Empresa Júnior e a reprodução da ideologia da Administração Outros Idiomas

ID:
9214
Periódico:
Resumo:
O objetivo deste artigo é analisar o papel das empresas juniores na formação dos administradores. Tal tipo de organização geralmente é associado a uma leitura exclusivamente positiva, não contraditória, e a isso se relaciona ao senso comum a respeito da importância pedagógica das empresas juniores para a formação acadêmica e profissional. O referencial teórico versa sobre como, sob os auspícios do mundo administrado, as violências são apreendidas como naturais e essenciais para a formação dos sujeitos, em consonância com o status quo, e como reflexo natural e necessário das relações do capitalismo de mercado. Este estudo é uma pesquisa qualitativa, baseada em um estudo de caso desenvolvido a partir da história de vida e utilizou a metodologia hermenêutico-dialética para a análise dos dados. Em seguida, são discutidas as violências vivenciadas no ambiente acadêmico-profissional das empresas juniores; a naturalização dessas violências; o real propósito dessas organizações, isto é, é a encucação da ideologia da administração nos discentes; e o papel da Universidade – destinada à formação crítica dos sujeitos ou à sua formatação em consonância com o contexto socioeconômico. Por fim, são traçadas sucintas considerações adicionais.
Citação ABNT:
BICALHO, R. A.; PAULA, A. P. P. Empresa Júnior e a reprodução da ideologia da Administração. Cadernos EBAPE.BR, v. 10, n. 4, p. 894-910, 2012.
Citação APA:
Bicalho, R. A., & Paula, A. P. P. (2012). Empresa Júnior e a reprodução da ideologia da Administração. Cadernos EBAPE.BR, 10(4), 894-910.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/9214/empresa-junior-e-a-reproducao-da-ideologia-da-administracao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADORNO, T. As estrelas descem à terra: a coluna de astrologia do Los Angeles Times: um estudo sobre superstição secundária. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

ADORNO, T. Educação e emancipação. 4 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

ADORNO, T. Indústria cultural e sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

ADORNO, T. Lições de sociologia. Lisboa: Edições 70, 2004.

ADORNO, T. Mensagens numa garrafa. In S. ŽIŽEK, (Org.). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2007. p.39-50.

ADORNO, T. Minima moralia.Lisboa: Edições 70, 2001.

ADORNO, T. W. Introdução à controvérsia sobre o positivismo na sociologia alemã. In T. ADORNO. Textos escolhidos.São Paulo: Nova Cultural (Coleção ‘Os Pensadores’), 1989. p. 107-155.

CHAUÍ, M. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. 10a ed. SãoPaulo: Cortez, 2003.

DUARTE, R. Apresentação à edição brasileira. In: ADORNO, T. Estrelas descem à terra: a coluna de astrologia do Los Angeles Times: um estudo sobre superstição secundária. São Paulo: Editora UNESP, 2008. p. 11-28.

GAULEJAC, V. Crítica dos fundamentos da ideologia de gestão. In: GAULEJAC, V. Análise das organizações perspectivas latinas.Porto Alegre: Editora UFRGS, 2006. p. 413-440.

GOMES, R. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MINAYO, C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 6a ed. Petrópolis: Vozes, 1996. p. 67-80.

GONZÁLEZ-REY, F. Pesquisa qualitativa e subjetividade: os processos de construção da informação. São Paulo: Thomson, 2005.

HORKHEIMER, M. Eclipse da razão. São Paulo: Centauro, 2002.

LAFEUILLE, P. O movimento EJ. In: MATOS, F. A empresa júnior no Brasil e no mundo. São Paulo: Martin Claret, 1997. p. 13-15.

LEITÃO, S. P.; GESUALDI JUNIOR, L. C. Conhecimento,ensino da administração e mudança transformadora: uma visão crítica. Cadernos EBAPE.BR, v. 4, n. 2, p. 1-13, 2006.

LOPES, M. C.; LOPES, P. C.; LIMA, Z. A. A Contribuição da empresa júnior de administração no Brasil. Revista ANGRAD, v. 8, n. 1, p. 33-52, 2007.

MARCUSE, H. A ideologia da sociedade industrial. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

MARCUSE, H. Cultura e psicanálise. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

MARCUSE, H. Eros e civilização. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.

MATOS, F. A empresa júnior no Brasil e no mundo. São Paulo: Martin Claret, 1997.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2008.

MOTTA, F. C. P. Empresários e hegemonia política. São Paulo: Brasiliense, 1979.

NEVES, L. de A. Ensaio metodológico – Memória e história: potencialidades da história oral. Encontro de História e Encontro Nordeste de História Oral. Teresina, PI, Brasil, 1, 3, 2001.

PAÇO-CUNHA, E. Estatuto filosófico da organização ou para uma crítica aos estudos organizacionais. Encontro Nacional de Estudos Organizacionais. Belo Horizonte, MG, Brasil, 5, 2008, junho.

ROUANET, S. P. Teoria crítica e psicanálise. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2001.

TOLFO, S. R.; SCHIMITZ, S. A formação de consultores em uma empresa júnior. Revista ANGRAD, v. 6, n. 2, p. 25-40, 2005.

TRAGTENBERG, M. Administração, poder e ideologia. São Paulo: Ática, 1980a.

TRAGTENBERG, M. A teoria da administração é uma ideologia? Revista de Administração de Empresas, v. 11, n. 4, p. 7-21, 1971.

TRAGTENBERG, M. Burocracia e ideologia. São Paulo: Ática, 1980b.