Micropolíticas das práticas cotidianas: etnografando uma organização circense Outros Idiomas

ID:
9596
Resumo:
Neste artigo, analisamos como as práticas cotidianas podem ser compreendidas com base na dimensão micropolítica dos processos organizacionais. As discussões teóricas articulam diálogos entre Michel de Certeau e Michel Foucault nos estudos sobre as práticas cotidianas, e a opinião de Theodore Schatzki sobre as organizações como espaços praticados. Baseadas em uma etnografia realizada em um circo, com 25 anos de existência, identificamos práticas de gestão que proporcionaram a emergência dos sujeitos produtores culturais e a formação de redes associativas do circo com empresas, em decorrência da existência de demanda de atividades artísticas por parte do mercado. Também observamos gestos políticos das artes circenses nas discussões sobre a recepção dos espetáculos pelo público e a formação do circo-escola e de projetos de cunho social realizados pelo circo. Por fim, consideramos o cotidiano organizacional como um espaço de práticas que constituem micropolíticas em meio à esfera normativa dos processos de gestão.
Citação ABNT:
OLIVEIRA, J. S.; CAVEDON, N. R. Micropolíticas das práticas cotidianas: etnografando uma organização circense. Revista de Administração de Empresas, v. 53, n. 2, p. 156-168, 2013.
Citação APA:
Oliveira, J. S., & Cavedon, N. R. (2013). Micropolíticas das práticas cotidianas: etnografando uma organização circense. Revista de Administração de Empresas, 53(2), 156-168.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/9596/micropoliticas-das-praticas-cotidianas--etnografando-uma-organizacao-circense/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALCADIPANI, R; ROSA, A. R. O pesquisador como o outro: uma leitura pós-colonial do “Borat” brasileiro. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 4, p. 371-382, 2010.

ANTONELLO, C. S; FLACH, L. Organizações culturais e a aprendizagem baseada em práticas. Cadernos EBAPE.BR, v. 9, n. 1, p. 155-175, 2011.

BENDASOLLI, P. F; BORGES-ANDRADE, J. E. Significado do trabalho nas indústrias criativas. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 51, n. 2, p. 143-159, 2011.

BENDASOLLI, P. F; WOOD Jr., T; KIRSCHBAUM, C; CUNHA, M. P. Indústrias criativas: definição, limites e possibilidades. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 49, n. 1, p. 10-18, 2009.

CASTRO, E. Vocabulário de Foucault. Tradução de Ingrid Muller Xavier. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. 480 p.

CAVEDON, N. R. As manifestações rituais nas organizações e a legitimação dos procedimentos administrativos. 1988. 368p. Dissertação de Mestrado em Administração, Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1988.

CERTEAU, M. A cultura no plural. Petrópolis: Vozes, 1999. 256 p.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 2002. 352 p.

CERTEAU, M. Teoria e método no estudo das práticas cotidianas. In: SZMRECSANYI, M. I. Q. F. (Org). Cotidiano, cultura popular e planejamento urbano. São Paulo: FAU/ USP, 1985. p. 3-17.

CLIFFORD, J. A experiência etnográfica. Rio de Janeiro: UFRJ, 2008. 320 p.

CORRADI, G; GHERARDI, S; VERZELLONI, L. Through the practice lens: where is the bandwagon of practice-based studies heading? Management Learning, v. 41, n. 3, p. 265-283, 2010.

COSTA, M. M. F. A. O velho-novo circo: um estudo de sobrevivência organizacional pela preservação dos valores institucionais. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 24, 2000, Florianópolis, Anais. Rio de Janeiro: ANPAD, 2000.

DREYFUS, H. L; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. São Paulo: Graal, 2006. 432 p.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H. L; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010. p. 231-249.

GHERARDI, S. Telemedicine: a practice-based approach to technology. Human Relations, v. 63, n. 4, p. 501-524, 2010.

JAIME, P. Um texto, múltiplas interpretações: antropologia hermenêutica e cultura organizacional. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 42, n. 4 p. 72-83, 2002.

LEITE DA SILVA, A. R; CARRIERI, A. P; SOUZA, E. M. Social practices and strategizing: a study of produce merchants in the Vila Rubim market. BAR-Brazilian Administration Review, v. 8, n. 1, p. 86-106, 2011.

LINS, C. Informações estatísticas sobre os circos. Documento IBGE (INSTITUITO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA), Brasília, 2007.

O PALHAÇO. Produção de Selton Mello. Rio de Janeiro: Bananeiras Filmes, 2011, 90 min, son, color.

OFEN, J. L. Portrait of a circus girl. Ethnography, v. 11, n. 3, p. 473-484, 2010.

PARKER, M. Organizing the circus: the engineering of miracles. Organizations Studies, v. 32, n. 4, p. 555-569, 2011.

SACCO, R. B; BRAZ, T. V. Atividades circenses: caracterização das modalidades, capacidades biomotoras, metabolismo energético e implicações práticas. Conexões Revista da Faculdade de Educação Física, v. 8, n. 1, p.130-164, 2010.

SANDBERG, J; DALL’ALBA, G. Returning to practice new: a life-world perspective. Organization Studies, v. 30, n. 12, p. 1349-1368, 2009.

SARAIVA, E. V; CARRIERI, A. P; AGUIAR, A. R. C; BRITO, V. G. P. Um pas de deux da estratégia com a arte: as práticas do Grupo Corpo de balé. RAC-Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 6, p. 1016-1039, 2011.

SATO, L; BERNARDO, M. H; OLIVEIRA, F. Psicologia social do trabalho e cotidiano: a vivência de trabalhadores em diferentes contextos micropolíticos. Psicología para América Latina, n. 15, p. 1-14, 2008.

SCHATZKI, T. R. On organizations as they happen. Organization Studies, v. 27, n. 12, p. 1863-1873, 2006.

SCHATZKI, T. R. Peripheral vision: the sites of organizations. Organization Studies, v. 26, n. 3, p. 465-484, 2005.

TEMPERANI, R. Categorias, gênero e linguagens circenses. Disponível em: http://www.portaldocirco.com.br. Acesso em 10.08.2011.

YAKHLEF, A. The corporeality of practice-based learning. Organization Studies, v. 31, n. 4, p. 409-430, 2010.