O Negócio das Arenas: profissionalismo esportivo, cultura e entretenimento Outros Idiomas

ID:
9219
Resumo:
Não importa quão detalhadamente seja elaborado qualquer estudo, o ponto é que, se não for aplicável, de pouco serviu todo o esforço consumido. Nesse sentido, a proposta é analisar com este Plano de Negócios de Arenas Multiúso a viabilidade mercadológica e financeira do seu conceito. No aspecto da  atratividade do negócio, demonstra-se, com três indicadores, que realmente se trata de um projeto com retorno satisfatório e maior do aquele que se obtém com investimentos mais conservadores. Ademais, as análises foram embasadas por referencial teórico aplicado que teve sua importância na definição e validação do modelo proposto de arena multiúso. Segundo Blake (1985, Image, Leisure Management, pp. 14-15) “centros esportivos, teatros, galerias de arte, bibliotecas, museus são meras instalações que contêm produtos tangíveis e intangíveis que não possuem nenhum valor, exceto o que os clientes atribuem”. Esta é, de fato, a melhor forma de representar o que se pretende evidenciar com este trabalho.
Citação ABNT:
MOTTA, J. R. C. G.O Negócio das Arenas: profissionalismo esportivo, cultura e entretenimento. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 4, n. 2, p. 21-48, 2012.
Citação APA:
Motta, J. R. C. G.(2012). O Negócio das Arenas: profissionalismo esportivo, cultura e entretenimento. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 4(2), 21-48.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/9219/o-negocio-das-arenas--profissionalismo-esportivo--cultura-e-entretenimento/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Associação Brasileira de Franchising. Guia de franquias. Recuperado em 07 de julho, 2012, de http://www.portaldofranchising.com.br/site/content/home/.

BDO RCS. (2011). Esporte Total. Recuperado em 07 de julho, 2012, de http://www.bdobrazil.com.br/pt/.

Blake, 1985. Image, Leisure Management, pp. 14-15

Campomar, M. C. (1977, julho-agosto). O plano de marketing. Revista Marketing. v. 51, p. 54-58.

Campomar, M. C. (1983). Revisando um modelo de plano de marketing. Revista Marketing, ano XVII, p.121, nov. 1983. citado nas pp 5,11 e 17.

Cecchetti, R. (1999). O alto custo de abrir loja em shopping. Jornal do Commercio, Rio de Janeiro.

Época, 2011. Recuperado em 07 de julho, 2012, de http://revistaepoca.globo.com , citado na p. 7.

Futebol Finance. Recuperado em 09 de julho, 2012, de http://www.futebolfinance.com/.

Kaplan & Norton (1997). The Balanced Scorecard, Harvard Business Press, Boston, citados na p. 9.

Kim & Mauborgne (2005). A Estratégia do Oceano Azul. 19ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, citados na p. 18.

Kotler, P. & Keller, K. L. (2006). Administração de marketing. 12a ed. São Paulo: Pearson.

Meio & Mensagem (2011). Recuperado em 09 de julho, 2012, de http://www.meioemensagem.com.br, citado na p. 8.

O Empreiteiro – Revista Brasileira de Construção, Infraestrutura & Concessões. (2010, agosto). v. XLIX, p. 489.

O Estado de S.Paulo (2011). Recuperado em 09 de julho, 2012, de http://www.estadao.com.br, citado na p. 21, quadro 1.

Pedroso, R. (2011). Arenas da Copa vão demorar até 198 anos para pagar custo. Valor Econômico.

Porter, M. (2004). Estratégia competitiva. 7a ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

Ross, S.; Westerfield, R. & Jaffe, J. (2010). Administração financeira – corporate finance. 2a ed. São Paulo: Atlas.

VARIAN, H. (2006). Microeconomia – princípios básicos. 7a ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

VILARON, Wagner. (2011). Itaquerão tem oferta de R$300 mi. O Estado de S. Paulo.