O ensino de “inovação” na Administração, Ciências contábeis, Turismo e Tecnologia em gestão: um estudo exploratório em Instituições de Ensino Superior brasileira Outros Idiomas

ID:
9327
Resumo:
A literatura contemporânea na área de administração de negócios enfatiza a importância do ensino da inovação aos futuros profissionais das ciências gerenciais, visando capacitá-los para, também, gerir a mudança tecnológica. O objetivo desta pesquisa é examinar a oferta de disciplina relacionada à inovação, pelas Instituições de Ensino Superior, na área de Administração, Contábeis e Turismo, na graduação e nos cursos tecnológicos de Gestão, recomendadas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Para tanto, foi desenvolvida uma pesquisa exploratória, com delineamento documental. A amostra que compõe esta pesquisa foi obtida a partir da análise das instiuições que oferecem disciplina cujo título contenha o terno “Inovação”. A partir desta amostra foram examinadas as ementas e respectivas bibliografias, obtidas nos websites das instituições de ensino. Foram realizadas buscas no banco de dados do e-MEC. Para efeito de fundamentação teórica esta pesquisa está baseada na Teoria do Crescimento Endógeno e no conceito schumpeteriano de desenvolvimento econômico baseado na inovação. Assim, dadas às bases teóricas de referência e a análise dos conteúdos descritos nas matrizes curriculares examinadas, pode-se observar um distanciamento entre a emergência do debate da inovação nos cursos que visam formar os profissionais nas atividades de administração, contabilidade e turismo, em nível de graduação e nos cursos tecnológicos de gestão e suas respectivas grades programáticas. De acordo com o resultado da amostra estudada, é possível inferir que, nos citados cursos, não haja ênfase no ensino da inovação, o que induz à conclusão da existência de uma lacuna no aprendizado da gestão de empresas cujo foco de negócio seja a inovação.
Citação ABNT:
PEREIRA, R. S.; FRANCO, I. D.; ALMEIDA, L. C. B.; SANTOS, I. C. D. O ensino de “inovação” na Administração, Ciências contábeis, Turismo e Tecnologia em gestão: um estudo exploratório em Instituições de Ensino Superior brasileira. Innovation and Management Review, v. 9, n. 4, p. 221-244, 2012.
Citação APA:
Pereira, R. S., Franco, I. D., Almeida, L. C. B., & Santos, I. C. D. (2012). O ensino de “inovação” na Administração, Ciências contábeis, Turismo e Tecnologia em gestão: um estudo exploratório em Instituições de Ensino Superior brasileira. Innovation and Management Review, 9(4), 221-244.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/9327/o-ensino-de----inovacao----na-administracao--ciencias-contabeis--turismo-e-tecnologia-em-gestao--um-estudo-exploratorio-em-instituicoes-de-ensino-superior-brasileira/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Ações de CT&I. (2012). Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Acesso em 07 de fevereiro de 2012 em http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/73409.html.

Almeida, L. C. B. (2012). Introdução ao direito econômico. São Paulo: Saraiva.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barrett, R. (2006). Building a Values-Driven Organization. Edinburgh: Butterworth-Heineman.

Bertero, C. O.; Caldas, M. P.; Wood Jr, T. (2005). Produção científica em administração no Brasil: o estado da arte. São Paulo: Atlas.

Beuren, I. M.; Longaray, A. A. (2003). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas.

Bresciani, L. P. (2004). Inovação e trabalho: bases conceituais e desenvolvimento regional no grande ABC. Caderno de Pesquisa Pós Graduação, São Caetano do Sul, v. 5, n. 10, p. 22-32.

Calliyeris, V. E.; Las Casas, A. L. (2011). A Utilização do Método de Coleta de Dados via Internet na Percepção dos Executivos dos Institutos de Pesquisa de Mercado atuantes no Brasil. In: Anais do III ENADI. Encontro de Administração da Informação. Anais Eletrônicos. Rio Grande do Sul: ENADI.

Corrêa, R. M. (2012). Os níveis de consciência organizacional sob a perspectiva da responsabilidade social. Dissertação (mestrado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo.

Davila, T.; Epstein, M.; Shelton, R. (2006). Making innovation work, how to manage it, measure it, and profit from it. Upper Saddle River: Wharton School Publishing.

Drucker, P. F. (1970). Prática de Administração de Empresas. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura.

Drucker, P. F. (1994). Sociedade pós-capitalista. São Paulo: Pioneira.

Gil, A. C. (2010). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6ª ed. São Paulo: Atlas.

Guimarães, F. C. M. S. (2000). A Política de Incentivo à Inovação. Inovação, Desenvolvimento Econômico e Política Tecnológica. Revista Parcerias Estratégicas, n. 9, Out. Acesso em 30 de janeiro de2012 em http://seer.cgee.org.br/index.php/parcerias_estrategicas/article/viewFile/120/114.

Instituições de Educação Superior e Cursos Cadastrados. (2011). Ministério da Educação e da Cultura. MEC 2011. Acesso em 31 de agosto de 2011.

Langoni, G. (1975) Economia da Transformação. Rio de Janeiro: J. Olympio.

Lastres, H. M. M.; Albagli, S. (org). (1999). Informação e Globalização na era do Conhecimento. Rio de Janeiro: Campus.

Lemos, C. (1999). Inovação na era do conhecimento. In: Lastres, H. M.; Albagli, S. (org). Informação e Globalização na era do Conhecimento. Rio de Janeiro: Campus.

Manyicka, J. M.; Roberts, R. P.; Sprague, K. L. (2007). Eight Business Technology Trends to Watch. McKinsey Quarterly. Acesso em 26 de fevereiro de2009 em http://www.mckinseyquarterly.com/Eight_business_technology_trends_to_watch_2080.

Martinez, M. C.; Paraguay, A. I. B. B. (2003). Satisfação e saúde no trabalho – aspectos conceituais e metodológicos. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 6, p. 59-78. Acesso em 11 de dezembro de2011 em http://www.revistasusp.sibi.usp.br/pdf/cpst/v6/v6a05.pdf.

nd. Lei nº 10.973 de 2 de dezembro (2004). Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 3 dez. 2004. Acesso em 13 de fevereiro de2012 em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm.

nd. Lei nº 11,196 de 21 de novembro (2005). Institui o Regime Especial de Tributação [...] e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 22 nov. 2005. Acesso em 13 de fevereiro de2012 em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato20042006/2005/Lei/L11196.htm.

nd. Lei nº 11,540 de 12 de novembro (2007). Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FNDCT; altera o Decreto-Lei nº 719, de 31 de julho de 1969, e a Lei no 9.478, de 6 de agosto de 1997; e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 09 nov. 2007. Acesso em 13 de fevereiro de2012 em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11540.htm.

Parkin, M. (2009). Economia. 8. ed. São Paulo: Addison Wesley &Pearson.

Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica. (2004). In: Manual de Oslo. 2ª ed. (Paulo Garchet, Trad.). Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Brasília: FINEP, 2004. Acesso em 23 de novembro de2011 em http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/4639.html.

Rezende, S. M. (2011). Produção científica e tecnológica no Brasil: conquistas recentes e desafios para a próxima década. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 51, n. 2, 2011. Acesso em 01 de abril de2012 em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003475902011000200007&lng=en&nrm=iso.

Richardson, R. J. (1989). Pesquisa Social: métodos e técnicas. 2ª ed. São Paulo: Atlas.

Romer, P. M. (1986). Increasing returns and long-run growth. Journal of Political Economy, v. 94, n. 5.

Romer, P. M. (1994). The origins of endogenous growth. Journal of Economic Perspectives, v. 8, n. 1.

Schumpeter, J. A. (1982). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural.

Selltiz, C.; et al. (1965). Métodos de Pesquisa das Relações Sociais. São Paulo: Herder.

Silva, M. B.; Grigolo, T. M. (2002). Metodologia para Iniciação Científica à Prática da Pesquisa e da extensão II. Caderno Pedagógico. Florianópolis: UDESC.

Siqueira, T. V. (2003). Os Clusters de Alta Tecnologia e o Desenvolvimento Regional. Revista BNDES. Rio de Janeiro: v. 10, n. 19, p. 129-198.

Soster, T. S. (2011). O uso da tecnologia da informação e comunicação no processo de ensino e aprendizagem: estudo de um curso superior na área de Administração. Dissertação Mestrado. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Acesso em 22 de novembro de 2011 em http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/8149.

Souza, N. J. (2009). Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Atlas.

Suzigan, W, Albuquerque, E. M.; Cairo, S. A. F. (Org.). (2011). Em Busca da Inovação: Interação universidade-empresa no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica.

Tidd, J.; Bessant, J.; Pavitt, K. (2008). Gestão da Inovação. 3ª ed. Porto Alegre: Bookman.

Wilber, K. (2010). Transformações da Consciência: o espectro do desenvolvimento humano. São Paulo: Cultrix.