Por que as empresas brasileiras adotam estruturas piramidais de controle Outros Idiomas

ID:
9613
Resumo:
Estruturas piramidais de controle são comuns nas empresas brasileiras, e representam uma forma de desviar do princípio “uma ação, um voto”. A literatura acadêmica sobre esse mecanismo e seus impactos é farta, mas ainda recente sobre as motivações da sua adoção. Entre elas, surgem: as vantagens de financiamento; o seguro implícito oferecido pela possibilidade de transferir caixa entre as empresas; vantagens fiscais; e o risco moral percebido pelo mercado. Esta pesquisa investiga essas razões analisando as estruturas de propriedade de 271 empresas brasileiras listadas em bolsa de valores no ano de 2004, e 257 em 2006. As participações diretas e indiretas sobre o controle e o caixa são observadas até o acionista último. Os dados mostram uma evolução em direção a estruturas menos concentradas e com menores desvios de direitos. As motivações são analisadas por meio de variáveis econômico-financeiras e de estrutura de propriedade, utilizando regressões lineares múltiplas e modelos logit. A vantagem de financiamento surge como motivação relevante. As pirâmides também potencializam os desvios de direitos, o que agrava o problema do risco moral. Entretanto, há relação positiva entre características de estruturas piramidais e payout de dividendos, e negativa com a disponibilidade de caixa, o que pode sinalizar iniciativas de amenizar o risco de expropriação percebido pelo mercado, reduzindo o caixa disponível ao livre arbítrio dos gestores. Algumas entrevistas com auditores, advogados e conselheiros foram feitas com o objetivo de explorar outras possíveis explicações. Surgiram como relevantes: a reputação do controlador; reestruturações societárias por motivos de natureza fiscal, separação de negócios ou para organizar participações familiares; e melhores alternativas de distribuição de resultados.
Citação ABNT:
BORTOLON, P. M.Por que as empresas brasileiras adotam estruturas piramidais de controle. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, v. 10, n. 1, p. 2-18, 2013.
Citação APA:
Bortolon, P. M.(2013). Por que as empresas brasileiras adotam estruturas piramidais de controle. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 10(1), 2-18.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/9613/por-que-as-empresas-brasileiras-adotam-estruturas-piramidais-de-controle/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALDRIGHI D.M.; MAZZER NETO R. Evidências sobre as estruturas de propriedade de capital e de voto das empresas de capital aberto no Brasil. Revista Brasileira de Economia, 61(2): 129-152. 2007. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71402007000200001

ALDRIGHI, D.M.; POSTALI, F.A.S. Propriedade piramidal das empresas no Brasil. Revista Economia, 12(1): 27-48. 2011.

ALMEIDA, H.; WOLFENZON, D. A Theory of Pyramidal Ownership and Family Business Groups. The Journal of Finance, 61(6): 2637-2680. 2006. http://dx.doi.org/10.1111/j.1540-6261.2006.01001.x

ATTIG, N.; FISCHER, K.P.; GADHOUM, Y. On the Determinants of Pyramidal Ownership: Evidence on Dilution of Minority Interests. EFA 2004 Maastricht Meetings, Paper No. 4592. 2004. Disponível em: http://ssrn.com/abstract=434201. Acesso em: 24/08/2009.

BANK, S.A.; CHEFFINS, B.R. The Corporate Pyramid Fable. Business History Review, 84(3): 435-458 2010. http://dx.doi.org/10.1017/S0007680500002191

BERLE, A.; MEANS, G. The Modern Corporation and Private Property. New York, Macmillan, 380 p. 1932.

CLAESSENS, S.; DJANKOV, S.; FAN, J.P.H.; LANG, L.H.P. Disentangling the incentive and entrenchment effects of large shareholdings. The Journal of Finance, LVII(6):2741-2771. 2002. http://dx.doi.org/10.1111/1540-6261.00511

DA SILVA, A.L.C. A influência da estrutura de controle e propriedade no valor, estrutura de capital e política de dividendos das empresas brasileiras. 2002. Rio de Janeiro, RJ. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 137 p.

DA SILVA, A.L.C.; LEAL, R.P.C. Ownership, control, valuation and performance of Brazilian corporations. Corporate Ownership & Control, 4(1): 300-308. 2006.

DECOURT, R.F.; PROCIANOY, J.L. O processo decisório de distribuição de lucros das empresas listadas na BOVESPA. 2009. In: ENCONTRO BRASILEIRO DE FINANÇAS, 9, São Leopoldo, RS, 2009. Anais...São Leopoldo. Disponível em http://virtualbib.fgv.br/ocs/index.php/ebf/9EBF/paper/view/891/166. Acesso em: 10/07/2011.

DEMSETZ, H.; LEHN, K. The Structure of Corporate Ownership: Causes and Consequences. The Journal of Political Economy, 93(6): 1155-1177. 1985. http://dx.doi.org/10.1086/261354

DEMSETZ, H.; VILLALONGA, B. Ownership structure and corporate performance.Journal of Corporate Finance, 7: 209-233. 2001. http://dx.doi.org/10.1016/S0929-1199(01)00020-7

GOPALAN, R.; NANDA, V.; SERU, A. Affiliated firms and financial support: evidence from Indian business groups. Journal of Financial Economics, 86: 759-795. 2007. http://dx.doi.org/10.1016/j.jfineco.2006.09.008

HELWEGE, J.; PIRINSKY, C.; STULZ, R.M. Why do firms become widely held? An analysis of the dynamics of corporate ownership. The Journal of Finance, 42(3): 995-1028. 2007. http://dx.doi.org/10.1111/j.1540-6261.2007.01229.x

HIMMELBERG, C.P.; HUBBARD, R.G.; PALIA, D. Understanding the determinants of managerial ownership and the link between ownership and performance. Journal of Financial Economics, 53: 353-384. 1999. http://dx.doi.org/10.1016/S0304-405X(99)00025-2

HUGHES, J.P. Ultimate Control and Corporate Value: Evidence from the UK. Financial Reporting, Regulation and Governance, 4(2): 1-23. 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA (IBGC). Código das melhores práticas de governança corporativa. 2009. Disponível em www.ibgc.org.br. Acesso em: 20/03/2008

JENSEN, M.; MECKLING, W. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs, and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4): 305-360. 1976. http://dx.doi.org/10.1016/0304-405X(76)90026-X

LA PORTA, R.; LOPES-DE-SILANES, F.; SHLEIFER, A. Corporate Ownership Around the World. The Journal of Finance, LIV(2): 471-517. 1999. http://dx.doi.org/10.1111/0022-1082.00115

LEAL, R.P.C.; DA SILVA, A.L.C. Ownership, Control, Valuation and Performance of Brazilian Corporations. Corporate Ownership and Control, 4(1): 300-308. 2006.

LEAL, R.P.C.; DA SILVA, A.L.C.; VALADARES, S.M. Estrutura de Controle das Companhias Brasileiras de Capital Aberto. Revista de Administração Contemporânea, 6(1): 7-18. 2002. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552002000100002

LIM, U.; KIM, C. Determinants of ownership structure: an empirical study of Korean conglomerates. Pacific-Basin Finance Journal, 13: 1-28. 2005. http://dx.doi.org/10.1016/j.pacfin.2003.11.001

MASULIS, R.W.; PHAM, P.K.; ZEIN, J. Pyramids: empirical evidence on the costs and benefits of family business groups around the world, 2009. 2009. Disponível em: http://69.175.2.130/~finman/Turin/Papers/Family_Business_Groups_11_25_08.pdf. Acesso em: 29/03/2010.

MORCK, R. Why some double taxation might make sense: the special case of inter-corporate dividends. 2003. NBER Working Paper Series. Disponível em: http://www.nber.org/papers/w9651. Acesso em: 11/06/2012.

PROCIANOY, J.L. Brazil company partnership models. International Review of Financial Analysis, 10: 307-322. 2001. http://dx.doi.org/10.1016/S1057-5219(01)00055-2

RIYANTO, Y.E.; TOOLSEMA, L.A. Tunneling and Propping: A justification for pyramidal ownership. Journal of Banking & Finance, 32: 2178-2187. 2008. http://dx.doi.org/10.1016/j.jbankfin.2007.12.044