Avaliação de desempenho das instituições de ensino superior pertencentes à Associação Catarinense das Fundações Educacionais (ACAFE) Outros Idiomas

ID:
9146
Resumo:
Este artigo trata das formas de avaliação de desempenho utilizadas por instituições do ensino superior de Santa Catarina, vinculadas ao Sistema Acafe,  consideradas como entidades sem fins lucrativos. O objetivo do estudo é identificar de que forma essas instituições avaliam seu desempenho, buscando  conhecer o grau de utilização dos indicadores, se essas organizações utilizam apenas indicadores econômico-financeiros, como de liquidez, rentabilidade, endividamento, ou também indicadores não financeiros, como número de pessoas atendidas, benefícios concedidos, entre outros. Também se procurou  investigar se essas organizações exercem algum controle ou avaliação de seus projetos sociais. Por meio de uma pesquisa descritiva, os dados foram coletados com utilização de um questionário, de oito instituições das 14 que compunham a população de pesquisa. Na análise das respostas foram utilizadas técnicas da  estatística descritiva, como média, mediana, desvio-padrão, entre outros. Os resultados apontam que as instituições avaliam seu desempenho com base  principalmente em indicadores relativos à rentabilidade, ao faturamento, aos investimentos e à retenção de clientes. Conclui-se que as instituições analisadas, de maneira geral, avaliam o seu desempenho, utilizando-se de indicadores financeiros e não financeiros para tal, com foco na satisfação dos clientes, o que se justifica pela forma de arrecadação de recursos por parte dessas entidades, baseado principalmente na mensalidade paga pelos alunos.
Citação ABNT:
KLANN, R. C.; CUNHA, P. R.; RENGEL, S.; SCARPIN, J. E. Avaliação de desempenho das instituições de ensino superior pertencentes à Associação Catarinense das Fundações Educacionais (ACAFE). Contabilidade, Gestão e Governança, v. 15, n. 3, p. 71-87, 2012.
Citação APA:
Klann, R. C., Cunha, P. R., Rengel, S., & Scarpin, J. E. (2012). Avaliação de desempenho das instituições de ensino superior pertencentes à Associação Catarinense das Fundações Educacionais (ACAFE). Contabilidade, Gestão e Governança, 15(3), 71-87.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/9146/avaliacao-de-desempenho-das-instituicoes-de-ensino-superior-pertencentes-a-associacao-catarinense-das-fundacoes-educacionais--acafe-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Ab Hamid, M. R., Mustafa, Z., Suradi, N. R. M., Idris, F., & Abdullah, M. (2012). Value-based performance excellence measurement for higher education institution: instrument validation. Quality & Quantity, (Article in press), 1-12.

Aguiar, A. B. (2004). Relação entre estrutura organizacionais e indicadores de desempenho das organizações não-governamentais do estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Azma, F. (2010). Qualitative indicators for the evaluation of universities performance. Procedia Social and Behavioral Sciences, 2, 5408-5411.

Barnetson, B., & Cutright, M. (2000). Performance indicators as conceptual technologies. Higher Education, 40, 277-292.

Colauto, R., & Beuren, I. M. (2006). Coleta, análise e interpretação dos dados. In: I. M. Beuren (org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. (3a ed., cap. 7, p. 117-144). São Paulo: Atlas.

Dias, C. M., & Marchelli, P. S. (2006). Políticas para avaliação da qualidade do ensino superior no Brasil: um balanço crítico. Educação e Pesquisa, 32(3), 435-464.

Draper, D., & Gittoes, M. (2004). Statistical analysis of performance indicators in UK higher education. Journal of Royal Statistical Society, 167(3), 449-474.

Drucker, P. F. (1992). Managing the Non-Profit Organization: Practices and Principles. Oxford: Butterworth-Heinemann.

Drucker, P. F. (1994). Administração de organizações sem fins lucrativos. Princípios e Práticas. (3a ed.). São Paulo: Pioneira.

Ehlers, E., & Calil, L. P. (2000). Monitoramento e avaliação de projetos de conservação e desenvolvimento sustentável: sistematização de uma experiência. (Vol. 6 da Série Técnica). Brasília: Programa de Desenvolvimento Organizacional do

García-Aracil, A., & Palomares-Montero, D. (2010). Examining benchmark indicator systems for the valuation of higher education institutions. Higher Educ, 60, 217-234.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. (5a ed.). São Paulo: Atlas.

Goldschmidt, A. (2009). Avaliação e monitoramento de programas sociais. Recuperado em 29 maio, 2009, de http://integracao.fgvsp.br/ ano7/08/financiadores.htm.

Hair, J. F., Jr. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Higgins, J. C. (1989). Performance measurement in universities. European Journal of Operational Research, 38, 358-368.

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (2001). Organização orientada para estratégia: como as empresas que adotam o balanced scorecard prosperam no novo ambiente de negócios. Rio de Janeiro: Campus.

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (2004). Mapas estratégicos – balanced scorecard: convertendo ativos intangíveis em resultados tangíveis. Rio de Janeiro: Elsevier.

Katharaki, M., & Katharakis, G. (2010). A comparative assessment of Greek universities´ efficiency using quantitative analysis. International Journal of Educational Research, 49, 115-128.

Kong, W., & Fu, T. (2012). Assessing the performance of business colleges in Taiwan using data envelopment analysis and student based value-added performance indicators. Omega, 40, 541-549.

Lindsey, D. (1991). The relationship between performance indicators for academic research and funding: developing a measure or return on investment in science. Scientometrics, 20(1), 221-234.

Maingot, M., & Zeghal, D. (2008). An analysis of voluntary disclosure of performance indicators by Canadian universities. Tertiary Education and Management, 14(4), 269-283.

Miranda, L. C., & Silva, J. D. G. (2002). Medição do desempenho. In: P. Schmidt (Org.). Controladoria: agregando valor para a empresa. Porto Alegre, Bookman.

Moxham, C., & Boaden, R. (2007). The impact of performance measurement in the voluntary sector: identification of contextual and processual factors. International Journal of Operations & Production Management, 27(8), 826-845.

O’Connell, B. (1988). Values underlying nonprofit endeavor. In: M. O’Neill, & D. R. Young (Eds). Educating managers of nonprofit organizations. (pp. 155-162). New York: Praeger.

O’Neill, M,. & Young, D. R. (1988). Educating managers of nonprofit organizations. In: M. O’Neill, & D. R. Young (Eds). Educating managers of nonprofit organizations. p. 1-22. New York: Praeger.

Phillimore, A. J. (1989). University research performance indicators in practice: The University Grants Committee´s evaluation of British universities, 1985-86. Research Policy, 18, 255-271.

Raupp, F. M., & Beuren, I. M. (2006). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In: I. M. Beuren (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3. ed. p. 76-97. São Paulo: Atlas.

Rodrigues, A. L. (2004). Configurações organizacionais em organizações sem fins lucrativos: reflexões para a simples adoção de modelos. In: R. Voltolini. Terceiro setor: planejamento e gestão. 2. ed. São Paulo: Senac.

Secundo, G., Margherita, A., Elia, G., & Passiante, G. (2010). Intangible assets in higher education and research: mission, performance or both? Journal of Intellectual Capital, 11(2), 140-157.

Soares, E. A. R. (2006). Entidades beneficentes de assistência social educacionais: uma investigação sobre a medição de desempenho organizacional. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação Multiinstitucional e Inter-Regional em Ciências Contábeis. UNB/UFPB/UFPE/UFRN, PE, Brasil.

Teelken, C. (2008). The intricate implementa tion of performance measurement systems: exploring developments in professional-service organizations in the Dutch non-profit sector. International Review of Administrative Sciences, 74(4), 615-635.

Thayer, C. E., & Fine, A. H. (2001). Evaluation and outcome measurement in the non-profit sector: stakeholder participation. Evaluation and Program Planning, 24, 103-108.

Waheed, B., Khan, F. I., & Veitch, B. (2011). Developing a quantitative tool for sustainability assessment of HEIs. International Journal of Sustainability in Higher Education, 12(4), 355-368.

WWW-Brasil. França, R. D. de. (2007). Sistemas de controle no terceiro setor: um estudo exploratório das igrejas batistas da grande João Pessoa-PB. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação Multiinstitucional e Inter-Regional em Ciências Contábeis. UNB/UFPB/UFPE/UFRN, João Pessoa, PB, Brasil.

Yáber, G., & Valarino, E. (2002). Indicadores de desempenho clave para unidades académicas universitarias. Revista Venezolana de Gerencia (RVG), 7(20), 639-653