Cumprimento às exigências de divulgação de informações e de pedidos públicos de procuração de voto pelas companhias no Brasil Outros Idiomas

ID:
9143
Resumo:
O objetivo geral do trabalho é analisar os níveis de divulgação nas empresas listadas nos segmentos diferenciados de governança corporativa da BM&FBovespa, comparativamente aos das companhias não listadas nos citados grupos. O estudo levanta a hipótese de que nem todas as empresas listadas na BM&FBovespa cumpriram as orientações de divulgação da ICVM n. 481/2009 e que os níveis de divulgação das companhias listadas nos três níveis diferenciados de governança corporativa são superiores aos das empresas do mercado tradicional. Analisam-se os dados referentes às 100 maiores companhias abertas brasileiras, segundo a classificação do Sistema Economática. Foi aplicado o teste não paramétrico de Mann-Whitney. Observou-se que o grupo das empresas do mercado tradicional apresentou os menores valores para as medidas de tendência central. As empresas dos segmentos diferenciados alcançaram níveis de divulgação acima das demais, contudo o teste não paramétrico evidenciou que as médias dos grupos formados não são significativamente diferentes, ao nível de significância 5%, não confirmando a hipótese da pesquisa. Concluiu-se que as companhias pesquisadas não estavam preparadas para atender às exigências ICVM n. 481/2009, pois nenhuma das 17 exigências foi cumprida por todas as empresas e três exigências não foram atendidas por nenhuma empresa. Assim, esforços devem ser empreendidos pelos órgãos reguladores e fiscalizadores para que se observe o efetivo cumprimento das exigências de divulgação.
Citação ABNT:
ARAGÃO, L. A.; PONTE, V. M. R.; OLIVEIRA, M. C.; CAVALCANTE, D. S. Cumprimento às exigências de divulgação de informações e de pedidos públicos de procuração de voto pelas companhias no Brasil. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 15, n. 3, p. 17-34, 2012.
Citação APA:
Aragão, L. A., Ponte, V. M. R., Oliveira, M. C., & Cavalcante, D. S. (2012). Cumprimento às exigências de divulgação de informações e de pedidos públicos de procuração de voto pelas companhias no Brasil. Contabilidade, Gestão e Governança, 15(3), 17-34.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/9143/cumprimento-as-exigencias-de-divulgacao-de-informacoes-e-de-pedidos-publicos-de-procuracao-de-voto-pelas-companhias-no-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Akhtaruddin, M. (2005). Corporate mandatory disclosure practices in bangladesh. The International Journal of Accounting, 40, p. 399-422.

Alexander, A. C., Chen. M. A., Seppi, D. J., & Spat, C. S. (2009). The role of advisory in proxy voting. [Working paper Series, 15143, 2009]. National Bureau of Economic Research. Recuperado em10 mar., 2010, de: .

Andrezzo, A. F., & Lima, I. S. (2001). Mercado financeiro: aspectos históricos e conceituais. São Paulo: Pioneira.

Ashbaugh, H., Collins, D. W., & Lafond, R. (2004). Corporate governance and the cost of capital.2004. Recuperado em 12 abril, 2010, dehttp://papers.ssrn.com/sol3/papers. cfm?abstract_id=639681>.

Ashbaugh, H., Kothari, S. P., & Robin, Ashok. (2000). The effect of international institutional factors on properties of accounting earnings. Journal of Accounting and Economics, 29, p. 1-51.

BALL, Ray, Kothari, S. P. & Robin, Ashok (2000). The effect of international institutional factors on properties of accounting earnings. Journal of Accounting and Economics,. 29, p. 1-51

Berle, A., & Means, G. (1932). The modern corporation and private propriety. Macmilian.

BM&FBOVESPA. Entenda o Mercado de ações. Recuperado em 5 maio, 2010, de http: //www. bmfbovespa.com.br/.../entenda-o-mercado-de-ações.aspx>.

BNDES, 12, p. 111-148. Borgerth, V. M. C. (2007). Sox: Entendendo a Lei Sarbanes-Oxley. Um caminho para informação transparente. São Paulo, Cengage Learning.

Botosan, C. (1997). Disclosure level and cost of equity capital. The Accounting Review,. 72, p. 323-349.

Bueno, A. F. (1999). Problemas de disclosure no Brasil. O caso das empresas com ações no exterior. Cadernos de Estudos, São Paulo, (20).

Canellas, T., Leal, R., & Bortolon, P. (2008). Evolução da estrutura de controle das empresas brasileiras de capital aberto 2004-2006. [Coppead/ UFRJ WorkingPaper].

Cantidiano, L. L. Reforma da Lei das S.A – Comentada. Rio de Janeiro, Renovar, 2002.

Carvalho, A. G. de. (2002, jul./set.). Governança corporativa no Brasil em perspectiva. Revista de Administração, São Paulo, 37( 3), p. 19-32.

Chen, K. C. W., Chen, Z., & Wei, K.C. J. (2003, june). Disclosure, Corporate Governance, and the Cost of Equity Capital: Evidence from Asia’s Emerging Markets. Recuperado em 15 jan., 2010, de http://papers.ssrn.com/sol3/papers. cfm?abstract_id=422000. Comissão de Valores Mobiliários (2009). Cadernos

Comissão de Valores Mobiliários. (2009). Instrução CVM Nº. 481, de 17 de dezembro de 2009. Recuperado em 10 dez., 2010, de http://.cvm.gov.br.

Cooke, T. E. (1989). Disclosure in the corporate annual reports of Swedish companies. Accounting and Business Research, 19, p. 113-124.

CVM 1 – O que é a CVM. Recuperado em 10 maio, 2010, de: http://www.cvm.gov.br/port/ protinv/caderno1(new).asp.

Dye, Ronald A. (2001, Dec.) An evaluation of “essays on disclosure” and the disclosure literature in accounting. Journal of Accounting and Economics, 31(1-3), p. 181-185.

Edgtton, V. (2007). A governança por fazer. Revista Capital Aberto,.41, p. 62-63.

Gorga, E. (2008). Changing the paradigm of stock ownership from concentrated towards dispersed ownership? Evidence from Brazil and consequences for emerging countries. [Working Paper]. Cornell Law School and FundaçãoGetulio Vargas Law School in São Paulo, Recuperado em 2 mar., 2010, de: : http://ssrn.com/abstract=1121037.

Hail, L. (2008). The impact of voluntarily corporate disclosure on the ex ante cost of capital for Swiss firms, European Accounting Annual Congress, Rotterdam.

Hendriksen, E. S., & Van Breda, M.F. (1999). Teoria da Contabilidade. (Tradução da 5. ed. americana por Antonio Zoratto Sanvicente). São Paulo: Atlas.

IBGC. (2009). Código das melhores práticas de governança corporativa. 4. versão. Recuperado em 12 fev., 2011, de http: www.ibgc.org.br.

Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as sociedades por ações.Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 17 dez. 1976.

Lodi, J. B. (2000). Governança corporativa: o governo da empresa e o conselho de administração. Rio de Janeiro: Campus.

Lopes, A. B., & Martins, E. (2005). Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo: Atlas.

Macagnan, C. B. (2009). Evidenciação voluntária: Fatores explicativos da extensão da informação sobre recursos intangíveis. Revista Contabilidade & Finanças, USP, 20(50), p4661, São Paulo.

Mapurunga, P. V. R. et al. (2011). Determinantes do nível de disclosure de instrumentos financeiros derivativos em firmas brasileiras. Anais do Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Vitória, ES, Brasil, 5.

Meneses, A. F., Ponte, V. M. R., & Mapurunga, Patrícia V. R.. (2011). Disclosure de ativos intangíveis em empresas brasileiras. Anais do Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Vitória, ES, Brasil, 5.

Miihkinen, A. (2008). Efficiency of authoritative disclosure recommendations: evidence from IFRS transition disclosure in Finland. Journal of Financial Regulation and Compliance, 16( 4), p. 384-413.

Murcia, F. Dal-Ri. (2009). Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário de companhias abertas no Brasil. São Paulo. Tese de doutorado em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

PUUF, J. Instruções CVM 480 e 481. (2010, mar.). A hora do fulldisclosure. Ibef News. Recuperado em 10 maio, 2010, de: .

Rodrigues, A. T. L. (2003). Governança corporativa: quando a transparência passa a ser uma exigência global. Anais da Convenção de Contabilidade do Rio Grande do Sul. Gramado, SC, Brasil, 9.

Rudge, L. F., & Cavalcante, F. (1998). Mercado de capitais. Comissão Nacional de Bolsa de Valores (CNBV), Belo Horizonte, 1998.

Salotti, B. M. (2005). Divulgação voluntária da demonstração dos fluxos de caixa no mercado de capitais brasileiro. Tese de doutorado em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Sengupta, P. (1998). Corporate disclosure quality and the cost of debt. The Accounting Review, 73, p. 459-474.

Siegel, S. (1997). Estatística não-paramétrica para a ciência do comportamento. McGraw-Hill, São Paulo.

Siffert Filho, N. (1998, jun.). Governança corporativa: padrões internacionais e evidências empíricas no Brasil nos anos 90. Revista do BNDES, Rio de Janeiro,. 9.

Silveira, A. M. (2009, set.). As duas faces do modelo brasileiro. Revista Capital Aberto,(73), p. 70-71. _

Silveira, A. M. Leal,R. P. C, Barros, L. A. B. C, & Carvalhal-da-Silva, A. L. (2009, jul./set.). Evolution and determinants of firm-level corporate governance quality in Brazil. Revista de Administração, São Paulo, 44( 3), p. 173-289

Tsalavoutas, I., Evans, L., & Smith, M.. (2010). Comparison of two methods for measuring compliance with IFRS mandatory disclosure requirements. Journal of Applied Accounting, 3( 3), p. 213-228.

Verrecchia, R. E. (2001). Essays on disclosure. Journal of Accounting and Economics, 32, p. 97-180.

Vieira, S. P., & Mendes, A. G. S. (2004). Gover nança corporativa: uma análise de sua evolução e impactos no mercado de capitais brasileiro. Revista BNDES, Rio de Janeiro, 11( 22), p. 103-132.

Yamamoto, M. M., & Salotti, B. M. (2006). Informação contábil. Estudos sobre a sua divulgação no mercado de capitais. São Paulo, Atlas.

Yokoi. Y., & Muto, S. (2010, jan.). Companhias convocam para assembleias de réveillon. Revista Capital Aberto, (77), p. 8-9.