Política das UPPs e espaços organizacionais precários: uma análise de discurso Outros Idiomas

ID:
9594
Resumo:
O objetivo deste trabalho foi identificar as finalidades encobertas do programa de Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) e as intenções últimas a que serve, revelando, assim, as relações de poder e dominação a que estão submetidas as populações moradoras de espaços organizacionais precários, por meio do uso teleológico da política de pacificação de favelas do governo do Estado do Rio de Janeiro. Para tanto, foi utilizado o método de análise crítica do discurso na avaliação dos pronunciamentos realizados em um evento ocorrido na Câmara Municipal, em homenagem ao então coronel responsável pela coordenadoria de polícias pacificadoras. Os resultados desvelam a visão submissa com que os moradores de favela são tratados, orientando a política pública principalmente para a ocupação desses espaços e contenção dos problemas existentes nesse território, para que não sejam sentidos no restante da cidade.
Citação ABNT:
LACERDA, D. S.; BRULON, V. Política das UPPs e espaços organizacionais precários: uma análise de discurso. Revista de Administração de Empresas, v. 53, n. 2, p. 130-141, 2013.
Citação APA:
Lacerda, D. S., & Brulon, V. (2013). Política das UPPs e espaços organizacionais precários: uma análise de discurso. Revista de Administração de Empresas, 53(2), 130-141.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/9594/politica-das-upps-e-espacos-organizacionais-precarios--uma-analise-de-discurso/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARDACH, E. Problemas de la definición de problemas en el análisis de políticas. In: BARDACH, E. Problemas públicos y agenda de gobierno. México: Miguel Angel Porrua Editorial, 1993. p. 219-235

BEATO FILHO, C. C. Políticas públicas de segurança e a questão policial. São Paulo em Perspectiva, n. 4, v. 13, p.13-27, 1999.

BRANDÃO, C. A. Território e desenvolvimento: as múltiplas escalas entre o local e o global. São Paulo: Unicamp, 2007.

BURGOS, M. B. A utopia da comunidade: Rio das Pedras, uma favela carioca. 2 ed. Rio de Janeiro: Loyola, 2002.

CASTRO, I. E. . Instituições e territórios. Possibilidades e limites ao exercício da cidadania no Brasil. GEOSUL, v. 19, p. 16-32, 2003.

COSTA, V. G; NASCIMENTO, J. A. S. O conceito de favelas e assemelhados sob o olhar do IBGE, das prefeituras do Brasil e da ONU. In: Encontro de Geógrafos da América Latina, 10, 2005, São Paulo. Anais. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2005.

DELICATO, C. T. Cidades e favelas, pelos olhos de quem? Revista de Discentes do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da Unesp Marília, n. 1, p. 39-51, 2007.

DEMATTEIS, G. O território: uma oportunidade para repensar a geografia. In: SAQUET, M. A. Abordagens e concepções sobre território. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

DENALDI, R. Intervenção municipal em favelas: aprimoramento e limitações. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional, 9, 2005, Salvador. Anais. Salvador: ANPUR, 2005.

ETZIONI, A. Concepções alternativas de accountability: o exemplo da gestão de saúde. In: HEIDEMANN, F. G; SALM, J. F. (Orgs) Políticas públicas e desenvolvimento: bases epistemológicas e modelos de análise. Brasília: Universidade de Brasília, 2009. p. 287-301.

FAIRCLOUGH N. Discurso e mudança social. Brasília: UnB, 2001.

GOULART, S. Uma abordagem ao desenvolvimento local inspirada em Celso Furtado e Milton Santos. Cadernos EBAPE.BR, v. 4, n. 3, p. 1-15, 2006.

GOULART, S; VIEIRA, M. M. F; COSTA, C. F; KNOPP, G. C. Articulações em rede e acontecimentos no território: subsídios teóricos para a formação de políticas públicas para o desenvolvimento. Cadernos EBAPE.BR, v. 8, n. 3, p. 388-403, 2010.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

MAGALHÃES, C. M. (Org). Reflexões sobre a análise crítica do discurso. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2001.

MARICATO, E. Favelas: um universo gigantesco e desconhecido. 2001 (não publicado). Disponível em: http:// www.usp.br/fau/depprojeto/labhab. Acesso em 19.01.2012.

NEVES, G. R. Territorialidade, desterritorialidade, novas territorialidades (algumas notas). In: SANTOS, M; SOUZA, M. A; SILVEIRA, M. L. (Orgs). Território: globalização e fragmentação. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

O GLOBO. Beltrame quer pressa em investimentos sociais pós-UPPs. O Globo, Rio de Janeiro, 28.05.2011. Disponível em: http://oglobo.globo.com/rio/beltrame-quer-pressa-em-investimentos-sociais-pos-upps-nada-sobrevive-so-com-seguranca-2764060. Acesso em 02.02.2012.

OBSERVATÓRIO DE FAVELAS. O que é favela, afinal? In: SILVA, J. S. (Org). O que é favela, afinal? Rio de Janeiro: Observatório de Favelas do Rio de Janeiro, 2009.

OLIVEIRA, J. S. Repensando a questão das favelas. Revista Brasileira de Estudo de População, v. 2, n. 1, p. 9-30, 1985.

PINO, J. C. Labor in the favelas of Rio de Janeiro. Latin American Perspectives, v. 25, n. 2, The Urban Informal Sector, p. 18-40, 1998.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

RIO DE JANEIRO (Estado). Decreto nº 42.787, de 06 de janeiro de 2011. Dispõe sobre a implantação, estrutura, atuação e funcionamento das unidades de polícia pacificadora (UPP) no estado do Rio De Janeiro e dá outras providências. Disponível em http://solatelie.com/cfap/html32/ decreto_42787_06-01-2011.html. Acesso em 19.08.2011.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2009.

SECCHI, L. Políticas públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

SILVA, F. M. Unidade de Policiamento Pacificadora – UPP: um processo de democratização dos espaços favelados no Rio de Janeiro. In: Seminário Urbanismo na Bahia – urbBA, 11, 2011. Anais. Universidade Federal da Bahia, 2011. p. 1-25.

SOARES, L. E. Novas políticas de segurança pública. Estudos Avançados, v. 17, n. 47, p. 75-96, 2003.

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, ano 8, n. 16, p. 20-45, 2006.

SOUZA, M. A. A. Geografias da desigualdade: globalização e fragmentação. In: SANTOS, M; SOUZA, M. A; SILVEIRA, M. L. (Orgs). Território: globalização e fragmentação. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

STROZEMBERG, P. Alguém tem receio de ser multado na favela? In: SILVA, J. S. (Org). O que é favela, afinal? Rio de Janeiro: Observatório de Favelas do Rio de Janeiro, 2009.

UPPRJ. Conceito UPP: a polícia da paz. Disponível em: http://upprj.com/wp/?page_id=20. Acesso em 19.08.2011.

VALLADARES, L. A gênese da favela carioca: a produção anterior às ciências sociais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 15, n. 44, p. 5-34, 2000.

VALLADARES, L; FIGUEIREDO, A. Housing in Brazil: an introduction to recent literature. Bulletin of Latin American Research, v. 2, n. 2, p. 69-91, 1983.

VERGARA, S. C; VIEIRA, M. M. F. Sobre a dimensão tempoespaço na análise organizacional. RAC-Revista de Administração Contemporânea, v. 9, n. 2, p. 103-120, 2005.

VIEIRA, E. F; VIEIRA, M. M. F. Espaços econômicos: geoestratégia, poder e gestão do território. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2003.

VIEIRA, M. M. F. ; GARROFÉ, P. H. S. O paradigma espaço-tempo: evolução e manipulação do sentido e do significado de espaço e de tempo nas organizações contemporâneas. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v. 3, n. 1, p. 1-11, 2005.

VIEIRA, M. M. F; CALDAS, M. P. Teoria crítica e pós-modernismo: principais alternativas à hegemonia funcionalista. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 1, p. 59-70, 2006.

VILLANUEVA, L. F. A. Estudio introductorio. In: VILLANUEVA, L. F. A. La hechura de las políticas. México: Miguel Angel Porrua Editorial, 1992. p. 15-84.

XAVIER, A. Políticas Públicas De Segurança. Perspectivas Contemporâneas, Campo Mourão, v. 3, n. 2, p. 39-72, 2008.