2005 a 2010. Para isso, utilizamos um método qualitativo estudo de caso, analisando a gestão de quatro cursos de EAD da EA/UFRGS. Os dados foram obtidos através de  documentos e da observação participante e foram analisados através do emprego da técnica qualitativa da análise interpretativa. Os resultados demonstram que uma série de práticas e papéis foram estabelecidas e alteradas mais através de um processo de tentativa e erro, do que fruto de ações coordenadas, planejadas e formalizadas pelos membros das equipes de EAD. Concluímos, que as práticas refletidas, mantidas e/ou alteradas adotadas na gestão dos cursos de EAD da EA/UFRGS resultaram em aprendizagem organizacional. Porém, a ação integrada de debate e avaliação das rotinas entre os gestores dos quatro cursos analisados, poderia trazer mais benefícios à instituição. O que poderia também reduzir a subjetividade das ações administrativas e pedagógicas.
Citação ABNT:
SILVA, F. M.; CARVALHO, M. C. D. S.; COSTA, C. F.; RHODEN, M. I. D. S. Aprendizagem organizacional a partir das práticas de educação a distância da Escola de Administração/UFRGS. REAd. Revista Eletrônica de Administração, v. 18, n. 3, p. 829-857, 2012.
Citação APA:
Silva, F. M., Carvalho, M. C. D. S., Costa, C. F., & Rhoden, M. I. D. S. (2012). Aprendizagem organizacional a partir das práticas de educação a distância da Escola de Administração/UFRGS. REAd. Revista Eletrônica de Administração, 18(3), 829-857.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/8956/aprendizagem-organizacional-a-partir-das-praticas-de-educacao-a-distancia-da-escola-de-administracao-ufrgs/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANTAL, A. B., DIERKES, M., CHILD, J., e NONAKA, I. Organizational learning and knowledge: reflections on the dynamics of the fieldand challenges for the future. In: DIERKES, M. et al. (Org.). Handbook of organizational learning and knowledge. Oxford: Oxford University Press, 2001. p. 921-939.

ARGYRIS, C. Reinforcing organizational defensive routines: an unintended human resources activity. In: Human Resource Management, v. 25, n.4 p. 541-555. 1986.

ARGYRIS, C. What is an organization that it may learn?In: Organizational Learning II: Theory of Action Perspective. Reading/Massachussetts: Addison-Wesley, 1996.

ARGYRIS, C., SCHÖN, D. Organizational Learning: a Theory of Action Perspective. Reading/Massachussetts: Addison-Wesley, 1978.

BARROS, A.; LEHFELD, N. Projeto de pesquisa: propostas metodológicas. Petrópolis: Vozes, 2002.

BITENCOURT, C. A gestão de competências gerenciais:a contribuição da aprendizagem organizacional, 2001. Tese (Doutorado em Administração)-Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001.

BITENCOURT, C. Gestão contemporânea de pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais. Porto Alegre: Bookman, 2010.

BROWN, J.S.; DUGUID, P. Organizational Learning and Communities-of-Practice: Toward a Unified View of Working, Learning, and Innovation, Organization Science, v. 2, n.1, p. 40-57. 1991.

COOK, S.D.N.; YANOW, D. Culture and Organizational Learning. Journal of Management Inquiry.V. 2, n.3. 1993.

EASTERBY-SMITH, M.; ARAUJO, L. Aprendizagem organizacional; oportunidade e debates atuais. In: EASTERBY-SMITH, M., ARAUJO, L.;BURGOYNE, J. Aprendizagem organizacional e organização de aprendizagem. São Paulo: Atlas, 2001.

EASTERBY-SMITH, M.; LYLES, M. A. Introduction: watersheds of organizational learning and knowledge management. In: EASTERBY-SMITH, M.; LYLES, M. (Org.). The Blackwell handbook of organizational learning and knowledge management. London: Blackwell, 2003. p. 1-16.

GIL, J. Aproximación interpretativa al contenido de la informacion textual. In: Análisis de datos cualitivos. Aplicaciones a la investigación educativa. Barcelona: PPU, 1994. p.65-107.

LAVE, J.; WENGER, E. Situated learning: legitimate peripheral participation. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 1993.

LEVINTHAL, D. A.; MARCH, J. G. The Myopia of Learning. Strategic Management Journal.n.14, p. 95-112. 1993.

LEVINTHAL, D. Organizational Learning. In: COHEN, M & SPROULL, L. Organizational Learning.London: Sage, 1995.

LINCOLN, Y. S.; GUBA, E. G. Paradigmatic controversies, contradictions, and emerging confluences. In: DENZIN, Norman K., & LINCOLN, Yvonna S. (Eds.) The Sage Handbook of Qualitative Research: Third Edition (pp.191-215) London: Sage, 2005.

LYLES, M. A.; EASTERBY-SMITH, M. Organizational learning and knowledge management: agendas for future research. In: EASTERBY-SMITH, M.; LYLES, M. (Org.). The Blackwell handbook of organizational learning and knowledge management. London: Blackwell, 2003. p. 639-652.

MERRIAM, S. B. The design of qualitative research.In: MERRIAM, S. B. Qualitative research and case study applications in education.2. ed. (pp. 1-25) San Francisco: JosseyBass, 1998.

NICOLINI, D.; MEZNAR, M. B. The social constructionof organizational learning: conceptual and practical issues. Human Relations. V.48, n.7, p. 727-746. 1995.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 1999.

SCHRÖEDER, C. da S. Educação a distância e mudança organizacional na Escola de Administração da UFRGS: uma teoria substantiva. 2009. 252 f. Tese (Doutorado em Administração)-Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande dos Sul, Porto Alegre, 2009.

SENGE, P. A quinta disciplina. São Paulo: Best Seller, 1990.

STAKE, R. E. Qualitative case studies. In: DENZIN,Norman K., & LINCOLN, Yvonna S. (Eds.). The Sage Handbook of Qualitative Research. (p.443-466). London: Sage, 2005.

SWIERINGA, J.; WIERDSMA, A. La organización que aprende.Wilmington: AddisonWesley, 1995.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação.São Paulo: Atlas, 1987.

YIN, R. K. Estudo de Caso:Planejamento e Método. Porto Alegre: Bookman, 2002.