Reflexões acerca do conceito de contabilidade como arte Outros Idiomas

ID:
9149
Resumo:
As metáforas são muito utilizadas no processo de produção da ciência e, em particular, na geração de conhecimentos contabilísticos. Consideradas, pelos positivistas da contabilidade e doutras ciências, como perversões e incapazes de estabelecer uma correspondência perfeita e inequívoca entre a palavra e o mundo, são, porém, apresentadas pelos normativistas, como essenciais para a criatividade científica de todos os níveis. Derivadas da linguagem corrente ou de referências culturais, as metáforas, quer sejam de substituição, de comparação, quer de interação, são, frequentemente, utilizadas na teoria da contabilidade por abrirem perspetivas para a ciência por meio da construção de analogias entre o que é conhecido e o que não é. A palavra arte – metáfora - aparece associada à contabilidade e à gestão. A contabilidade é concebida pelos clássicos – pelos contistas – como a arte de escrituração dos livros comerciais. A gestão, por sua vez, como arte de planear e decidir a aplicação de recursos escassos suscetíveis de emprego alternativo. Se as relações entre contabilidade e gestão, quer no nível funcional, quer no instrumental, quer no técnico, são pacificamente admitidas por todos, a ligação destes dois ramos do saber à arte, parece-nos uma metáfora sem conteúdo. Importa, portanto, refletir sobre os principais requisitos associados à arte, para, em seguida, discorrer sobre a sua aplicabilidade à contabilidade e à gestão.
Citação ABNT:
ALMEIDA, B. J. M.Reflexões acerca do conceito de contabilidade como arte. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 15, n. 3, p. 119-128, 2012.
Citação APA:
Almeida, B. J. M.(2012). Reflexões acerca do conceito de contabilidade como arte. Contabilidade, Gestão e Governança, 15(3), 119-128.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/9149/reflexoes-acerca-do-conceito-de-contabilidade-como-arte/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Amorim, J. L. (1929). Lições de contabilidade geral. Empresa Industrial Gráfica do Porto.

Audas, J. (1993), Le Window dressing ou L’habillage des bilans. Option Finance, n. 242.

Belkaoui, A. R.(2004). Accounting Theory (5ª Ed.). United Kingdom: South Western,.

Bernheim, Y. (1993, Dicembre). Lettre ouverte aux responsables de la comptabilité. Revue Française de Comptabilité, n.º 25.

Bertolus, J. J. (1988, Juin). L’art de truquer un bilan, Science e Vie Economic, n. 40.

Besta, F.(1881). La Ragioneria. Tipografia Instituto Coletti de Veneza.

Bonnet, F. (1995). Piéges (et délices) de la comptabilité (créative). Paris: Economica.

Cerboni, G.(1873). Primi saggi di logismografia. Anais do Congresso de Ciência Italiana, La Minerva, Florença, 11.

Chambers, R., (1966). Accounting Evaluation and Economic Behavior. Prentice Hall, Estados Unidos.

Dumarchey, J. (1933). Teoria Positiva da Contabilidade, Revista de Contabilidade e Comércio.

Fisher, I. (1893). Mathematical Investigations in the Theory of Value and Prices. Ed. 1926. New Haven: Yale University.

Fourastie, J. (1957). La comptabilité. Paris: Collections savoir.

Gossen, Hermann Heinrich (1854). Entwickelung der Gesetze des menschlichen Verkehrs und der daraus fliessenden Regeln für menschliches Handeln. Braunschweig: Vieweg & Sohn.

Grossard, V. (1992). Les resultats de thomson depois par ses brevets, La Tribune de L’expansion.

Hausdorfer (1986). Accounting Bibliography. Bay Books. California: Palo Alto.

Janson, H.W. (1986). História da arte, Fundação Calouste Gulbenkian (4ª Ed).

Jevons, W. (1877). The principles of Science. Ed. 1905. New York: Dover publication. Kieso [et. al.] (2012). Financial Accounting (8ª ed.).

Marchi, F. (1868). La scuele francese ed italiana nell’insegnamento della contabilità a scrittura completa o doppia ed a scrittura incompleta o semplice, Tipografia Giachetti, Prato.

Marshall, A. (1890). Principles of Economics – An Introductory Volum. New York.

Masi, V., (1941). La ragioneria e la scienza del patrimonio, Revista Italiana di Ragioneria, Roma.

Menger, Carl (1871). Principles of Economics. The Institute for Humane Studies and New York University Press.

Pareto, Vilfredo (1971). Manual Of Political Economy. New York:Kelley.

Paton, W.A. (1940). Accounting Theory. Business Research Studies, Harvard University.

Petrarca, F.(1318). Epistolae metricae, Montpellier, França.

Rossi, G.(1882). L’ente economico-amministrativo. Reggio Emilia: Artigianelli.

Scott, W. R. (2003). Financial accounting theory (3ª ed.). Toronto: Prentice-Hall.

Serrano, A. (1972). Crítica das Doutrinas Contabilísticas e Métodos Ortográficos, Instituto Comercial do Porto.

Tonzig, A. (1876). Nuova scuola perfetta dei mercanti, ossia la vera scienza della contabilità commerciale. Sacchetto, Pádua.

USA: Jonh Wiley & Sons Inc. Lopes de Sá, A.(1998). História geral das doutrinas da contabilidade, Vislis Editores, Lisboa.

Villa, F. (1840). La contabilità applicata a elle amministrazioni private e pubbliche, Ângelo Monti, Milão.

Walras, Léon (1874). Elements of Pure Economics or the Theory of Social Welth. Ed. 1954. London: Allen & Unwion.

Watts, R., Zimmerman, L., 1986, Positive Accounting theory, Prentice-Hall, New Jersey

Yamey, B. S. (1989). Art & Accounting. Yale University. London: PressNew Haven.

Zappa G.(1950). La determinazione del reddito nelle imprese commerciali – I valori di conti in relazione alla formazione dei bilanci. Giuffrè, Milão.